Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

O marxismo-leninismo reza que nenhum movimento social e revolução pode realizar-se e ter êxito se não existirem condições objectivas e subjectivas para tal, mas, quando a realidade lhe é desfavorável, a extrema-esquerda trai os seus mestres e entra na teoria da conspiração.

O caso da queda de Evo Morales na Bolívia é mais uma prova evidente disso. Qual a principal causa objectiva da fuga apressada desse dirigente do seu país? Foi a descoberta de lítio ou mais uma obra da CIA? Teriam sido “manobras da reacção interna”? Claro que não. Essa causa consistiu no facto de Evo Morales se querer transformar em mais um Fidel Castro na América Latina e a maioria dos bolivianos não querer tal regime.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.