785kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Já o tentaram corromper? 8 políticos contam as suas histórias

Portugal voltou a ser criticado pelas falhas no combate à corrupção. O Observador falou com 8 antigos governantes colocando-lhes uma pergunta: alguma vez foram alvo de uma tentativa de corrupção?

    Índice

    Índice

O tema da corrupção voltou novamente ao topo da agenda. Um relatório do GRECO — o Grupo de Estados contra a Corrupção –, um órgão do Conselho da Europa, diz que Portugal não cumpriu 73% das recomendações para o combate à corrupção. Marcelo Rebelo de Sousa pegou novamente no assunto e disse que esta é “uma grande prioridade para Portugal” e que dar continuidade às investigações de corrupção é “responder ao apelo da sociedade portuguesa e das sociedades democráticas”.

O Observador contactou oito políticos — todos antigos governantes ou titulares de altos cargos públicos. Oito responderam ao desafio que era responder a uma pergunta directa: “Alguma vez foi alvo de uma tentativa de corrupção?”

As respostas negativas superaram as positivas — mas, entre as negativas, várias foram as histórias contadas sobre como procuraram fugir a situações mais incómodas ou que estratégias utilizaram ao longo da vida para não serem apanhados em situações dúbias. Mas também existiram aqueles que denunciaram os nomes e os momentos em que foram abordados.

[Ouça aqui as declarações dos 8 políticos à Rádio Observador

O Observador contactou 8 politicos com uma pergunta: Alguma vez foi alvo de uma tentativa de corrupção?

Ana Gomes

Ex-eurodeputada do Partido Socialista

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

“Se alguma vez existiram tentativas de corrupção? Sim, embora disfarçadas. Um dos casos foi com um eurodeputado português, Mário David [antigo eurodeputado do PSD]. Havia sanções ao Zimbabué, no tempo do [Robert] Mugabe, e eu recebo um email enviado por ele para vários deputados, mas para mim também. (…) Que o Ministro do Comércio queria fazer uma grande ofensiva de promoção das oportunidades comerciais e que ele estava a organizar uma ida de um grupo de deputados a título pessoal, com tudo pago, hotéis de primeira, viagens de primeira. Obviamente que não sei aceitei, mas é demonstrativo dos esquemas de corrupção em que entram algumas pessoas.”

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Mário David foi contactado pelo Observador para responder, mas recusou comentar.

Álvaro Santos Pereira

Ex-ministro da Economia

DIOGO VENTURA/OBSERVADOR

“Comigo as pessoas sabiam que não tinham hipótese. Eu atuaria logo com quem tentasse pisar o risco. Denunciaria logo. Nunca ninguém tentou. O que acontece não é corrupção, mas é algo indireto, que é a feitura de leis. Houve uma altura em que os privados, especialmente na área da energia, perguntaram a alguém no Ministério da Economia: ‘Vocês têm pouca gente, não querem que façamos a lei e depois vocês fazem o que quiserem?’. Isso era o que se fazia anteriormente e é gravíssimo. Não pode acontecer.”

Luís Campos e Cunha

Ex-ministro das Finanças

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

“Não me lembro de nada, mas também as funções em que estive não eram muito suscetíveis. Eu não fui ministro das Obras Públicas, que é onde aparece a maior parte da corrupção. Não estive em cargos suscetíveis de fazerem a diferença nesse tipo de problemas”.

Guilherme D’Oliveira Martins

Ex-ministro da Educação, da Presidência e das Finanças

MIGUEL A. LOPES/LUSA

“É indispensável haver cautelas e prevenções especiais. Eu, no exercício de funções, evito sempre reuniões que possam de algum modo ser equívocas, misturar coisas oficiais com questões particulares. É fundamental separar as águas. Em segundo lugar: em reuniões importantes, nunca estar só. Haver alguém que connosco partilha responsabilidades e que tem conhecimento do que está em causa. Nesse contexto, isso nunca aconteceu, mas da minha parte houve sempre uma preocupação de prevenir essas situações. (…) O fundamental é prevenir. Os riscos existirão sempre. Ninguém está acima dessa possibilidade e por isso é separar as águas e ser muito claro.”

António Bagão Félix

Ex-ministro da Segurança Social e do Trabalho e ex-ministro das Finanças

4 Windows

“O que vi foram formas de lobby institucional que são legítimas no exercício de cargos públicos. Podemos olhar para elas e decidir de acordo com o que é o bem comum. Mas situações corruptíveis, jamais. Normalmente, a corrupção atrai mais as pessoas que possam ser tendencialmente ou teoricamente corruptíveis e eu sou implacável nesses domínios, obviamente ninguém se atreveu a fazê-lo.”

João Cravinho

Ex-ministro do Equipamento, Planeamento e Administração do Território

EPA

“Tirando uma aproximação muito suave e até de uma forma bastante difusa, sem qualquer força muito imaginativa para abrir conversa, há 50 anos fui objeto de uma aproximação. Mas foi o único caso, pelo contrário evitei muitos atos de corrupção. Felizmente tenho o orgulho de dizer que ninguém seria capaz de me fazer aderir. Nunca tive convites, aproximações ou abordagens, exceto esta que terminou na primeira frase.”

Maria de Belém

Ex-ministra da Saúde e ex-ministra da Igualdade

Gustavo Bom / Global Imagens

“Uma vez, há muitos anos, antes de estar num cargo público de destaque, estava eu num gabinete de um ministro e sugeriram-me uma coisa qualquer desse género. Claro que foram logo corridos. Mas não posso dizer que tenha sido muito assediada, se calhar faço cara feia.”

José Silva Peneda

Ex-ministro do Emprego e da Segurança Social

PAULO NOVAIS/LUSA

“Comigo não. Nunca houve. Estive muitos anos no Governo. Nunca ninguém me abordou. Ninguém.”

Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos