A Rússia anunciou esta quarta-feira o lançamento da produção da sua principal vacina contra o Covid-19 na Sérvia, o primeiro país europeu a fabricar a Sputnik V após a Rússia e a Bielorrússia.

“A Sérvia tornou-se no primeiro país da Europa do Sul a produzir a Sputnik V”, indicou em comunicado o Fundo Soberano Russo (RDIF), que financiou a vacina.

Um porta-voz do Fundo, contactado pela agência noticiosa AFP, precisou que atualmente apenas a Rússia e a Bielorrússia, tradicional aliado de Moscovo, produzem a vacina na Europa.

Por sua vez, o ministro da Inovação sérvio, Nenad Popovic, anunciou na rede social Twitter que o início da produção no país está previsto para 20 de maio.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O Presidente sérvio, Aleksandar Vucic, deverá por sua vez visitar na quinta-feira o Instituto Torlak de Belgrado, onde está prevista a produção.

A Sérvia, que pretende aderir à União Europeia (UE) mas permanece próxima da Rússia no plano diplomático, começou no início de janeiro a sua campanha de vacinação com a Sputnik V.

A amplitude da vacinação poderá ser aumentada consideravelmente devido ao lançamento de uma produção local”, indicou em comunicado Kirill Dmitriev, diretor-geral do Fundo russo.

Em agosto passado, o anúncio por Moscovo da Sputnik V foi de início criticada no ocidente como prematuro. No entanto, a fiabilidade do produto foi confirmada nos meses seguintes, e atualmente está homologada em 60 países.

A sua produção continua a ser dirigida prioritariamente à população da Rússia (cerca de 147 milhões de habitantes) e até ao momento Moscovo apenas disponibilizou quantidades relativamente reduzidas ao estrangeiro, em particular devido a uma produção ainda insuficiente para atender a todos os pedidos.

A pandemia de Covid-19 provocou, pelo menos, 2.961.387 mortos no mundo, resultantes de mais de 137,4 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.