Crónica

Ao ministro Cabrita, os carecas agradecidos

Autor
  • Luiz Cabral de Moncada

O que é que se pretende? Um homem novo escorreito, bonito, higiénico e saudável promovido por uma ideologia baseada na boa aparência e no uso da escova de dentes?

O governo publicou um inacreditável regulamento disciplinador do acesso ao concurso para guardas florestais. Excluídos ficam, pelo menos, os carecas, os gagos, os tatuados e os que padecem de várias cáries dentárias. É de espantar. Há poucas normas constitucionais que este regulamento não viole. Não as vou enumerar para não maçar os leitores, mas são muitas acreditem.

O responsável, o ministro Cabrita, lá apareceu, penhorado, a emendar a mão da asneira que patrocinou e que se prestou ao gozo público. Afinal parece que só os gagos vão continuar impedidos. Parece que desistiu dos carecas (ainda bem para mim e mais meio milhão de portugueses), dos tatuados e dos cariados pois que, pelo que a estes toca, percebeu certamente que teria de lhes mandar abrir a boca como se fazia aos cavalos nas feiras de gado à procura de vícios redibitórios.

O grave é o que isto tudo revela. O que é que se pretende? Um homem novo escorreito, bonito, higiénico e saudável promovido por uma ideologia baseada na boa aparência e no uso da escova de dentes? O totalitarismo sempre usou e abusou destas considerações. Não me peçam para dar exemplos.

O ministro Cabrita está no bom caminho. Proponho até que envie aos centros de recrutamento de guardas florestais para servir de modelo aos futuros candidatos uma fotografia do próprio de corpo inteiro e sorridente com aquele sorriso, parafraseando Mário Cesariny, de quem sabe e gosta de ter muitos e brancos dentes à mostra. Ficamos todos a ganhar.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

A protecção da família em Portugal

Luiz Cabral de Moncada
228

A família, enquanto célula principal da sociedade e berço da moral, como bem se sabe na Calábria, está mais garantida do que nunca. Nunca será esquecida pelos partidos quando no poder político.

Crónica

Portugal, um país à prova de fake news /premium

José Diogo Quintela

Porra Vasily! Então, mas o que é que andas a fazer, pá? Portugal não necessita dos nossos trolls, nem das nossas fake news. Os partidos tradicionais encarregam-se de escangalhar a imagem da democracia

Televisão

Os novos gladiadores /premium

Laurinda Alves

Tal como na Roma antiga se juntavam multidões para incitar ver morrer gladiadores, também os espetadores do Jeremy Kyle Show gostavam de ter sangue todas as manhãs e de ver inocentes lançados às feras

Caixa Geral de Depósitos

Rebentou a Berarda! /premium

Tiago Dores
409

Mais do que a receber Comendas, Joe Berardo é fortíssimo a receber encomendas. Basta lembrar como o governo de José Sócrates lhe encomendou que votasse ao lado do Estado na OPA da Sonae à PT.

Crónica

Serei eu um monstro?

Inês Pina

Cultivamos uma dissonância cognitiva. Se algo acontece e se sentimos que podíamos fazer algo, rapidamente sentimos que há alguém que podia/devia fazer mais do que nós. O que é isto?

Crónica

Os dias do parvoísmo /premium

Helena Matos
505

O perigo para o nosso tempo não está no comunismo nem no fascismo, mas sim no parvoísmo, esse infantilismo cruel que se tornou a ideologia triunfante dos nossos dias. De decadência,  obviamente.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)