Obrigado por ser nosso assinante. Pode ler este e todos os artigos do Observador em qualquer dispositivo.

Dificilmente haverá um estudante que não tenha sofrido de dores de barriga pelo menos uma vez antes de um exame ou um trabalhador que não tenha tido de disfarçar o suor nas mãos ou na testa numa das entrevistas de emprego a que teve de ir. As reações de stress e ansiedade são normais e até podemos usá-las a nosso favor, defendem os psicólogos da Universidade de Rochester, nos Estados Unidos.

O stress perante situações novas ou de pressão é, muitas vezes, encarado como uma situação negativa, mas a experiência dos psicólogos mostrou que, quando os alunos percebem os benefícios do stress e reduzem a perceção de ameaça, conseguem baixar os níveis de ansiedade e ter melhores resultados nos exames.

Além disso, estão mais atentos e envolvidos nas aulas, aceitam os desafios académicos de uma forma mais saudável e procrastinam menos, referem os autores no artigo publicado na revista científica Journal of Experimental Psychology: General. A experiência foi feita com mais de 300 alunos universitários.

Usámos uma abordagem do tipo ‘dizer é acreditar’, através da qual os participantes aprendem sobre os benefícios adaptativos do stress e são convidados a escrever sobre como isso pode ajudá-los a alcançar isso [um objetivo]”, diz Jeremy Jamieson, coordenador do estudo no Laboratório de Stress Social da Universidade de Rochester, em comunicado de imprensa.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A resposta de stress, que se traduz em coração acelerado, aumento da temperatura corporal ou outros sintomas, é visto como algo a evitar, mas é esta mesma resposta que permite aumentar a oxigenação do cérebro e que liberta hormonas que nos darão energia.

Claro que os sintomas podem ser incapacitantes, mas deixar de enfrentar determinadas situações para evitar o stress não é a melhor solução, dizem os autores.

Não podemos fugir dos exames, aprendizagens ou derrotas só porque nos causam stress, mas podemos aprender a lidar com as situações em nosso benefício, defendem, nomeadamente transformando as situações que provocam stress em desafios em vez de ameaças.

Mas como? Primeiro, é preciso estar ciente que o stress não significa sempre angústia ou ansiedade, mas que é a resposta do organismo a um desafio, bom ou mau. Basta pensar que o entusiasmo também é  uma reposta de stress.

Depois, para avançarmos ou melhorarmos temos, muitas vezes, de sair da nossa zona de conforto. As crianças e jovens têm de enfrentar tarefas difíceis e desafiantes e os pais não devem escudar os filhos de todas as situações que desencadeiem stress.

Os nossos filhos não vão aprender a ultrapassar os obstáculos sozinhos se estivermos constantemente a eliminá-los do caminho. “O objetivo não deve ser ajudar as crianças a tirar um A [nota máxima nos exames], mas sim forçar os limites de seus conhecimentos e habilidades”, lê-se no comunicado de imprensa.