829kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Miguel Pinto Luz, vice-presidente da Câmara Municipal de Cascais e candidato à liderança do Partido Social Democrata (PSD), em entrevista ao Observador para o programa "Sob Escuta". 5 de Abril de 2022, Lisboa TOMÁS SILVA/OBSERVADOR
i

"Cascais sempre foi um local de tolerância", diz Miguel Pinto Luz

TOMÁS SILVA/OBSERVADOR

"Cascais sempre foi um local de tolerância", diz Miguel Pinto Luz

TOMÁS SILVA/OBSERVADOR

Miguel Pinto Luz: "A pluralidade foi sempre uma preocupação nossa"

Vice-presidente da Câmara de Cascais, Miguel Pinto Luz está ligado às Conferências do Estoril desde o princípio. Lembra, por exemplo, que ali se ouviram há dez anos avisos sobre Putin.

Durante a Segunda Guerra Mundial, o Estoril teve um papel importante: soube acolher refugiados de várias nacionalidades e classes sociais. É também para honrar esse legado, lembra Miguel Pinto Luz, vice-presidente da Câmara Municipal de Cascais, que se realizam, desde 2009, as Conferências do Estoril. No ano em que estas passam a ter periodicidade anual, o autarca, que está associado ao evento desde o princípio, recorda momentos especiais protagonizados por líderes políticos e religiosos, intelectuais e desportistas, mas também pela atriz Daryl Hannah, que, num jantar, pediu uma lagosta para a devolver ao mar.

O que espera desta 8.ª edição das Conferências do Estoril?
As expectativas são sempre altas.  A primeira edição aconteceu em 2009 e já tivemos mais de 13 mil participantes, de mais de 100 países diferentes, mais de 400 oradores, entre os quais 30 antigos chefes de Estado. Entretanto, envolvemos a Nova School of Business and Economics e, este ano, pela primeira vez, a Nova Medical School. Isto corresponde a uma aposta nossa no talento do futuro. Repare que o nosso objetivo nunca foi ter a nata da nata da sociedade, que também é bem-vinda, mas sim despertar jovens para o futuro da nossa comunidade.

Em 2022, a Nova SBE já acolheu a 7ª edição das Conferências do Estoril.

A associação da Nova SBE marcou uma nova fase na vida das Conferências

João Vasco

O facto de a Nova Medical School se ter associado agora o que significa para as Conferências?
É muito importante. É claro que não foi a pandemia que trouxe o tema da Saúde para a discussão pública, mas ajudou muito a que isso acontecesse com outra frequência. Hoje, a Saúde está, de facto, no centro do debate. Com o campus da Nova Medical School prestes a mudar para Carcavelos, fazia todo o sentido endereçarmos este convite para que se juntasse a nós.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Com esta edição as Conferências passam também a ter uma periodicidade anual. O que vos levou a tomar essa iniciativa?
Sentimos que estávamos a ser injustos com uma parte dos alunos da Nova, que, na sua maioria, são estudantes de mestrado, muitos dos quais estrangeiros. Vários deles perdiam a oportunidade de participar nas Conferências quando elas se realizavam de dois em dois anos.

"Tínhamos a consciência de que Cascais sempre foi um local de tolerância desde a Segunda Guerra Mundial, quando recebíamos aqui políticos, famílias reais, espiões, empresários em fuga. Procuramos fazer algo importante com esse legado e cedo, com estas Conferências, conseguimos atrair Prémios Nobel, grandes investigadores, estadistas, intelectuais, empresários de vários áreas e artistas"
Miguel Pinto Luz

Está envolvido neste processo desde o princípio: como é que tudo começou?
Tínhamos a consciência de que Cascais sempre foi um local de tolerância desde a Segunda Guerra Mundial, quando recebíamos aqui políticos, famílias reais, espiões, empresários em fuga. Procuramos fazer algo importante com esse legado e cedo, com estas Conferências, conseguimos atrair Prémios Nobel, grandes investigadores, estadistas, intelectuais, empresários de vários áreas e artistas. Outra preocupação nossa, desde o princípio, é a relação com a juventude e com a comunicação social. Neste momento, envolvemos outras instituições, como as faculdades referidas, e nós, Câmara Municipal, funcionamos sobretudo como um facilitador e um organizador — eventos como estes são dos cidadãos, das pessoas, não deste ou daquele político e sua equipa. Nós sempre quisemos realizar conferências independentes, mesmo sabendo que uma autarquia está filiada a uma determinada ideologia.

A ideologia nunca foi um critério?
Nunca, mas estou convencido que este envolvimento das escolas nas Conferências reforça essa tendência. A pluralidade política, religiosa, ideológica foi sempre uma preocupação nossa, mas a diversidade de parceiros reforça esse objetivo.

No Estoril, o campeão de xadrez Garry Kasparov alertou para os perigos do regime de Putin — foi há dez anos

MAXIM SHIPENKOV/EPA

Se tiver de fazer um historial, que momentos mais especiais destacaria?
Agora que se fala tanto do diálogo inter-religioso,  recordaria um debate entre o Cardeal Patriarca, D. Manuel Clemente, o rabino Abraham Skorka, grande amigo do Papa Francisco, e o sheik Munir. Mas também tivemos momentos inesquecíveis com Lech Walesa, o homem da libertação da Polónia, ou Gary Kasparov, o antigo campeão de xadrez, a alertar-nos para quem, de facto, é Putin. Foi há perto de dez anos e ele avisou-nos, com uma clarividência assinalável, sobre este caminho de radicalização da sociedade russa. Mas também houve momentos caricatos, como o protagonizado pela atriz de Hollywood, Daryl Hannah, a pedir uma lagosta num jantar para a libertar no mar. Mas, se um dia escrever um livro sobre a história das Conferências, vou ter muitas outras para contar.

Este artigo faz parte de uma série sobre as Conferências do Estoril, evento do qual o Observador é media partner. Resulta de uma parceria com a Nova Medical School of Business and Economics e a Câmara Municipal de Cascais. É um conteúdo editorial independente.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Para continuar a ler assine o Observador
Apoie o jornalismo independente desde 0,18€/ dia
Ver planos
Já é assinante?
Apoio a cliente

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Desde 0,18€/dia
Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Desde 0,18€/dia
Em tempos de incerteza e mudanças rápidas, é essencial estar bem informado. Não deixe que as notícias passem ao seu lado – assine agora e tenha acesso ilimitado às histórias que moldam o nosso País.
Ver ofertas