O governo alemão disponibilizou 26 milhões de euros para “resposta humanitária urgente” em Cabo Delgado, no norte de Moçambique, província que sofre, desde 2017, ataques protagonizados por grupos armados.

O montante foi disponibilizado através do Programa Alimentar Mundial (PAM), em resposta ao apelo feito pela organização à comunidade internacional, visando a “disponibilização urgente de novos fundos” para apoiar as vítimas da violência armada, segundo um comunicado conjunto enviado esta terça-feira à comunicação social. “Sinto-me orgulhoso destes fundos que sem dúvidas chegam num momento em que a população de Cabo Delgado mais precisa para sobreviver e se reerguer”, disse Lothar Freischlader, embaixador da Alemanha em Moçambique, citado no documento.

Moçambique: ONG apela à possibilidade de negociações com o “extremismo”

Segundo o PAM, o valor vai permitir ajudar mais de 290 mil pessoas afetadas pela violência armada no norte de Moçambique, numa altura em que a necessidade de assistência “aumenta para níveis recordes”. “Sem o apoio e ação imediata, milhares de pessoas sofreriam de insegurança alimentar no Norte de Moçambique. O PAM continuará a apoiar os mais vulneráveis e a fornecer assistência de recuperação e resiliência, trabalhando em estreita colaboração com as instituições nacionais”, disse Antonella D’Aprile, representante e diretora do PAM em Moçambique.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

De acordo com o comunicado, com os fundos adicionais anunciados esta terça-feira, a Alemanha contribuiu para o PAM em 2021 “duas vezes mais do que o que foi contribuído nos últimos quatro anos combinados”. Grupos armados aterrorizam a província de Cabo Delgado desde 2017, sendo alguns ataques reclamados pelo grupo Estado Islâmico.  Há mais de 2.800 mortes, segundo o projeto de registo de conflitos ACLED, e 800 mil deslocados, segundo a Presidência da República.