Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) deu autorização de uso de emergência à vacina Coronavac, desenvolvida pela farmacêutica chinesa Sinovac Biotech.

Esta vacina tem sido muito usada no Brasil (mais de 60% das doses aplicadas), uma vez que é produzida no Instituto Butantan em parceria com laboratório chinês. Agora, também vai fazer parte do lote de vacinas que integram o programa Covax de apoio à vacinação nos países de baixo rendimento, refere a CNN Brasil.

O Instituto Butantan conduziu um estudo com a Coronac no qual vacinou todos os adultos da cidade de Serrana, no interior de São Paulo. A imunização começou em fevereiro, com cerca de 30 mil adultos, e resultou numa quebra de 95% das mortes por Covid-19, noticiou a Reuters.

As mortes caíram 95%, os internamentos recuaram 86% e os casos sintomáticos foram reduzidos em 80%. Estes são os principais resultados do estudo clínico de efetividade inédito no mundo”, disse o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), ao anunciar os resultados do estudo conduzido pelo Instituto Butantan, que é ligado ao governo paulista.

Ricardo Palacios, diretor médico da investigação clínica do Butantan, destaca outro aspeto: “O resultado mais importante foi entender que podemos controlar a pandemia mesmo sem vacinar toda a população. Quando atingida a cobertura de 70% a 75%, a queda na incidência foi percebida até no grupo que ainda não tinha completado o esquema vacinal”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR