Olá

Olá, aqui vão erros.

831kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

epa10397736 Ukranian ambassador to the UN, Sergiy Kyslytsya, takes part in the conference entittled 'New conflicts, new challenges to build the peace' during the second day of the Latin America Forum in Valencia, eastern Spain, 10 January 2023.  EPA/Biel Alino
i

Biel Alino/EPA

Biel Alino/EPA

Sergiy Kyslytsya, embaixador da Ucrânia na ONU: "Se não for parado, expansionismo russo estará cada vez mais perto de Portugal"

Entrevista ao representante permanente da Ucrânia nas Nações Unidas. Sergiy Kyslytsya será um dos oradores convidados nas Conferências do Estoril, que se iniciam esta sexta-feira, na Nova SBE.

A 24 de Agosto, dia em que se assinala o dia da independência ucraniana, o embaixador Sergiy Kyslytsya declarou, na ONU (onde é representante permanente do seu país), que, “antes de ocupar a Ucrânia, já a Federação Russa ocupara de forma permanente o Conselho de Segurança”. Num longo discurso, onde também evocou o sofrimento e resistência dos ucranianos, Kyslytsya voltou a insistir na importância de a comunidade internacional encarar esta guerra como uma ameaça do expansionismo russo a todo o continente europeu, e não como um conflito local e circunscrito. Sergiv Kyslytsya estará esta sexta-feira na Nova SBE para falar nas Conferências do Estoril, mas também para auscultar a opinião pública sobre a guerra e os esforços para a paz.

Quais são as suas expectativas para esta edição das Conferências do Estoril?
Espero encontrar pessoas maravilhosas, com ideias muito válidas e criativas para o futuro, sobretudo para as relações entre países. À partida, os vários painéis e oradores parecem-me muito interessantes.

Espera que sejam apontadas soluções para a paz mundial, nomeadamente para o conflito entre a Rússia e o seu país?
Até aqui, tenho trabalhado no âmbito das Nações Unidas. Mas, num evento como este, aberto à sociedade civil, penso que terei a oportunidade de perceber como é que a opinião pública de vários países perceciona o que está a acontecer no terreno. Também gostaria de verificar até que ponto essa mesma opinião publica deposita confiança nas Nações Unidas. Explico melhor: ao longo das minhas viagens, tenho constatado que, um pouco por todo o lado, o cidadão comum tende a confundir as Nações Unidas com o Conselho de Segurança.

"Portugal é um país essencial para estabelecer a ligação entre a Europa e outras partes do mundo, como a África e a América do Sul. Também é um país respeitado, nomeadamente no seio dos países de língua portuguesa, onde tem forte influência."

Nas suas intervenções, tem-se mostrado muito crítico em relação a este órgão, defendendo mesmo a sua reforma.
Porque tem vindo a falhar em momentos cruciais. No caso da invasão do meu país pela Rússia, ficou completamente paralisado. Em consequência disso, muita gente está desapontada com a atuação das próprias Nações Unidas. Mas países como Portugal podem desempenhar um papel na mudança que se impõe.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

De que maneira?
Portugal é membro da ONU desde 1955 e é candidato a ser membro não permanente do Conselho de Segurança no biénio 2027-2028. A meu ver, é um país essencial para estabelecer a ligação entre a Europa e outras partes do mundo, como a África e a América do Sul. Também é um país respeitado, nomeadamente no seio dos países de língua portuguesa, onde tem forte influência. Ao longo dos anos, Portugal também se tem mostrado muito comprometido com os objetivos da paz mundial e da luta contra os efeitos das alterações climáticas.

epa08688825 Russian President Vladimir Putin during a pre-recorded video address to the 75th session of the United Nations General Assembly in Moscow, Russia, 22 September 2020.  EPA/MICHAIL KLIMENTYEV / SPUTNIK / KREMLIN POOL MANDATORY CREDIT

"O meu governo pensa que é um ultraje que a Federação Russa continue a integrar como membro permanente este Conselho de Segurança", diz o embaixador ucraniano

MICHAIL KLIMENTYEV / SPUTNIK / KREMLIN POOL/EPA

Voltando ao Conselho de Segurança: que tipo de reforma preconiza?
O Conselho de Segurança ainda está demasiado preso às resoluções saídas da Conferência de Ialta, no final da Segunda Guerra Mundial, que reuniu o Presidente dos Estados Unidos, Roosevelt, o primeiro-ministro britânico, Churchill, e o ditador soviético, Estaline. O meu governo pensa que é um ultraje que a Federação Russa continue a integrar como membro permanente este Conselho de Segurança, depois de tudo o que tem feito, mesmo antes da agressão à Ucrânia.

“Temos de saber apreciar cada euro gasto pelos portugueses com os problemas da Ucrânia”

Como viu a visita do Presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, à Ucrânia?
Penso que Portugal tem demonstrado um extraordinário compromisso com a Carta das Nações Unidas e com as resoluções de paz. Os esforços das autoridades portuguesas são muito bem vistos quer pelo nosso governo, quer pelo povo ucraniano. Também sabemos que Portugal recebeu muitos refugiados nossos e que tem havido muitas iniciativas da sociedade civil em prol dos ucranianos agredidos. Estamos atentos e agradecemos.

Mas pensa que Portugal tem feito o suficiente, nomeadamente o governo?
É um assunto delicado. Temos de saber apreciar cada euro gasto pelos portugueses com os problemas da Ucrânia, cada hora que nos é dedicada. Mas Portugal, como os outros Estados membros da União Europeia, deveriam estar conscientes de que a Ucrânia não luta apenas pela sua própria liberdade e soberania porque o expansionismo russo não se ficará por aqui. Se não for parado a tempo, ele estará cada vez mais perto das fronteiras de Portugal. O grave em tudo isto é que os serviços secretos norte-americanos e britânicos informaram os seus governos sobre a iminência de um ataque russo à Ucrânia e nada foi feito. Mesmo depois da invasão, demoraram demasiado tempo a decidir como é que iriam dar auxílio às forças armadas ucranianas.

"O regime que Putin construiu nos últimos 20 anos é o de um Estado falhado e a sua fragilidade ficou demonstrada com a facilidade com que Prigozhin entrou em Moscovo."

“Prigozhin assinou um contrato com o Diabo, não podia esperar outra coisa”

Como está o moral dos ucranianos neste momento?
Eu diria que está em alta, apesar de tudo. A sua dedicação à causa da soberania nacional é notável.

Como analisa a morte de Prigozhin? Vai mudar alguma coisa no desenrolar dos acontecimentos?
Não sei se muda alguma coisa, mas revela a existência de um canibalismo político na hierarquia russa, o que é excelente para a Ucrânia. Prigozhin assinou um contrato com o Diabo, não podia esperar outra coisa. Há muito tempo que Putin tinha demonstrado que não aceitava oposição interna, contestação de qualquer tipo. O regime que Putin construiu nos últimos 20 anos é o de um Estado falhado e a sua fragilidade ficou demonstrada com a facilidade com que Prigozhin entrou em Moscovo.

Este artigo faz parte de uma série sobre as Conferências do Estoril, evento de que o Observador é media partner.Resulta de uma parceria com a Nova Medical School, Nova School of Business and Economics e a Câmara Municipal de Cascais. É um conteúdo editorial independente.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Já é assinante?
Apoio a cliente

Para continuar a ler assine o Observador
Apoie o jornalismo independente desde 0,18€/ dia
Ver planos
Já é assinante?
Apoio a cliente

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Desde 0,18€/dia
Apoie o jornalismo. Leia sem limites.
Apoie o jornalismo. Leia sem limites. Desde 0,18€/dia
Em tempos de incerteza e mudanças rápidas, é essencial estar bem informado. Não deixe que as notícias passem ao seu lado – assine agora e tenha acesso ilimitado às histórias que moldam o nosso País.
Ver ofertas