Amor e Sexo

Amor e sexo no século XXI

Autor
119

Se antes o convite era mais formal, depois caímos na obsessão do contacto físico imediato. Como resultado temos pessoas a sofrer porque sentem que fazem o que não querem, mas não sabem fazer diferente

Podíamos ser levados a pensar que, no século XXI, depois de todas as conquistas da liberdade, incluindo a sexual, estamos todos a amar mais. Aliado a isto, temos a tecnologia, que nunca em nenhum tempo como o nosso ligou de forma tão abrangente e rápida tantas pessoas. A pergunta que fica é: amamos mais? Estamos mais perto uns dos outros? No que toca às relações, se nunca como antes houve tanta igualdade de sexos, em que não é apenas o homem a tomar a iniciativa em conhecer a outra parte, estamos a relacionarmo-nos mais?

Como é que os jovens e os adultos hoje em dia procuram o amor? Como conhecem outra pessoa? Fazem mais sexo? Não necessariamente, tal como explica este artigo do Expresso, “num estudo publicado no “Archives of Sexual Behaviour”, em 2014, realizado por investigadores da Universidade de San Diego a 26.600 pessoas, os millennials (geração nascida a partir de 1995) fazem seis vezes menos sexo do que os nascidos na década de 30”. E o online dating, veio trazer mais relacionamentos? Com certeza, alargar hipóteses de conhecer pessoas, mas quem usa o Tinder não faz mais sexo, como explica este artigo.

Com que idade casamos? O que valorizamos numa relação? Recentemente estreou nos EUA um documentário muito interessante sobre o espírito dos tempos em relação a este tema: The Dating Project. Uma das constatações com que parte o filme é de que mudou a forma como as pessoas encaram as relações e parece que perderam as competências para o dating. Cinco solteiros falam da sua experiência, num país em que 50% das pessoas são solteiras e impera a “hook up culture” (numa aproximada tradução, “cultura do engate”) nas Universidades e não só. Quem são estes solteiros? Dois universitários, duas mulheres e um homem adultos, uma delas produtora de TV e um ator.

Na universidade que aqueles dois solteiros frequentam – Boston College – a opinião parece ser unânime: a forma romântica com que as pessoas se relacionam é muito baseada em sexo e não se encontram relações duradouras ou sequer uma cultura de namorar em que se convida alguém ou se denuncia, nem que seja um pouco, um interesse por outra pessoa. O que os protagonistas do filme confessam é que se evita muito o tema, a vergonha impera e a simplicidade parece que se perdeu. Muitos deles queixam-se que é difícil encontrar uma pessoa que queira uma relação, muito menos uma a longo prazo. Muitos solteiros ficam involuntária e indefinidamente assim. Basta pensarmos que em Portugal o cenário não é muito diferente. A Pordata diz-nos que quase 50% dos Portugueses são solteiros e 20% dos agregados domésticos familiares privados são de apenas uma pessoa.

A Dra. Kerry Cronin, professora de filosofia desta Universidade, é de uma inteligência e bom senso raros neste mundo. Há muitos anos dá créditos aos seus alunos que cumpram o seguinte desafio: convidar uma pessoa em quem tenham um interesse romântico para um gelado ou café, mas com três regras:

Regra nº1: o encontro durar 60-90 minutos;

Regra nº2: o encontro não pode envolver álcool ou drogas, nem contacto físico para além de um cumprimento normal;

Regra nº3: quem convida, paga, mas não deve exceder os 10 dólares.

Esta professora diz de forma muito clara e lúcida que a questão não é voltar aos anos 50, mas retirar o que desse tempo nos ajudou e juntá-lo às conquistas do nosso. Eu diria que há várias: as mulheres darem mais contributos às relações e à sociedade, é uma; outra é o bom que os millenials podem trazer à sociedade, ao contrário do que muitos céticos acreditam. Os jovens querem comprometer-se e entregar-se por um amor, mas não como nos anos 50. É a geração mais bem preparada de sempre e, nas relações, como no trabalho, querem-nas com sentido e pondo em prática as suas capacidades e que não seja apenas compromisso por altruísmo.

Este conservadorismo “atualizado” e não congelado no tempo é muito importante, pois combate não só uma visão libertária, mas também outra castradora e pessimista. Estes “milenares” têm, por exemplo, mil interesses que não apenas trabalho e casa, e isso é muito bom numa relação a dois, pois enriquece-a. Então o que lhes falta? A disciplina e paciência para alcançarem o que os seus pais conseguiram.

Outro conselho muito inteligente desta professora é questionar esta ideia de que a primeira impressão (física) de uma pessoa é que interessa. É preciso dar o benefício, pois muito do que será a relação é encontrar no outro alguém que seja um companheiro, alguém que nos compreende e partilha um projeto de vida. Muito boas primeiras impressões não são mais do que insegurança ou carência e acabam na desilusão.

Hoje em dia, os solteiros sentem uma enorme dificuldade em encontrar um romance genuíno. Perdeu-se a arte do dating. Se antigamente o convite era mais formal, havia cartas e bailes, depois caímos no oposto de uma obsessão pelo contacto físico imediato. E, como resultado, temos pessoas a sofrer porque sentem que fazem o que não querem, mas não sabem como fazer diferente. Contudo, estas pessoas são as mesmas de sempre, com o desejo profundo de amar e de ser amadas, rir, desfrutar, partilhar uma vida e interesses. Por outro lado, muitas destas pessoas são filhos de pais divorciados, por outro, continuam a ser pressionados a casar, mesmo que muitas vezes não saibam como o conseguir.

António Pimenta de Brito criou a primeira Pós-Graduação em Portugal em Gestão de Organizações Religiosas, no ISEG-UL e é corresponsável pelo site internacional em língua portuguesa, fundado na Áustria, www.datescatolicos.org

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Abusos na Igreja

Católicos anticlericais precisam-se

António Pimenta de Brito
217

Tristemente e depois de vários países com centenas, milhares de casos e figuras altas da Igreja acusadas e condenadas, os negacionistas ainda existem. Sejam eles noutros países, mas no nosso também.

Família

12 perguntas a Jordan Peterson sobre casamento

António Pimenta de Brito

O casamento não é apenas uma vivência de duas pessoas numa casa, onde partilham contas e tratam de crianças. Nessa lógica, substituíamos os cônjuges por irmãos ou simples cuidadores de crianças.

Amor e Sexo

As agruras dos 50

Luis Teixeira

Entre as afirmações de Moix na entrevista há coisas potencialmente muito mais ofensivas do que dizer que não gosta de mulheres com mais de 50 anos, mas curiosamente não houve mais nenhum sobressalto

Crónica

Antes de trair alguém leia isso

Ruth Manus
167

Quando se é traído, nasce em nós um verdadeiro trauma, uma sequela. Não se trata da memória daquele incidente, mas de uma espécie de desconfiança eterna que passa a nos rondar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)