783kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Portugal regista pior domingo desde o último fim de semana antes do desconfinamento

Este artigo tem mais de 3 anos

Desde o último domingo antes do confinamento que Portugal não registava tantos casos neste dia da semana. Houve seis mortes por Covid-19. Boletim mantém matriz de risco anunciada na sexta-feira.

PORTUGAL-HEALTH-VIRUS-REOPENING
i

Este é o primeiro fim de semana da segunda fase de desconfinamento em Portugal

AFP via Getty Images

Este é o primeiro fim de semana da segunda fase de desconfinamento em Portugal

AFP via Getty Images

Portugal registou mais 566 novos casos de infeção pelo coronavírus e mais seis mortes por Covid-19 nas últimas 24 horas, revela o mais recente relatório de situação da Direção-Geral de Saúde (DGS). É o pior domingo desde 14 de março em termos de incidência, isto é, o último domingo antes do início do desconfinamento.

O números de pessoas dadas como recuperadas da infeção pelo SARS-CoV-2 desde o último sábado, 10 de abril, está novamente abaixo do número de novos casos em 24 horas: foram mais 410 recuperados do coronavírus. Há 25.960 casos ativos no país neste momento, mais 150 do que na última atualização das autoridades de saúde.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O número de pessoas em internamento por Covid-19 mantém-se inalterado desde sábado: 466 estão hospitalizadas por quadros clínicos mais complicados da doença provocada pelo vírus. Mas há menos seis pessoas em internamento nas Unidades de Cuidados Intensivos (UCI), reduzindo o número para 113.

A matriz de risco apresentada este domingo pela DGS indica que o R(t) — o índice de transmissão, que indica quantas pessoas alguém infetado pode contagiar em média — está em 1,02, como o INSA já tinha avançado no sábado. A incidência nacional mantém-se em 65,7 casos em duas semanas por 100 mil habitantes.

Duas das seis pessoas que morreram nas últimas 24 horas por Covid-19 tinham entre 60 e 69 anos. Três tinham 80 anos ou mais e uma estava na casa dos 70 anos. Quatro das seis mortes foram registadas na região de Lisboa e Vale do Tejo, enquanto duas ocorreram na região Norte.

Também foi em Lisboa e Vale do Tejo que se registou a maioria dos novos casos de infeção: 200 nesta região, 183 no Norte, 62 no Centro, 41 nos Açores, 33 no Algarve, 31 na Madeira e 16 no Alentejo. A maioria (86) dos casos ocorreu na faixa etária dos 30 aos 39 anos.

Setenta e nove dos 566 novos casos identificados nas últimas 24 horas verificaram-se na faixa etária dos 50 aos 59 anos. Seguem-se os 20-29 anos (74 casos), 40-49 anos (69 casos), 60-69 anos (67 casos), 0-9 anos (58 casos), 10-19 anos (57 casos), 70-79 anos (41 casos) e 80 anos ou mais (35).

Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos