761kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Portugal tem boa qualidade do ar. Os melhores e os piores países

Este artigo tem mais de 1 ano

Portugal está no 104.º lugar na lista de 117 países analisados (quanto mais baixa a posição no ranking, melhor). Bangladesh, Chade, Paquistão e Índia estão entre os que têm os piores resultados.

20 fotos

A poluição média anual do ar em todos os países – e em 97% das cidades – é superior às recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS), conclui o mais recente relatório da IQAir, empresa que estuda a qualidade do ar. Em 2021, apenas 222 cidades das 6.475 analisadas respeitaram alguns critérios da OMS, e só três territórios os cumpriram totalmente: a Nova Caledónia, Porto Rico e as Ilhas Virgens Americanas.

Bangladesh, Chade, Paquistão e Índia estão entre os países com a pior qualidade do ar. Já a China aparece na 22.º posição, visto que mais de metade das cidades registou níveis mais baixos de poluição em comparação com o ano anterior. Pequim foi uma delas.

A azul estão representados os territórios com melhor qualidade do ar e, à medida que a escala se aproxima do roxo, os níveis pioram

Um fator preocupante é que a floresta da Amazónia emitiu mais dióxido de carbono do que absorveu no ano passado. Esta tem sido apontada como uma das consequências da desflorestação e dos incêndios florestais que têm devastado aquela zona.

Por outro lado, a Austrália, o Canadá, o Japão e o Reino Unido estão entre os países com melhor qualidade do ar. Portugal também está bem posicionado: é o 104º país na lista de 117 — sendo que quanto mais baixa a posição, melhor é a qualidade do ar.

Este relatório sublinha a necessidade de os governos do mundo inteiro ajudarem a reduzir a poluição do ar”, destacou Glory Dolphin Hammes, CEO da IQAir norte americana, à CNN. “[Partículas finas] matam muitas pessoas todos os anos e os governos precisam de definir padrões nacionais de qualidade do ar mais rigorosos e explorar melhores políticas externas que promovam esse fim”.

As diretrizes sobre a poluição do ar da OMS, que foram atualizadas em setembro de 2021, reduziram para metade a concentração aceitável de particulas finas – PM 2.5 – de 10 para 5 microgramas por metro cúbico.

A poluição do ar causa a morte de milhões de pessoas todos os anos: em 2016, cerca de 4.2 milhões de mortes prematuras foram associadas à exposição às partículas finas. Se aplicadas as orientações de 2021 a esse ano, a OMS descobriu que poderiam ter sido evitadas quase 3.3 milhões das 4.2 milhões ocorridas.

Os dados, contudo, são condicionados pela presença de estações de monitorização do ar em cada país — em alguns países em desenvolvimento de África, América do Sul e Médio Oriente há poucas. Pela primeira vez, por exemplo, o país africano Chade foi incluído no relatório graças à melhoria na rede, e a IQAir descobriu que, aí, a poluição do ar é a segunda mais elevada do mundo: é só superada pelo Bangladesh.

É preciso existir um grande movimento em direção às energias renováveis. Nós precisamos de tomar medidas drásticas para reverter a corrente do aquecimento global; caso contrário, o impacto e o comboio em que estamos [serão] irreversíveis”, remata Hammes.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.