814kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

teletrabalho
i

Getty Images/iStockphoto

Getty Images/iStockphoto

Como ser mais produtivo em teletrabalho

A pandemia revolucionou a equação laboral, com o teletrabalho a aliar eficiência e consciência ambiental. Ciente dessa filosofia, a HP aposta em novas soluções que ajudam empresas e sustentabilidade.

As restrições de contacto social que resultaram do combate à COVID-19 implicaram várias alterações no método e forma de trabalho de milhões de pessoas em todo o mundo, tornando o teletrabalho numa nova perspetiva e dinâmica de funcionamento. Trabalhadores e empresas arregaçaram mangas, centrando preocupações e energia na questão da produtividade, mas sem nunca esquecer a sustentabilidade e eficiência.

Consciente da importância dessa combinação, e no cuidado pelo desempenho de todos os elementos e passos do processo laboral, tendo em conta a perspetiva de adaptação à realidade pandémica, a HP oferece uma série de soluções e serviços, que permitem transformar produtiva e positivamente o teletrabalho e habituais práticas realizadas em ambiente de escritório.

Assim, a par de serviços como o Instant Ink, que garante que a sua impressora nunca fica sem tinta (ver caixa O seu assistente pessoal de tinteiros), a HP apresenta a solução HP+, um precioso aliado do processo de impressão, tornando-o numa ação mais inteligente e com melhor qualidade, de acordo com o perfil de utilização, e sempre com materiais concebidos ecologicamente, a partir de materiais reciclados.

O seu assistente pessoal de tinteiros

Mostrar Esconder

Chama-se Instant Ink e trata-se de um serviço/subscrição mensal que garante a entrega de tinteiros ou toners no conforto da sua casa, ainda antes de a impressora ficar sem tinta, uma vez que a mesma informa automaticamente a HP da proximidade desse cenário. Atualmente, é um complemento à solução HP+, que implica seis meses gratuitos se aderir no prazo de sete dias a contar da data de configuração da impressora HP+. Findo esse período gratuito, aplica-se uma mensalidade, a menos que o serviço seja cancelado. Para mais informações, visite hp.com.

 

Entre as várias vantagens da solução HP+, destaca-se ainda o facto de ter uma garantia de três anos — ao invés dos habituais dois anos — ou de trabalhar com impressoras inteligentes, permitindo manter a segurança e conectividade graças à ligação à “nuvem”. Estas são questões que facilitam o habitual desempenho de quem está em teletrabalho e em condições que favorecem a produtividade e eficiência.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Infografia: Pedro Figueira

Mas esta lógica prática e operacional da HP transcende a filosofia do trabalho remoto, sendo naturalmente importantíssima aquando do regresso ao escritório físico — o que esperemos que aconteça em breve. No fundo, mais do que uma questão de adaptação à conjuntura, o que se pretende é a efetivação da produtividade, algo que foi sempre um dos objetivos e desafios do mercado de trabalho.

Entre as principais vantagens da solução HP+, destaca-se ainda o facto de ter uma garantia de três anos — ao invés dos habituais dois anos — ou de trabalhar com impressoras inteligentes, permitindo manter a segurança e conectividade graças à ligação à “nuvem”

A evolução do espaço laboral

Ao longo da história, foram muitas as mudanças no chamado espaço de trabalho, com o mesmo a transfigurar-se positivamente, e em especial, ao longo do último século. Por isso, não precisamos de recuar muito no tempo para lembrar, por exemplo, o cinzentismo de alguns espaços laborais, especialmente de empresas associadas à área dos serviços — sinónimo de escritórios impessoais, fechados —, em que a comunicação entre funcionários era mera situação de circunstância.

Só depois de décadas sob a ditadura das relações laborais nascidas dos ecos da revolução industrial — em que a modernidade era entendida como uma padronização essencialmente focada no isolamento profissional —, e mais propriamente na segunda metade século XX, é que começaram a surgir novas ideias arquitetónicas e de design, que passaram, pela primeira vez, a considerar o ambiente laboral e respetivo layout como fatores que poderiam influenciar positivamente a produtividade.

Para Teresa Espassandim, psicóloga e especialista em Psicologia Vocacional e do Desenvolvimento de Carreira, essa constatação e adaptação, foi extremamente positiva em termos psicológicos para o trabalhador, pois “se as características do local de trabalho estiverem alinhadas com a cultura da organização, e esta for permeável aos valores e necessidades dos trabalhadores e do negócio, em processos dinâmicos de participação e envolvimento, o espaço laboral tenderá a promover o desenvolvimento das pessoas e a sua autodeterminação”.

“se as características do local de trabalho estiverem alinhadas com a cultura da organização, e esta for permeável aos valores e necessidades dos trabalhadores e do negócio (...) o espaço laboral tenderá a promover o desenvolvimento das pessoas e a sua autodeterminação”
Teresa Espassandim, psicóloga e especialista em Psicologia Vocacional e do Desenvolvimento de Carreira

Melhor ambiente laboral e coworking

Década profícua em liberdades várias, os anos 1960 foram determinantes para a valorização dos espaços de trabalho e eficiência laboral. O trabalho criativo começava a marcar presença nas empresas, e as preocupações com a ergonomia levaram a decisivas mudanças.

Paralelamente, as grandes instituições e empresas percebiam que um dos grandes cúmplices da dita produtividade, eficiência e bom desempenho era a satisfação do trabalhador durante o expediente, algo que foi definitivamente sublinhado, mais tarde, com o aparecimento massivo das novas tecnologias, em que a presença de computadores facilitaria a organização e eficiência, mas transformavam os trabalhadores em reféns de ecrãs e novas dinâmicas que incidiam numa atividade mais isolada em si mesma.

Mais uma vez, exigiam-se mudanças, pois era urgente adaptar as formas de trabalho e funcionamento dos escritórios aos níveis de satisfação pessoal do trabalhador. A aposta seria num ambiente mais descontraído e confortável física e emocionalmente, que promovia o trabalho em equipa, mais criatividade e modernidade.

Surgia, assim, na madrugada do século XXI, o conceito de open space, espaços de trabalho amplos, que, muitas vezes, combinavam profissionais de várias áreas e organizações, cuja filosofia corporativa (ou coworking), verdadeira autoestrada para a criatividade, permitiu mais eficiência por parte de trabalhadores que se sentiam mais envolvidos, refletindo-se numa maior produtividade.

Essas alterações de filosofia do ambiente laboral físico foram, na visão de Teresa Espassandim, “ao encontro das necessidades de processos e culturas de trabalho mais ágeis, em que a eficiência e a valorização das pessoas são incontornáveis”, sendo que “espaços partilhados promovem a comunicação e a cooperação, possibilitando a construção de sentidos de pertença e comunidade, e a partilha de conhecimento e a proximidade facilitam o desenvolvimento de sentido de competência”.

“espaços partilhados promovem a comunicação e a cooperação, possibilitando a construção de sentidos de pertença e comunidade, e a partilha de conhecimento e a proximidade facilitam o desenvolvimento de sentido de competência”
Teresa Espassandim, psicóloga e especialista em Psicologia Vocacional e do Desenvolvimento de Carreira

Também nestes espaços, o equipamento tecnológico tem um papel preponderante, para que os trabalhadores possam ser mais produtivos e eficientes. Com a impressora HP OfficeJet Pro 9025e ou com a HP LaserJet M234 sdwe, é possível imprimir com alto desempenho a cores ou a preto e branco (respetivamente). Além disso, por permitirem incorporar a solução HP+, a impressão tornar-se mais inteligente e sustentável, sem que os trabalhadores que partilham o espaço de trabalho tenham de se preocupar com a substituição de tinteiros. Desta forma, podem focar-se apenas na sua função, tornando-se mais produtivos.

Adaptação à pandemia

A crise mundial provocada pelo novo coronavírus no final de 2019 representou um duro golpe no mercado laboral. Para o superar, impunham-se novos desafios e o teletrabalho passou a ser a realidade para milhões de pessoas em todo o mundo, com a Internet e a comunicação online a fazerem parte do quotidiano.

Gradualmente, com maior ou menor facilidade e grau de adaptação, os trabalhadores e empresas foram habituando-se ao trabalho remoto. O que parecia ser um obstáculo à produtividade transformou-se numa nova oportunidade de organização e eficiência, garantindo novos benefícios para funcionários e empregadores, ainda que com algumas exceções.

Esta adaptação foi possível, em grande parte, graças à tecnologia. E uma vez mais, a HP fez parte da solução, graças às suas soluções que de adaptam também ao espaço de uma casa, como as impressoras HP DeskJet 4100e e HP Envy 6400e, que permitem também a incorporação da solução HP+. Desta forma, o trabalhador sabe que está protegido de ataques de malware à sua impressora, uma vez que desta solução faz parte o novo sistema de monitorização de definições Smart Securtiy.

