817kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

"Deus", "felicidade" e "covid". Foi isto que googlámos num ano de pandemia

Este artigo tem mais de 3 anos

Em 2020, Portugal foi o sexto país que mais pesquisou o termo "máscaras". Pela primeira vez pesquisou-se mais sobre outro tema que não a meteorologia: Covid. Porém, nunca se googlou tanto por "Deus".

In this photo illustration the Google LLC logo seen
i

Os resultados que a Google divulgou sobre a Covid-19 foram agregados entre 1 de janeiro de 2020 e 31 de janeiro de 2021

SOPA Images/LightRocket via Gett

Os resultados que a Google divulgou sobre a Covid-19 foram agregados entre 1 de janeiro de 2020 e 31 de janeiro de 2021

SOPA Images/LightRocket via Gett

Em 2020, a tendência nas pesquisas na internet através do Google foi aquilo que deve estar a presumir: a pandemia de Covid-19. “Foi a primeira vez em que o termo tempo [de meteorologia] foi ultrapassado”, explica Simon Rogers, editor de dados no Google News Lab, numa conversa em que o Observador este presente. Contudo, num ano historicamente pandémico, houve outras palavras a marcar também as tendências: nunca se tinha pesquisado tanto “Deus”, “felicidade” ou “empatia”, divulgou a Google.

[No gráfico abaixo é possível ver a evolução das principais questões pesquisadas em Portugal no Google sobre a Covid-19]

Numa conversa com jornalistas, Simon Rogers explicou que estes dados agregados em percentagem sobre aquilo que os utilizador pesquisam no Google, ou que “googlam”, estão disponíveis na plataforma Google Trends (a “Tendências Google”, em português). Neste serviço é possível ver parte dos padrões a que os analistas da Google, como Rogers, têm acesso para perceber as tendências que a empresa depois utiliza para serviços como o Adwords, de venda de publicidade, por exemplo. Através desta ferramenta é possível saber que temas e termos estão a ser procurados no motor de pesquisa mais utilizado em todo o mundo, seja globalmente ou em determinado país.

A empresa assume que, em 2020, as palavras e perguntas que as pessoas pesquisaram “foram muito diferentes das dos anos anteriores”. Apesar de haver sempre novas tendências, os utilizadores do motor de pesquisa costumam procurar por temas semelhantes, como o estado do tempo. Contudo, com uma pandemia a começar, foi até possível perceber, de antemão, que países estavam a começar a ser mais afetados.

Ou seja, através das tendências de pesquisa, a Google construiu gráficos para demonstrar que os termos que as pessoas procuram indicam, por exemplo, que a pandemia de Covid-19 pode estar a piorar em determinados locais. “‘Perda de olfato’ era tendência na Pesquisa Google antes de ser um sintoma conhecido”, explica a empresa sobre o potencial dos dados que agrega e analisa.

Além disso, a empresa encontrou novos padrões interessantes, como: nunca se tinha perguntado tantas vezes ao Google “que dia é hoje?”. Além disso, as pesquisas relacionadas com exercício — “correr”, “jogging” ou “bicicleta” — estiveram em alta. Os utilizadores do motor de pesquisa também quiseram aprender mais sobre como é que se faz “máscaras de tecido”, “desinfetante das mãos” ou “massa de piza”.

As tendências de pesquisa mostraram ainda como ficámos confinados com perguntas como “como conhecer pessoas?” ou “partidas aos pais” a serem procurados. Mas não fique triste, nunca a palavra “esperança” tinha sido tão pesquisada, diz a Google, assim como “Deus”, “Felicidade” ou “Empatia”.

Apesar de não mostrar o número exato de pessoas que está a pesquisar ou pesquisou por determinado termo — só mostra percentagens –, a Google disponibiliza o Trends para permitir que se saibam as tendências mundiais de pesquisa. É possível ver alguns números concretos agregados. Contudo, apenas é possível para os 20 termos mais pesquisados em determinado dia ou nas últimas 24 horas. Além disso, a Google afirma que “apenas uma amostra de resultados é apresentado no Trends” para poder mostrar da melhor forma, e evitar erros, o que é pesquisado.

Estes resultados que a Google revela podem mostrar padrões ou problemas que países ultrapassam. Por exemplo, em 2020 os cinco países que maior percentagem da população tiveram a pesquisar a palavra desemprego foram (por ordem crescente): os Estados Unidos da América, o Uruguai, Espanha, Grécia e França. Portugal entra nesta lista de top de termos de pesquisas relacionados com o novo coronavírus em sexto lugar com a palavra “máscaras”.

Os resultados de termos e tendências focadas em resultados sobre a  Covid-19 foram recolhidos entre 1 de janeiro de 2020 e 31 de janeiro de 2021. Para ver com maior detalhe os dados divulgados pela Google sobre a pandemia pode visitar a página do Trends criada para o efeito aqui.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos