Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A Covid-19 tornou ainda mais populares empresas como a Uber Eats ou a Glovo, mas mesmo agora, com menos confinamento, não falta quem continue a preferir mandar vir comida, em vez de a ir buscar ao restaurante. Como esta opção tem custos adicionais, para quem cozinha e para quem consome, há quem esteja já a testar uma solução que prescinde dos serviços que transportam comida até à sua porta.

O exemplo chega-nos pela mão da Domino’s Pizza, uma conhecida casa de comida rápida norte-americana, que procurou encontrar uma forma de acabar com condutores e scooters, bem como os respectivos custos, concebendo um veículo capaz de transportar sozinho a pizza do restaurante até à porta do cliente.

O modelo em causa é conhecido como o R2 da Nuro e possui duas características que muito agradaram aos responsáveis pela Domino’s. Primeiro é eléctrico, o que se pode traduzir em menores custos de utilização, e depois é 100% autónomo, prescindindo do condutor.

Se pensa que o R2 é uma coisa do futuro e que, até o vermos em funcionamento, as pizzas correm o risco de ficar frias, está enganado. O R2 entra ao serviço esta semana, para já em fase de testes e funcionando apenas a partir de uma só loja, em Woodland Heights, nos arredores de Houston, no Texas. De acordo com a Domino’s, também apenas um reduzido número de clientes foi escolhido para interagir com o R2, para concentrar a fase de testes e ajudar a fazer evoluir mais rapidamente o conceito e a tecnologia.

O cliente encomenda a refeição online, como habitual e recebe um PIN, para fazer com que o R2 o reconheça como cliente final e lhe entregue o repasto. Como não podia deixar de ser, há outras empresas interessadas no potencial do R2 para entregas ao domicílio, sendo uma delas o gigante Walmart. O veículo robot já possui uma autorização especial do governo americano para operar em condições controladas e em áreas específicas.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR