O governo alemão prepara-se para vender no mercado até um quarto da sua participação (de 20%) no capital da transportadora Deutsche Lufthansa, uma decisão que está relacionada com os resultados melhores do que o esperado no plano de recuperação pós-Covid. A informação foi confirmada pelo Tesouro público alemão, esta segunda-feira.

A Lufthansa recebeu seis mil milhões de euros do fundo de estabilização económica que foi criado pela Alemanha, o WSF, e a participação de 20% foi adquirida a troco de cerca de 300 milhões de euros. Desde então, o desempenho da empresa na reação à crise pandémica tem sido melhor do que a prevista, pelo que o governo alemão já está a preparar a primeira redução da participação pública.

Que ajudas estão a receber as companhias aéreas? Que cortes têm de fazer? A TAP é exceção?

A perspetiva de um grande lote de ações ser colocada no mercado está, porém, a fazer as ações da Lufthansa caírem quase 4% na bolsa de Frankfurt. O Tesouro público alemão tinha indicado, anteriormente, que planeava vender toda a participação na empresa até ao final de 2023 – uma perspetiva que não foi alterada mas alguns investidores poderão estar a especular que a saída do estado da companhia poderá ocorrer mais cedo.

A Lufthansa mantém, também, a previsão de emitir novas ações para ajudar a reembolsar os contribuintes, algo que poderá acontecer antes de final de setembro (quando estão marcadas eleições na Alemanha).

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A entrada de capital da companhia alemã Lufthansa na TAP estava em curso e apenas foi congelada pela Covid-19, revelou em julho Marcelo Rebelo de Sousa, o Presidente da República.

TAP: Marcelo indica que eventual entrada da Lufthansa apenas foi congelada pela Covid-19