Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A administração da Saint-Gobain mostrou-se disposta a oferecer uma compensação superior a 50% face ao montante mínimo previsto na lei para indemnizações individuais aos 130 trabalhadores da fábrica de Santa Iria da Azóia, cujo encerramento foi anunciado há dias.

Segundo a empresa, estas foram as propostas feita na primeira reunião realizada esta terça-feira para analisar o processo de despedimento coletivo e na qual participou a Direção-Geral de Emprego e Relações do Trabalho, bem como representantes dos trabalhadores. Não foi para já alcançado acordo, informa a empresa, sinalizando também que isso é normal nestes processos que são mediados pelo Ministério do Trabalho e Segurança Social . A próxima reunião está marcada para 8 de setembro.

Em comunicado, a empresa francesa informa que contratou uma sociedade especializada em recolocações para apoiar os trabalhadores na procura por um novo emprego, admitindo ainda receber alguns em outras unidades em Portugal.

Saint-Gobain Sekurit Portugal fecha e avança para o despedimento coletivo dos 130 trabalhadores

A Saint-Gobain anunciou o encerramento da unidade de produção de vidro para automóveis, uma decisão justificada pela retração do mercado automóvel no contexto da pandemia. E assinala que fez várias reestruturações e capitalizações antes de decidir o fecho da unidade que só produzia o vidro. O grupo tem em Portugal 11 empresas e oito unidades e faturou cerca de 180 milhões de euros.