Televisão

“Casados à primeira vista”: o que nos ensina e nos engana

Autor
141

É constrangedor e dá-me pena ver tantos destes concorrentes desesperados pela pressão que sofrem pois querem que tudo corra bem, mas não dão espaço ao outro, nem se conhecem a eles mesmos.

Para quem não conhece, “Casados à primeira vista” é o mais recente “reality show” da SIC. Em que consiste? Procura a sua cara metade e quer casar? Alguns especialistas, desde psicólogos a coaches de relações indicam-lhe o seu “match” perfeito e vai conhecer na cerimónia de casamento a pessoa com quem passará o resto dos seus dias. Depois do enlace, o casal segue diretamente para a lua de mel e será exposto a muitos desafios por parte da equipa de especialistas, bem como acompanhados pelos mesmos ao longo de várias semanas.

O programa despertou a minha atenção logo no primeiro momento, mas também achei obviamente um disparate. Como é possível casar-se com alguém que não conhecemos nem escolhemos? Mais tarde, reconheci que o programa não aparece por acaso. Para ter uma opinião, gosto de investigar e ouvir várias perspetivas e não me pareceu que fosse o “BBC Vida selvagem” que são a maioria dos reality shows. Eu e a minha mulher temos sido assíduos espectadores.

Não me revejo totalmente, também, no chorrilho de opiniões de “especialistas” que logo acorreram a deitar abaixo o programa. Concordo com eles em que o programa não faz sentido como forma real de se casar, outro assunto é que é impossível haver instrumentos de “matching” eficazes. Dos que conheço e da experiência de 3 anos e 50.000 pessoas que estão no site de online dating que giro, é muito possível o matching ser eficaz. E pergunto a estes senhores, o que dizem deste artigo científico que aponta que 1/3 dos casamentos nos EUA já começam online (e baseados em instrumentos de matching), há evidências de que estes casamentos são mais fortes e além disso que aumentam o casamento inter-racial.

Também sugeria que estes especialistas se pudessem atualizar, lendo também este artigo do The Economist. Senhores, estamos no século XXI. E por ser católico, não quer dizer que não aproveite o que tem de bom este meio e ajude muitos casais a realizar os seus sonhos.

O online dating e este programa têm, por isso, pontos de contacto. Então em que ponta é que se lhe pode pegar este programa? Há um contexto sociológico em que aparece:

  1. Mesmo que a ideia de casar sem conhecer nem escolher a pessoa seja má, este programa deseja resolver um problema premente para cada vez mais pessoas, neste caso o público mais velho/ maduro. 40,4% dos portugueses são solteiros (Censos) e muitos deles o são involuntariamente, desejam uma relação para a vida com toda a felicidade e compromisso associados. Nos EUA e Brasil, por exemplo, os números aproximam-se dos 50%. Em resumo, nunca houve tantos solteiros. Em particular, estas pessoas não são nenhumas idiotas, desejam ser felizes como eu e o leitor e muitas têm o sonho nobre de melhorar-se a si próprias e fazer outras pessoas felizes. A questão é se o sabem fazer ou exista quem as ajude a tal.
  2. Muitos concorrentes revelam que já não sabem o que fazer e então “deixam aos especialistas a decisão”. Esta é uma frase muito repetida. É compreensível. Confessam que já tentaram de tudo mas não conseguem e desistem. Por outro lado, pensam nas suas vidas: haverá suficientes pessoas disponíveis para a relação? Ou pelo menos que o revelem? É por isso que, por outro lado, admiro-as, tal como as que usam o online dating (pelo menos com o objetivo de relações duradouras). Não se conformam, verbalizam o seu problema, tomam uma ação. É um início corajoso e elogiável. É melhor do que os que se conformam, não se responsabilizam e nada fazem pelo seu problema e enchem a sua vida de tristeza e ressentimento para si e quem está à sua volta.
  3. O programa tem uma engenhosa justificação. Os concorrentes estão a fazer o “caminho inverso”. Primeiro: compromisso. Depois: conhecer-se. O que não é estúpido de todo, dada a incapacidade geral revelada nos números para o compromisso. Com esta constatação, alguém se lembrou de criar estes programas em que se tomam medidas “drásticas” de comprometer alguém antes, de modo a fazer o caminho, passo por passo, para o amor. Tanto que os especialistas, e bem, aconselham a que se construa primeiro uma amizade e depois dar tempo para a intimidade e para o amor, por fim. Como é possível conhecer idiossincrasias, manias, personalidade da pessoa se começamos por sexo? Não sou um santo neste campo, mas percebi a dada altura na minha vida o bem que fazia saber esperar. O sexo, numa fase muito inicial da relação vai obviamente turvar tudo isto. Depois vem a verdade. A premissa do programa é que o amor desafia-nos e faz-nos pessoas melhores. Sem o assumir, nisto é cristão, mesmo que os meios depois sejam os errados.
  4. Já ultrapassámos a fase histórica do casamento arranjado, mas os indianos têm um conceito interessante. Os mesmos têm também casamentos arranjados e uma teoria, a do chá frio. Se há tantos casamentos que começam quentes e vão esfriando, estes propõem o inverso. Que tal começar frio e ir aquecendo? Consta que funciona para muitas pessoas, até porque vem adicionado de outros fatores importantes para o matching eficaz, religião e interesses familiares comuns. Honestamente, já vi casais ocidentais mais infelizes do que alguns casais amigos indianos neste regime. Não estou a advogar este sistema, ainda para mais, tem outras características da cultura que não são tão abonatórias, como o tratamento que é dado às mulheres, desde o aborto à violação. Apenas registo que para alguns funcionou e que a ajuda de terceiros não é de descartar.

