Há mais de 50 cursos e mestrados integrados com desemprego acima dos 10%

17 Julho 2019

Por áreas, é na do Direito, Ciências Sociais e Serviços que aparecem os cursos com menos garantia de colocação no mercado. O curso de Serviço Social é o que mais se repete. Segue-se Solicitadoria.

Direito, Ciências Sociais e Serviços é a área de conhecimento que mais cursos tem com desemprego acima de 10%. Os futuros advogados podem ficar descansados, pois nenhuma das suas licenciaturas ou mestrados integrados aparece nesta lista. São os cursos de Serviços Sociais que mais se repetem (sete vezes) e é um deles, ministrado na Universidade Católica, que apresenta a maior taxa de desemprego da lista: 25,8%. Os restantes são todos lecionados em diferentes instituições: Instituto Politécnico de Viseu, Universidade Lusófona do Porto, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Instituto Superior de Serviço Social do Porto, Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias e Instituto Politécnico de Viseu

Logo a seguir, e dentro da mesma área, o curso com mais desemprego é o de Solicitadoria, com quatro repetições na lista. O terceiro lugar é ainda na área de Direito, Ciências Sociais e Serviços — Turismo, que tem três cursos na lista (Escola Superior de Tecnologias de Fafe, Católica e Universidade Portucalense Infante D. Henrique).

No entanto, os números, disponíveis no portal Infocursos desde 7 de julho, olham apenas para a percentagem de recém-diplomados registados como desempregados no IEFP — Instituto do Emprego e Formação Profissional —, não considerando, por exemplo, outros jovens que podem até estar a trabalhar, mas não na área em que se formaram.

Continuando a descer na taxa de desemprego, e olhando agora para os cursos, a seguir ao de Serviços Sociais aparece o de Comunicação Multimédia, no Instituto Politécnico da Guarda, com 18,7%, um valor bastante mais abaixo do que o do curso que ficou em primeiro lugar. Segue-se, com uma taxa de desemprego muito semelhante (18,5%), o curso de Gestão Turística, Cultural e Patrimonial do Politécnico de Viseu. E é preciso chegar a este lugar da lista para entramos noutra área de conhecimento, a Economia, Gestão e Contabilidade que tem nove cursos na lista, o que lhe confere o terceiro lugar no ranking das áreas de conhecimento com maior taxa de desemprego.

O segundo lugar é para Arquitetura, Artes Plásticas e Design, mas apenas por uma unha negra: tem 10 cursos com desemprego registado acima dos 10%.

Voltando a olhar para os cursos, o quinto lugar está ocupado pelo curso de Marketing e Publicidade do Instituto Superior de Ciências Empresariais e do Turismo (17,4%) e, de novo, na área de Direito, Ciências Sociais e Serviços. Marketing tem mais dois cursos com desemprego elevado: na Escola Superior de Tecnologia e Gestão (13,7%) e na Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viseu (10,3%).

Por último, filtrando os resultados por tipo de instituição e natureza de ensino, vê-se que os cursos com mais desemprego aparecem mais em politécnicos do que em universidades (19 contra 12) e a diferença entre cursos ministrados entre rede pública e privada esbate-se (também 19 versus 12).

[Para ver todos os dados, passe o cursor sobre a tabela]

ilustração de Raquel Martins.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: akotowicz@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)