Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O discurso do Governo tem vindo a aliviar a carga nos últimos dias em relação ao (novo) ponto alto da Covid-19 no país. Primeiro, o próprio chefe do Executivo falou no momento da “libertação total”, depois esteve no debate do Estado da Nação a focar-se no capítulo do pós-Covid e agora, depois do Conselho de Ministros, a ministra da Presidência aponta apenas os copos meio cheios do ritmo de transmissão “menor do que nas últimas semanas” e do tom de “vermelho menos denso” na matriz de risco”. A nova leva de medidas — e a ponderação sobre a tal “libertação” — chegará na próxima semana, depois de ouvidos (mais uma vez) os especialistas.

No final de junho, o Governo travou o plano de desconfinamento perante uma “situação complexa” em que se registavam uma incidência de 129 novos casos por cem mil habitantes a 14 dias (acima da linha vermelha dos 120) e o índice de transmissibilidade (Rt) nos 1,18 no continente (acima da linha vermelha do 1). Hoje este mesmo índice está nos 1,09 (continua acima do desejado) e os casos estão bem acima dessa altura: o nível de incidência está nos 421,3 casos.

Os números não estão muito distantes e, a agravar o quadro, mesmo antes de arrancar o briefing do Conselho de Ministros, o boletim da DGS dava conta de 16 mortos nas últimas 24 horas e ainda a Madeira e os Açores a darem sinais de risco (a Madeira a renovar a calamidade e os Açores com mais ilhas em alto risco de transmissão). Ainda assim, o discurso do “vermelho” do Governo passou para o “vermelho menos denso” da matriz de risco que deverá ser alterada na próxima semana para acolher também dados relativos à vacinação.

É no avanço deste processo de vacinação que o Executivo está a apostar todas as fichas quando Mariana Vieira da Silva, questionada sobre se o plano é seguir o “freedom day” britânico, responde que o Governo sempre disse que quando a população tivesse “as duas doses da vacina seria o momento de mudanças de políticas e aproximamo-nos desse momento”. A avaliação destas medidas, acrescentou a ministra, será feita na reunião do Infarmed de terça-feira que vem.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A incidência continua a crescer mas a um ritmo “menor”, argumentou a ministra. Já estivemos em zonas de “vermelho mais escuro” na matriz, o que não significa um “alívio”, mas uma situação em que regiões como Lisboa e os Açores já passaram o pico, um “bom sinal” também da eficácia da vacinação, acrescentou nesta mesma linha.

O contexto é, no entender do Governo, propício para alinhavar um plano para a frente que já conte com a vacinação. Aliás, em fevereiro, o primeiro-ministro tinha apontado até uma meta, entretanto já atingida: “Só retomaremos a normalidade da nossa vida quando todos estivermos vacinados ou, pelo menos, 70% da população, atingindo-se a imunidade de grupo”.

Será a reunião com peritos e políticos da próxima semana que ditará o suporte técnico para as medidas que se seguirem, ainda que o Governo vá já dando estes sinais de estar convencido de um alívio em breve. O mesmo aval que aguarda para avançar com a vacinação de crianças. Mas aqui, a medida já foi pré-anunciada por António Costa, com datas e tudo, ainda que continue a aguardar decisão técnica. Após o Conselho de Ministros, a ministra da Presidência afirmou que “há condições” para saber que jovens entre 16 e 18 anos, e abaixo dos 16 todos os que tenham comorbilidades, serão vacinados.