Porque não funciona e a ideia do programa é desastrosa:

  1. Mesmo com toda a ajuda da psicologia, da tecnologia e do desenvolvimento pessoal para encontrar a cara metade, estas têm de ser ajudas e não “imposições”. Não nos enganemos, dado o desespero, há quem queira colocar as suas decisões noutros. Isto não é boa opção. As ajudas são imprescindíveis, mas a decisão é de cada um. No online dating é diferente, o algoritmo gera uma sugestão de compatibilidade. Ainda para mais, quem procura tem mais hipóteses de escolha, tempo e privacidade para tal.
  2. Infelizmente o resultado principal deste programa nos casais (a assegurar de que é genuíno e não fabricado), é de que, ou o matching é falhado ou depois de casar as pessoas se sentem logo pressionadas patologicamente para que corra bem e este convívio não é feito de espaço, tempo e respiração livre. As relações, neste programa, começam pela verdade (os que esperam antes de mais intimidade) e muitos não aguentam e acabam. É óbvio que não aguentem pois só compreendemos quem amamos. Como poderei aturar certo defeito da minha mulher se não a amo?
  3. Há muitas pessoas com variados problemas por resolver consigo próprias e que, por isso, dificilmente, se envolverão numa relação. Por outro lado, outras com várias feridas e relações passadas difíceis de ultrapassar.
  4. Faz um favor aos incautos e cínicos, os quais vão ver o programa e continuarão com as mesmas frases de café, “vais casar, vais p’á forca”, de taxista indignado como, “isto o casamento já se sabe, não funciona”, ou de feminista ressentida, “os homens são todos iguais”.
  5. É uma pobre forma de brincar com o casamento e torná-lo descartável. Mesmo que falemos apenas de um contrato civil, não é sério avançar com algo assim com a hipótese à partida de divórcio (mesmo que exista muitas pessoas que já o façam numa situação normal)

O namoro serve para isto: crescer consciente mas livremente, preparar-se para a relação, conhecer-se a si próprio e ao outro, dar o seu tempo aos demais e aos seus gostos pessoais. Só quem se conhece e se ama, pode amar, dar algo que recebeu e receber do outro. É constrangedor e dá-me pena ver tantos destes concorrentes desesperados pela pressão que sofrem pois querem que tudo corra bem, mas não dão espaço ao outro, nem se conhecem a eles mesmos. Falo da Eliana e do Hugo, por exemplo. Vê-se que transportam inseguranças graves e “enjaulam” literalmente o “cônjuge” com o seu controlo.

Em resumo, mesmo que existam condicionalismos sociológicos a ter em conta, esta é uma experiência a evitar por qualquer pessoa que queira encontrar a cara metade. Já o online dating, tem muitas virtudes, como demonstrei.

António Pimenta de Brito formou-se em Língua e Cultura Portuguesa (língua estrangeira) pela FL-UL e depois fez um MBA em gestão, no ISEG-UL e o 1º ano de PhD em Gestão no ISCTE-IUL. Tem trabalhado em empresas nos últimos 12 anos. Fez formação em Comunicação na Harvard Kennedy School e na European Dignity Watch, em Bruxelas. Recentemente tornou-se empreendedor e docente ao criar a primeira Pós-Graduação em Portugal em Gestão de Organizações Religiosas, no ISEG-UL e é atualmente corresponsável pelo site internacional em língua portuguesa, fundado na Áustria, www.datescatolicos.org, dá palestras e escreve sobre o tema das relações e casamento.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Amor e Sexo

Amor e sexo no século XXI

António Pimenta de Brito
119

Se antes o convite era mais formal, depois caímos na obsessão do contacto físico imediato. Como resultado temos pessoas a sofrer porque sentem que fazem o que não querem, mas não sabem fazer diferente

Família

12 perguntas a Jordan Peterson sobre casamento

António Pimenta de Brito

O casamento não é apenas uma vivência de duas pessoas numa casa, onde partilham contas e tratam de crianças. Nessa lógica, substituíamos os cônjuges por irmãos ou simples cuidadores de crianças.

Família

Acho pior beijos na boca dos filhos /premium

António Pimenta de Brito
2.310

A prática cada vez mais comum de beijar os filhos na boca não será uma violência? Será que tal prática não vai prejudicar a sexualidade saudável que terão estas crianças em adultos? 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)