819kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Médio Oriente: Guterres condena ataque a Rafah e alerta que não há lugar seguro em Gaza

Os bombardeamentos israelitas a um campo de deslocados em Rafah, no sul da Faixa de Gaza, causaram no domingo pelo menos cerca de 50 mortos. Guterres condenou ataque.

epaselect epa11242446 United Nations Secretary-General Antonio Guterres speaks during a press conference with Jordan's Foreign Minister (not pictured), in Amman, Jordan, 25 March 2024. Gutteres visited the Rafah border crossing between Gaza and Egypt on 23 March. The UN security Council is due, on 25 March, to vote again on a new resolution calling for an "immediate" ceasefire in Gaza, three days after another ceasefire resolution presented by the US had been vetoed by Russia and China.  EPA/MOHAMMAD ALI
i

Benjamin Netanyahu classificou o ataque aéreo como "um incidente trágico"

MOHAMMAD ALI/EPA

Benjamin Netanyahu classificou o ataque aéreo como "um incidente trágico"

MOHAMMAD ALI/EPA

Siga aqui o nosso liveblog sobre o conflito Israelo-Palestiniano

O secretário-geral da ONU, António Guterres, condenou nesta segunda-feira os ataques israelitas a um campo de deslocados em Rafah que “mataram dezenas de civis inocentes que apenas procuravam abrigo”, alertando que “não há lugar seguro” na Faixa de Gaza.

“Condeno as ações de Israel, que mataram dezenas de civis inocentes que apenas procuravam abrigo neste conflito mortal. Não há lugar seguro em Gaza. Este horror deve parar“, destacou o diplomata português, numa nota na rede social X.

De acordo com as autoridades palestinianas, os bombardeamentos israelitas a um campo de deslocados em Rafah, no sul da Faixa de Gaza, causaram no domingo pelo menos cerca de 50 mortos.

Israel admite que atingiu civis em Rafah em ataque denunciado como “deliberado” pelo Hamas

O ataque israelita ocorreu horas depois de oito “rockets” terem sido disparados contra Telavive a partir de Rafah. O braço armado do movimento islamita palestiniano Hamas declarou ter disparado “uma grande barragem de ‘rockets’ em resposta aos massacres sionistas contra civis”.

As Forças de Defesa Israelitas (IDF, na sigla em inglês) referiram que o ataque em Rafah “atingiu um complexo do Hamas, onde operavam terroristas importantes” do grupo islamita.

Já nesta segunda-feira, o governo israelita prometeu investigar o ataque das suas forças militares.

“Vamos investigar o assunto. Foi realmente sério. Qualquer perda de vidas, de vidas civis, é algo sério e terrível”, adiantou Avi Hyman, porta-voz do governo israelita, durante uma conferência de imprensa, insistindo que Israel continua a tentar “limitar as perdas civis”.

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, classificou como “um incidente trágico” o ataque aéreo, que foi amplamente condenado pela comunidade internacional.

Em 7 de outubro de 2023, um ataque sem precedentes do Hamas em território israelita causou cerca de 1.200 mortos e duas centenas de reféns, segundo as autoridades de Telavive.

O Ministério da Saúde de Gaza, controlado pelo Hamas, indicou hoje que o número de pessoas mortas por fogo israelita desde 7 de outubro subiu para 36.050, enquanto o número de feridos subiu para 81.026.

Além disso, o ministério recorda diariamente que mais de 10 mil corpos continuam enterrados sob os escombros, sem que as ambulâncias ou equipas de socorro possam aceder a eles.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos