Olá

832kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Vítima terá sido levada para uma mata perto de Couto de Cima, em Viseu
i

Vítima terá sido levada para uma mata perto de Couto de Cima, em Viseu

PAULO NOVAIS/LUSA

Vítima terá sido levada para uma mata perto de Couto de Cima, em Viseu

PAULO NOVAIS/LUSA

André foi amarrado, regado com gasolina e pressionado a admitir caso com namorada de um dos suspeitos. Hesitação salvou-o

Na madrugada do seu 24.º aniversário, o jovem foi levado para a mata, onde foi ameaçado a admitir uma relação com a companheira do alegado traficante. Era ela quem tinha de o incendiar, mas hesitou.

    Índice

    Índice

Já tinha sido agredido várias vezes e tinha alguns dentes partidos quando viu dois homens e uma mulher a pegar em cordas. Nesse momento, terá percebido que a noite, naquela mata, que seria para celebrar o seu 24.º aniversário, estava prestes a ficar pior. Mas essa certeza só terá chegado quando o amarraram a uma árvore e começou a sentir um líquido a escorrer-lhe pelo corpo. Era gasolina.

Tudo terá acontecido no início de fevereiro, mas a Polícia Judiciária (PJ) só há dias fez as últimas detenções. A investigação apurou que, ainda que fosse aparentemente impossível escapar “das amarras” e dos três suspeitos que lhe apontavam uma catana e uma arma de fogo, o jovem terá conseguido fugir pelo meio da mata para onde foi levado, localizada perto de Couto de Cima, em Viseu. Tudo graças a uma pequena hesitação da mulher.

Primeiro vieram as desconfianças, depois o plano para arrancar a confissão

Passaria pouco da 00h20 do dia 2 de fevereiro quando André (nome fictício) recebeu o alerta para sair. À sua espera, fora de casa, estariam dois homens e uma mulher que já conhecera. Um deles seria quem lhe fornecia droga, acredita a polícia. O convite era para celebrar as primeiras horas do seu aniversário numa “zona florestal” ali perto.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

“Eles sabiam que era cliente dele e aproveitaram para ir ao seu encontro, supostamente para também lhe fornecerem drogas e para consumirem cocaína juntos“, explica ao Observador Carlos Chambel, diretor da Diretoria do Centro da Polícia Judiciária. O que André não sabia é que um dos homens desconfiava que ele teria um caso com a sua namorada — a mulher do grupo — e que estava disposto a arrancar-lhe uma confissão.

Suspeito que terá orquestrado plano para levar vítima até floresta tinha antecedentes criminais, estando com termo de identidade e residência por suspeitas de crimes ligados ao tráfico de estupefacientes.

O plano terá sido pensado à medida que as suspeitas foram aumentando. O homem que suspeitava de André estava com o termo de identidade e residência (por suspeitas de crimes relacionados com o tráfico de droga) e terá confrontado inicialmente a mulher, uma estudante em Coimbra de 21 anos, com as dúvidas. Perante a sua recusa em assumir a suposta relação, orquestrou um plano para fazer com que André a admitisse. E tê-la-á envolvido em todo o crime, encarregando-a do último passo: o de acender a chama.

A hesitação que determinou a fuga

Antes de saírem de casa para apanharem André, o suspeito terá cortado a pulseira eletrónica, dando imediatamente o alerta às autoridades da sua fuga. Depois, já com o jovem no carro, terão conduzido para a mata, munidos de cordas, de uma catana, de uma arma de fogo e de um garrafão de cinco litros cheio de gasolina, com o objetivo de o fazer admitir que mantinha um relacionamento com a mulher.

Suspeitos terão levado vítima para a mata, de forma a obrigá-la a admitir que tinha uma relação amorosa com a companheira de um deles. Namorada ficou encarregue de incendiar jovem.

“Primeiro, agrediram-no”, continua o diretor da PJ. “O homem que, na altura, estava em fuga agrediu-o com um objeto metálico e fraturou-lhe alguns dentes.”

Em seguida, ameaçaram-no com a catana e com uma arma de fogo a assumir o relacionamento. A PJ acredita que os consecutivos “nãos” levaram-nos a amarrar-lhe os pés e as mãos a uma árvore e a regá-lo com combustível.

“Faltou, felizmente, a parte final, que seria incendiá-lo”, aponta Carlos Chambel. Segundo o que a PJ conseguiu apurar, a jovem, que tinha a missão de atear o fogo, hesitou no momento de acender a chama, o que acabou por levar a um “desentendimento” entre todos os suspeitos. André aproveitou este momento para se desamarrar e fugir.

“Correu rapidamente e ficou escondido no meio da mata até ter a confirmação de que os outros já tinham abandonado o local”, revela o responsável da Judiciária do Centro. Os suspeitos “ficaram assustados e perplexos com a fuga” e optaram “por escapar” com receio de repercussões.

A longa caminhada pela mata até ao pedido de ajuda

Com os dentes partidos, “a cara ensanguentada” e com um cheiro forte a gasolina, André terá caminhado pelo meio da mata até avistar a primeira casa, onde acabou por pedir ajuda. Foram os moradores dessa casa, aliás, que terão ligado para o 112, tendo meios da GNR e do INEM sido acionados ao local. O jovem acabou por ser assistido no Hospital de Viseu.

Dois suspeitos ficaram em prisão preventiva, tendo a mulher ficado com a medida de coação de apresentações semanais e proibição de contactos com os restantes intervenientes.

Quanto aos suspeitos, o suspeito que já estava com uma medida privativa de liberdade foi imediatamente identificado e detido, graças à pulseira eletrónica que cortara antes das agressões, estando neste momento em prisão preventiva.

Os outros – a jovem, estudante na Universidade de Coimbra, e o homem, de 33 anos – foram detidos nos últimos dias, tendo a primeira sido sujeita à medida de coação de “apresentações semanais e proibição de contactos com os restantes intervenientes” e o segundo ficado em prisão preventiva.

 
Assine um ano por 79,20€ 44€

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Para continuar a ler assine o Observador
Assine um ano por 79,20€ 44€
Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Verão 2024.  
Assine um ano por 79,20€ 44€
Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Este verão, mergulhe no jornalismo independente com uma oferta especial Assine um ano por 79,20€ 44€
Ver ofertas Oferta limitada