Rádio Observador

Exames Nacionais

A pior decisão do Governo na Educação /premium

Autor
515

Pense-se o que se quiser sobre o papel dos exames na educação. Mas é indiscutível que a ausência de escrutínio (com estas provas de aferição inúteis) prejudica o desenvolvimento do sistema educativo.

O maior erro do governo PS na Educação confirmou-se agora, mas começou a desenhar-se logo na sua primeira manhã de vida. Ainda o ministro não teria experimentado a secretária, já a maioria parlamentar de esquerda (por iniciativa do BE) aprovava a eliminação das provas finais do 1.º ciclo, aplicadas aos alunos do 4.º ano. O pior nem foi isso – apesar de ser lamentável esta forma de legislar por impulso, por preconceito ideológico, sem debate público e sem qualquer indicador comparado para justificar a decisão. O pior veio a seguir: um vazio de avaliação que converteu as extintas provas finais dos 1.º e 2.º ciclos em provas de aferição que, percebeu-se logo e agora confirmou-se, são uma completa inutilidade.

Recuemos na explicação: o problema nunca foi a adopção de provas de aferição (que não contam para a avaliação dos alunos), em detrimento de exames ou provas finais (que contam para a avaliação dos alunos). Isso é algo que, ao longo dos anos, tem acontecido entre mudanças de governos. O problema maior e inédito foi que as novas provas de aferição surgiram com características que destruíram o próprio conceito de avaliação. Primeiro, aplicaram-se em anos que não eram os de final de ciclo (2.º, 5.º e 8.º) – e, portanto, impediram qualquer tipo de comparação com resultados anteriores, para identificar melhorias ou piorias. Segundo, aplicaram-se sucessivamente em disciplinas diferentes – impedindo, novamente, qualquer comparação entre anos de provas. E, terceiro, os resultados das provas não foram quantificados e publicados abertamente – impedindo, lá está, qualquer comparação entre resultados. Ou seja, a decisão do governo destruiu uma base de dados que, desde 2002, permitia a análise da evolução do sistema educativo, rompendo com um entendimento que atravessou PS, PSD e CDS – e atirando o sistema educativo para uma navegação às escuras, num completo obscurantismo educativo: sem evidências para guiar as políticas públicas.

Ora, para além do seu carácter nocivo ser evidente, a recente realização das provas de aferição confirmou a sua completa inutilidade para medir a evolução dos alunos. Repare-se neste exemplo, trazido por Paulo Guinote. Tendo sido avaliados no 5.º ano em 2016 a Português e Matemática, faria sentido que nas provas de aferição do 8.º ano, três anos depois (2019), se aferissem esses mesmos alunos nessas mesmas duas disciplinas – de modo a verificar se, entre o 5.º e o 8.º anos, os alunos haviam evidenciado uma evolução positiva na consolidação da sua aprendizagem nessas disciplinas. Não foi o que aconteceu. Em vez de Matemática, os alunos realizaram uma prova de aferição em História/Geografia que, em boa verdade, não permitirá qualquer tipo de avaliação (nem passada, nem futura) – constituindo, portanto, uma prova sem qualquer relevância.

Fazer da avaliação dos alunos um processo inútil, desconexo e burocraticamente “faz-de-conta” é uma irresponsabilidade. Nem que seja pelas razões mínimas: a ausência de informação sistematizada e comparável sobre os desempenhos dos alunos é crucial para a monitorização do sistema educativo e, sublinhe-se bem, para o acompanhamento da eficácia das políticas públicas implementadas. E é aqui que o cenário se agrava novamente: todas estas decisões coincidem no tempo com uma mudança estrutural do sistema educativo, que é a generalização da autonomia das escolas. Seja no âmbito da flexibilidade curricular (com gestão de 25% do currículo), seja na recém-anunciada nova geração dos “contratos de autonomia”, através dos quais as escolas poderão ir para além desses 25% de flexibilidade curricular, assim como apresentar “planos de inovação” para decidir sobre muitos outros aspectos da sua organização escolar e pedagógica. Ora, a questão não está nestes reforços da autonomia (que, por princípio, são positivos ao conceder às escolas maior poder de decisão). A questão é que, neste momento, no ensino básico, será praticamente impossível avaliar esta reforma: sem provas nem avaliações comparáveis, ninguém saberá realmente o que está a correr bem e o que deveria ser corrigido para correr melhor. Numa frase: o país ficará refém das versões do ministério e dos partidos, sem evidências que o público possa escrutinar.

Pense-se o que se quiser sobre o papel dos exames na educação. Mas é indiscutível que a ausência de escrutínio (através destas provas de aferição completamente inúteis) prejudica o desenvolvimento do sistema educativo. Foi por isso evidente, desde o primeiro minuto, o potencial destrutivo desta decisão do governo, cuja raiz está na maioria de esquerda no parlamento. Contudo, três anos passados sobre a existência do novo modelo de avaliação externa e das actuais provas de aferição, ainda restava uma pequena esperança que, afinal, alguma decisão se salvasse, que pelo menos as provas de aferição se comparassem de 3 em 3 anos (do 5.º para o 8.º ano), no fundo que coisa não fosse assim tão má. Mas foi, como as referidas opções nas provas deste ano mostraram. Já não há dúvidas: pior era mesmo impossível.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD/CDS

35 horas: outro vazio de representação /premium

Alexandre Homem Cristo
103

PSD e CDS já não defendem a convergência dos sectores público e privado (40 horas de trabalho semanais). Quem representa, então, os eleitores que compreenderam a sua medida em 2013? Ninguém.

Racismo

Quotas raciais? Uma péssima solução /premium

Alexandre Homem Cristo
180

Só com informação fiável se podem realizar bons diagnósticos e só com estes se conseguem desenhar políticas públicas eficazes – em vez de soluções “faz-de-conta” para problemas incompreendidos.

Economia

Liderança: um diálogo pai-filho /premium

José Crespo de Carvalho

Podes ter a melhor das intenções, as características pessoais que achas apropriadas ou mais valorizas, a visão e a estratégia para o exercício da liderança. Mas a cultura, se não ajudar, estás morto.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)