Gradualmente, com maior ou menor facilidade e grau de adaptação, os trabalhadores e empresas como a HP foram habituando-se ao trabalho remoto, e o que parecia ser um obstáculo à produtividade transformou-se numa nova oportunidade de organização e eficiência

“Tal como nem todas as funções beneficiam do trabalho remoto, nem todos os trabalhadores reúnem condições e características para o eleger como a opção indicada”, lembra Teresa Espassandim. Ainda assim, “devemos olhar para este regime laboral como uma possibilidade, sendo que “existem vantagens referidas por muitos trabalhadores, tais como a redução do tempo despendido em deslocações e transportes; níveis mais elevados de concentração por redução de interrupções; melhor conciliação da vida profissional, familiar e pessoal, e perceção do aumento da qualidade de vida; ou ganhos em produtividade por maior flexibilidade e adequação de horários a ritmos biológicos e estilos de vida”, enumera a psicóloga.

Alguns benefícios encontram também eco entre os empregadores. “Para muitas empresas, o teletrabalho permitiu, por exemplo, reduzir significativamente as despesas em água, luz, eletricidade, Internet e consumíveis, mas não só. A rentabilização dos tempos de trabalho dos colaboradores, pela minimização de deslocações e viagens profissionais e a otimização da utilização de ferramentas de smart working, terá sido das maiores vantagens, acompanhada da aceleração das mudanças em processos de trabalho que a digitalização promoveu”, revela Teresa Espassandim.

Em sintonia com essa premissa mais digital e de agilização em tempo real, a solução HP+, garante, por exemplo, uma proteção inteligente da impressora contra ataques de malware, uma vez que oferece uma monitorização Smart Security, assim como um sistema operativo de raiz, que possibilita a impressão remota a partir de um qualquer dispositivo, independentemente do local onde se encontra, evitando contratempos ou esquecimentos de última hora.

Aliar produtividade e sustentabilidade? É possível

A questão da produtividade do trabalho remoto tem sido um dos focos de maior apreensão, tanto da perspetiva do trabalhador como das empresas. Para Teresa Espassandim, a eficiência laboral global, seja remota ou presencial, “não depende apenas do trabalhador, mas também da sua chefia e práticas de liderança ou cultura organizacional”. A psicóloga defende que existem “estratégias transversais que, quando adotadas individualmente, contribuem para o bem-estar psicológico e produtividade”.

Por outro lado, e aliada à garantia de uma melhor e mais positiva capacidade de produção, está também a sustentabilidade, preocupação cada vez mais presente nos trabalhadores e empresas, que procuram soluções que combinem as referidas áreas, em especial no trabalho remoto.

Teresa Espassandim apela mesmo ao alargamento dessa filosofia, referindo que “a sustentabilidade nas organizações deve ir além da questão ambiental”. Deve ter em conta uma avaliação “global do negócio, para o qual é essencial a construção de ambientes de trabalho saudáveis – locais em que todos os membros da organização (empregadores, gestores e colaboradores) cooperam com vista ao melhoramento contínuo dos processos de proteção da saúde, da segurança e do bem-estar”.

É também por isso que que a proteção ambiental é outro fator sempre presente na filosofia da HP. A solução HP+ zela pelas florestas do planeta. A nova funcionalidade Forest First possibilita, mediante o cálculo das páginas impressas, transformar as folhas utilizadas pelos consumidores com a solução HP+ em investimento na área da reflorestação dos ecossistemas mais críticos do mundo. Desta forma, a marca contribui para equilibrar o gasto de papel com a repovoação florestal. Para tal, a HP colabora com várias organizações não-governamentais, que atuam na conservação e proteção da natureza.

A nova funcionalidade Forest First possibilita, mediante o cálculo das páginas impressas, transformar as folhas utilizadas pelos consumidores com a solução HP+ em investimento na área da reflorestação dos ecossistemas mais críticos do mundo.

Usufruir destas vantagens da solução HP+ é simples. Basta procurar pelos produtos da marca que mais se adaptam ao seu objetivo (e que tenham compatibilidade com esta solução). Se pretender ter mais versatilidade e facilidade de utilização, sendo a impressão a cores recorrente, os modelos HP DeskJet 4100e e HP ENVY 6400e são as melhores opções. Já para quem procura um misto de maximização de produção e um perfil compacto, as escolhas divergem entre os modelos HP OfficeJet Pro 9025e e HP LaserJet M234 sdwe.

Independentemente da necessidade individual ou objetivos da empresa, a nova solução HP+ pode tornar o seu trabalho numa tarefa mais produtiva e eficiente, sem nunca esquecer, claro, o meio ambiente.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos