829kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Militantes reuniram-se em Lisboa durante oito horas, neste sábado, para discutir e votar rumo dos próximos tempos
i

Militantes reuniram-se em Lisboa durante oito horas, neste sábado, para discutir e votar rumo dos próximos tempos

LUSA

Militantes reuniram-se em Lisboa durante oito horas, neste sábado, para discutir e votar rumo dos próximos tempos

LUSA

O regresso à "luta" e a oposição absoluta ao PS. Bloco aprova novo rumo de Catarina Martins

Bloquistas fizeram catarse das eleições de janeiro e votaram esmagadoramente na proposta da linha oficial. Críticos foram acusados de "caçar" direção e atacaram "política kamikaze" da cúpula.

Foram oito horas de uma reunião que juntou mais de 400 militantes, vindos de várias partes do país. A ideia era debater o rumo do Bloco de Esquerda depois da hecatombe das últimas eleições, numa solução que a direção do partido encontrou para promover o debate interno sem antecipar a convenção nacional — onde se discutiria, naturalmente, a liderança.

Descontando alguns choques com os críticos à porta fechada, no final a direção de Catarina Martins saiu claramente (re)legitimada: a sua proposta de rumo, vertida num documento com as ideias para a reorientação política do Bloco, conseguiu uma maioria esmagadora (85,4% dos votos) em confronto com votações reduzidas nos documentos alternativos (12% na proposta do maior grupo de críticos, associados à tendência Convergência, e 2,5% num outro grupo mais reduzido, que apresentou a moção Q na última convenção).

O caminho da recuperação que o Bloco precisa de fazer — agora com uma presença reduzida a nível parlamentar e com a prioridade de reforçar o aparelho do partido pelo país fora — fica decidido: este será um Bloco de volta às “lutas”, ou causas, e em choque frontal com o PS absoluto, “mais papista do que o Papa de Bruxelas”. O tom está definido — espera-se um Bloco bem diferente do que se viu durante aquilo que agora descreve como o “breve parêntesis” da geringonça.

LUSA

Política “kamikaze” e “caçada à direção”

Da parte da direção, esperava-se um encontro “tranquilo”. Por um motivo simples: apesar de os críticos internos terem atacado consistentemente a estratégia de campanha do Bloco nestas legislativas e terem, depois, apontado o dedo à direção — que responsabilizam pelos fracos resultados —, mesmo dentro desses grupos não parece haver consenso sobre os próximos passos a seguir na definição do futuro do Bloco.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Isso mesmo confirmou-se na reunião da Comissão Política do final de março, quando parte dos críticos levou a votos um documento assinado por mais de cem militantes em que se pedia a antecipação da convenção nacional do próximo ano. Para a cúpula do partido, a proposta não passava de uma forma de questionar a liderança de Catarina Martins, uma vez que a direção é decidida nas convenções nacionais. Mas nada feito: os críticos internos dividiram-se e, chegados à Comissão Política — onde têm uma representação minoritária — só conseguiram um voto a favor.

Mais de cem militantes tentaram antecipar convenção do Bloco, mas críticos dividiram-se e só houve um voto a favor

A direção estava assim confiante que este encontro mostraria essas fraturas e não seria dominado pelos ataques dos críticos.

À porta fechada, os relatos que chegaram ao Observador divergem — a direção fala numa reunião calma, os críticos em “muito confronto político” — mas confirmam que houve alguns ataques aos opositores internos, nomeadamente por exporem publicamente e junto da imprensa as suas queixas e não se cingirem à participação nos órgãos do partido.

Do lado da Convergência, nomeadamente na intervenção do ex-deputado Pedro Soares, ouviram-se ataques a uma “linha política kamikaze” da linha de Catarina Martins, por insistir em posições que não consegue explicar as suas posições ao eleitorado, como as últimas eleições pareceram indicar. A resposta da direção a isto terá passado por acusar os opositores de quererem “lançar uma caçada à direção” e substituir Catarina Martins — mas, no final, as discussões acabaram mesmo com a direção a levar a melhor.

Bloco de volta às causas e em oposição absoluta

Já ao final da tarde, Catarina Martins apareceu, numa intervenção aberta aos jornalistas — a convocatória enviada à imprensa era apenas para esse momento, embora no boletim emitido sobre os trabalhos se referisse que os trabalhos podiam ser acompanhados por representantes da comunicação social credenciados — e transmitiu as conclusões do encontro.

Início da discussão na generalidade da proposta de Lei n.º 4/XV/1.ª (GOV): Aprova o Orçamento do Estado para 2022, na Assembleia da República. A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins e O lider parlamentar do Bloco de Esquerda (BE),Pedro Filipe Soares Lisboa, 28 de Abril de 2022. FILIPE AMORIM/OBSERVADOR

Bloco passou de 19 deputados para apenas 5 nestas eleições

FILIPE AMORIM/OBSERVADOR

Desde logo, uma mudança ficou clara: a postura em relação ao PS, como de resto tem sido possível observar nos primeiros embates parlamentares com o novo Governo de Costa, é de oposição total. A geringonça já lá vai e até as referências a esse período são bem diferentes do que eram.

Pegando no contexto de inflação que tem valido ao Governo associações aos tempos de austeridade — por, na visão da oposição à esquerda e à direita, não combater o aumento dos preços com uma subida de salários nem medidas de atenuação suficientemente fortes — Catarina Martins disparou: “O PS fechou em definitivo o breve parêntesis aberto com a geringonça e abandona até os poucos e modestos objetivos de política social que se tinha colocado nesses anos”.

Mas as acusações ao PS são mais duras: o Governo “assumiu o argumentário da direita como guião para os anos da maioria absoluta”; trouxe o “discurso da prudência e da prioridade ao défice de volta em todo o estilo”; aproveita a inflação para “desfazer a tímida recuperação” conseguida nos anos da geringonça; é mais “papista do que o Papa de Bruxelas” e uma “maioria arrogante”; apesar de dar “respostas certeiras a André Ventura no Parlamento” acaba por “alimentar o ressentimento social que a extrema-direita explora”; e acabou por “fechar o breve parêntesis da geringonça” para voltar a ser “o PS de sempre”.

Conclusão: “Aqui estamos, pois, na oposição. Não poderia ser de outra forma”.

E que oposição será essa? De “construção”, com um modelo “construído na luta”, disse Catarina Martins. É um dos pontos cruciais da reorientação e recuperação política do Bloco: voltar à política de causas e lutar contra as “ameaças” à democracia, incluindo a extrema-direita e o ressentimento social que a alimenta e aumenta.

“Sabemos que as lutas são o ar que respiramos e é com elas que enfrentaremos não só o governo mas também a direita radicalizada, seja a do egoísmo liberal, seja a política do ódio – só uma oposição pela igualdade e pelos direitos as pode derrotar”, resumiu Catarina Martins.

O primeiro-ministro, António Costa (E), durante uma audiência com uma delegação do Bloco de Esquerda composta pela coordenadora Catarina Martins (C), pela deputada Mariana Mortágua (D) e pelo líder parlamentar, Pedro Filipe Soares (ausente da foto), para debater a necessidade de medidas mais restritivas para travar o aumento de contágios do novo coronavírus (covid-19) em Portugal, no Palácio de São Bento, em Lisboa, 09 de janeiro de 2021. JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Intervenção de Catarina Martins deixou claro que a geringonça já lá vai (por culpa do PS, diz o Bloco)

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Quanto a essas lutas que o Bloco “respira”, Catarina Martins priorizou o clima, área em que diz só se conhecer “a paralisia e a câmara lenta”, acusando os responsáveis políticos mundiais e nacionais de “mentirem” quando dizem que as mudanças são lentas e que é preciso dar “pequenos passos”. “O que fizermos na próxima década determinará as condições da nossa sobrevivência”, alertou.

Por outro lado, destaque para a luta feminista, outra das causas clássicas a que o partido quer voltar a dar força. “Não perdemos o horizonte: a igualdade. Combatemos todos os sectarismos, porque queremos mesmo avançar, mas não cedemos”, declarou.

A coordenadora bloquista referiu-se ainda, na sua intervenção final, à guerra na Ucrânia, avisando que só uma “solução negociada” pode evitar uma guerra mundial e nuclear e que “tão indigna é a bravata de Vladimir Putin” como é “a bravata de quem sugere que se ignore essa ameaça, prometendo que o prolongamento da guerra dará uma lição histórica ao agressor”.

Com consciência de que o tema pode colocar o partido em dificuldades — a direção já tinha transmitido que era preciso ter cuidado com o que entende ser uma “caça às bruxas” nas posições relativas à guerra — o Bloco coloca a sua posição nestes termos:

“Não confundimos o apoio ao povo ucraniano (incluindo em meios de auto-defesa, que aprovamos) com aquele militarismo de sofá que se ri, irresponsavelmente, dos riscos de escalada nuclear”.

Para a direção, “o ponto de partida para uma paz duradoura é a retirada russa e a neutralidade militar da Ucrânia”. À intervenção também assistiu Yulia Yurchenko, dirigente do partido de esquerda “Movimento Social Ucraniano”, convidada para a conferência bloquista.

Rumo de Catarina reconfirmado

A intervenção final de Catarina Martins veio, assim, sintetizar parte do que constava no documento que a linha oficial do partido levou a votos neste encontro. No seu texto, a parte maioritária da direção acusava o PS de provocar a crise política por querer interromper o caminho seguido nos anos da geringonça e admitia que tinha visto parte do eleitorado fugir para “engrossar a maioria absoluta”, mas assumia “os riscos eleitorais” que tinha corrido e já se colocava na “oposição”.

Essa oposição, prosseguia o documento, teria de ser feita contra o tal “ressentimento” que alimenta o Chega e apostando nas causas, incluindo nas que mais mobilizam mulheres e jovens — os dois setores em que o partido se sai melhor em termos eleitorais.

Os críticos da Convergência, o segundo documento mais votado, apontavam à direção a responsabilidade por uma“perda de influência política” registada nos últimos anos e provocada, na sua perspetiva, por uma estratégia demasiado focada nos acordos com o PS. Ou, como os críticos lhe chamam, no “geringoncismo”. E resultaria mesmo numa “diluição das bandeiras” que identificam o Bloco — uma crítica a que a direção parece querer responder com este rumo que assume agora.

Na Convergência, criticava-se também a atitude de “arrogância política inadmissível” da direção ao não retirar consequências políticas dos resultados das eleições de janeiro, assim como a própria organização da conferência nacional — que, por não ser uma convenção nacional, não poderia decidir o rumo do partido por “incompatibilidade estatutária e democrática”. Quanto a isso, nada feito: a convenção continua prevista para 2023.

A vida pós-geringonça, as críticas à Rússia e à NATO, a redução de custos. Os documentos que lançam o futuro do Bloco

O terceiro texto, apresentado por um grupo minoritário de críticos, também continha críticas ao tal “geringoncismo” e ao que considerava ser uma atitude “autojustificativa” da cúpula do partido: “A direção tem sempre razão e a culpa foi da situação difícil”, ironizavam estes críticos. Na sua proposta liam-se ideias para abrir o Bloco à sociedade e reforçar a democracia interna, tornando o BE cada vez mais um “partido-movimento”.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Para continuar a ler assine o Observador
Apoie o jornalismo independente desde 0,18€/ dia
Ver planos
Já é assinante?
Apoio a cliente

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Desde 0,18€/dia
Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Desde 0,18€/dia
Em tempos de incerteza e mudanças rápidas, é essencial estar bem informado. Não deixe que as notícias passem ao seu lado – assine agora e tenha acesso ilimitado às histórias que moldam o nosso País.
Ver ofertas