819kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Homem matou e arrancou a cabeça a um pombo numa esplanada em pleno Rossio. "Não há crime nenhum", diz PSP

Este artigo tem mais de 2 anos

Um homem, irritado com um bando de pombos que atacou o almoço do filho, matou e arrancou a cabeça a um deles, numa esplanada em Lisboa. PSP foi chamada mas diz que situação não configura crime.

Portugal Impacted By Coronavirus
i

Entre fevereiro de 2021 e janeiro de 2021, a Câmara Municipal de Lisboa capturou 7.420 pombos para avaliação do seu estado sanitário

Corbis via Getty Images

Entre fevereiro de 2021 e janeiro de 2021, a Câmara Municipal de Lisboa capturou 7.420 pombos para avaliação do seu estado sanitário

Corbis via Getty Images

Um homem matou e arrancou a cabeça a um pombo com as próprias mãos no passado dia 22 de junho, enquanto almoçava com o filho, de 3 anos, na esplanada do McDonald’s da praça do Rossio, em Lisboa.

De acordo com as testemunhas presentes, que acabaram por chamar a polícia e por divulgar o caso nas redes sociais, o agressor, de nacionalidade francesa, ter-se-á irritado com o facto de um bando de pombos ter atacado as batatas fritas da criança e desferiu vários murros em outros tantos animais, acabando mesmo por matar e decapitar um deles, num ato de extrema violência presenciado não apenas pelo seu filho mas por várias outras crianças.

“A certa altura os pombo atacaram as batatas fritas da criança e o pai começou ao soco aos pombos e agarrou num e com grande violência arrancou a cabeça ao animal e jogou no chão”, escreveu no Facebook Susana Almeida, que na altura estava na mesma esplanada, a almoçar com a filha menor. “A minha filha de 12 anos começou a chorar assim que viu o sangue espalhado sobre as mesas e chão e eu comecei aos gritos com o homem e a impedi-lo de se ir embora pois ia chamar a polícia.”

Contactada pelo Observador, fonte da PSP de Lisboa confirmou o “incidente” mas desmentiu os relatos de quem esteve no local sobre uma possível detenção do homem, que se desculpou, dizendo que estava apenas a tentar afastar o animal.

“Houve uma denúncia, feita por uma funcionária de um restaurante, e estivemos no local. O homem, de nacionalidade francesa, foi identificado mas, como não há crime nenhum, por mais macabro que possa parecer, não foi levado à esquadra”, detalhou a mesma fonte, explicando que só são puníveis por lei agressões contra animais de companhia ou espécies protegidas.

Ao Público, Marisa Quaresma dos Reis, provedora dos Animais de Lisboa, descreveu a situação como um “ato gratuito de agressão” que poderá indiciar algo mais: “Os maus tratos a animais estão também associados a um carácter violento também contra as pessoas. Hoje é um pombo, amanhã um cão e no outro dia é uma pessoa”.

Questionada sobre o assunto, a provedora admitiu que não esperava que o agressor fosse responsabilizado pela agressão ao animal, mas que acreditava que o homem pudesse ser punido por ter exposto vários menores a tal ato de violência.

Por isso mesmo, Marisa Quaresma dos Reis já tinha defendido a necessidade de “alargar a legislação para proteger também todos os outros animais”, e dotar de regime sancionatório a atual lei geral de proteção dos animais. “É proibido, mas pode-se fazer. Não há coima, nenhuma multa, nem nunca vai ser condenado a pena de prisão.”

Artigo atualizado às 11h35 com as declarações da PSP de Lisboa 

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos