Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O Comité de Avaliação do Risco em Farmacovigilância da Agência Europeia do Medicamento (EMA, sigla em inglês) alertou esta sexta-feira para um novo efeito secundário muito raro após a toma da vacina da Janssen e da AstraZeneca: a mielite transversa, uma inflamação da medula espinhal.

De acordo com uma nota publicada no site da EMA, existe uma “relação causal entre as duas vacinas e a mielite transversa”, algo que é visto como uma “possibilidade razoável”. O órgão europeu decidiu, por este motivo, acrescentar esta doença neurológica como reação adversa de frequência desconhecida à vacina da AstraZeneca e da Janssen.

Ainda assim, a EMA sublinha que os benefícios destas duas vacinas continuam a ser maiores do que os riscos: “A avaliação dos riscos e benefícios de ambas as vacinas mantém-se inalterada”.

“Os profissionais de saúde devem estar atentos aos sinais e sintomas da mielite transversa, permitindo um diagnóstico precoce, apoio médico e tratamento”, informa a EMA, que pede às pessoas que recebam estas duas vacinas que, caso comecem a desenvolver sintomas, “procurem atenção médica imediata”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Segundo explica a EMA, a mielite transversa é uma condição neurológica rara, que pode causar fraqueza nos braços ou pernas e pode causar formigueiro, dormência e perda da sensação de dor. Pode ainda afetar a bexiga e a função intestinal.

As vacinas da AstraZeneca e da Janssen utilizam o mecanismo adenovírus, ao contrário das vacinas da Pfizer e da Moderna que empregam a tecnologia mRNA, sendo estas últimas as que correntemente são administradas em Portugal.