Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O FC Porto nunca tinha sido eliminado da Taça de Portugal por uma equipa do Campeonato de Portugal, o FC Porto não perdia na Taça de Portugal com uma equipa de escalões inferiores há 31 encontros consecutivos e o FC Porto tinha marcado cinco ou mais golos na primeira eliminatória da Taça de Portugal em que participou em três dos últimos cinco anos. Contra o Sintrense, a equipa de Sérgio Conceição cumpriu todos esses desígnios e seguiu em frente na segunda competição portuguesa.

Sérgio Oliveira lembrou toda a gente de tudo aquilo de que ainda não se esqueceu (a crónica do Sintrense-FC Porto)

Os dragões chegaram então à 32.ª eliminatória consecutiva da Taça de Portugal a vencer contra equipas de escalões inferiores: a última vez que foram eliminados por um conjunto que não pertencia à Primeira Liga foi já em 2006/07, perante o Atlético. Numa partida disputada na antecâmara do jogo para a Liga dos Campeões contra o AC Milan, no Dragão, Sérgio Conceição fez as habituais mexidas no onze inicial mas a equipa manteve o compromisso e a concentração necessários para não permitir eventuais surpresas.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Na flash interview, o treinador do FC Porto destacou precisamente o profissionalismo dos jogadores. “Fomos competentes. Hoje em dia não é fácil jogar contra equipas de escalões inferiores, onde se trabalha bem, com equipas técnicas apetrechadas. Hoje em dia não há jogos fáceis. Fomos muito competentes no equilíbrio. Fizemos os golos perante uma equipa que começou por defender — e bem — em bloco baixo. Isso só valoriza ainda mais a nossa prestação e a nossa vitória. Era a nossa obrigação e só posso dar os parabéns aos jogadores pela seriedade”, atirou Sérgio Conceição, comentando depois a exibição positiva dos elementos menos utilizados ao longo da temporada.

“Não vejo as coisas dessa forma. As resposta que quero e as oportunidades que vão aparecendo são de acordo com o trabalho diário. Há jogos que correm melhor do que outros. Houve momentos em que os jogadores tiveram algumas situações de qualidade técnica mas, neste tipo de jogos, o mais importante é a seriedade. Procurámos ferir o adversário porque o estudámos. Os jogadores estiveram bem. Não fizeram um jogo espetacular, se calhar, mas eu vejo outros momentos que são mais importantes”, acrescentou o técnico, justificando depois a saída de Sérgio Oliveira, que tinha marcado dois golos e feito uma assistência, na segunda parte. “Tinha de mudar no meio-campo e manter a mesma qualidade no passe curto. O Vitinha tentou entrar para dar essa mesma qualidade. Foi uma gestão a pensar neste jogo”, explicou Conceição, afastando a ideia de ter tirado o internacional português para o poupar para o encontro com o AC Milan, na terça-feira.