816kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Campanha pró-Israel que mostrava soldado do Hamas em frente a bebé banida do Instagram

Campanha pró-Palestina popularizou-se e não tardou até que uma mensagem oposta, pró-Israel, surgisse a relembrar os acontecimentos de 7 de outubro. Imagem desapareceu, mas Meta não se responsabiliza.

GettyImages-2154348776
i

A imagem gerada por IA que desapareceu do Instagram questionava: "Onde estavam os teus olhos no dia 7 de outubro?"

Anadolu via Getty Images

A imagem gerada por IA que desapareceu do Instagram questionava: "Onde estavam os teus olhos no dia 7 de outubro?"

Anadolu via Getty Images

Uma campanha que percorre as redes sociais com o mote “All eyes on Rafah” — em português, “Todos os olhos postos em Rafah” — ganhou dimensão nas últimas semanas em todo o mundo. Pretende demonstrar solidariedade aos habitantes de Gaza e apelar à sensibilização de ativistas e grupos humanitários para a guerra em curso. Trata-se de uma imagem gerada por Inteligência Artificial (IA) que mostra tendas e o que parecem ser corpos alinhados. O número de partilhas intensificou-se com o ataque a tendas de deslocados palestinianos que matou 45 pessoas e cujas imagens chocaram o mundo.

Uma contracampanha, desta vez pró-Israel, transmite uma mensagem oposta, questionando: “Onde estavam os teus olhos no dia 7 de outubro?”. A imagem, também gerada por IA, mostra a representação de um soldado do Hamas, armado, em frente a um bebé, a derramar sangue, de cabelo ruivo — trata-se de Kfir Bibas, que tinha nove meses quando foi feito refém com a mãe e o irmão a 7 de outubro. No início desta quarta-feira, a imagem foi banida do Instagram. A denuncia partiu do próprio autor da imagem e já foi confirmada pela Meta, que está a analisar o sucedido, segundo o The Times of Israel.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

A imagem foi criada por Benjamin Jamon em resposta à imagem pró-palestiniana que já conta com dezenas de milhões de partilhas nas redes sociais nos últimos dias. Em resposta a perguntas sobre a remoção da imagem, que tinha sido partilhada meio milhão de vezes, a Meta diz que esta não violou as suas políticas e, como tal, está “a trabalhar para compreender que problema técnico levou à sua remoção acidental”.

Bebé refém do Hamas faz esta quinta-feira um ano e família grava música: “Chamam-me ruivo”

Nas normas da comunidade da rede social lê-se que “nunca é permitido partilhar imagens explícitas para efeitos sádicos ou para glorificação da violência”. Na rede social X, a imagem não foi banida até ao momento.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos