Rádio Observador

Eleições Europeias

As eleições europeias e o combate às “fake news”

Autor
  • João Tornada
243

A longo prazo, só se conseguirá eliminar a desinformação com informação de qualidade, ensinando os cidadãos a encarar as notícias criticamente.

1. No âmbito das eleições para o Parlamento Europeu, soube-se que metade dos europeus poderão ter sido expostos a campanhas de desinformação de origem Russa, conforme estudo da SafeGuard Cyber.

Segundo a East StratCom Task Force, equipa criada pela União Europeia para combater a interferência da Rússia nas eleições europeias, o objectivo dos movimentos “pro-Kremlin” é abalar a solidez das instituições democráticas da União, na esperança de segregar os Estados-Membros. Recorde-se, a título de exemplo, a (alegada) ingerência no referendo do “Brexit” em que foram criados mais de 18 milhões de “perfis falsos” no Twitter e no Facebook com ligações à Federação Russa.

Desde 2015, a União Europeia tem vindo a implementar um conjunto de medidas para travar a desinformação, em prol da máxima de que o voto de quem está mal informado, não é um acto livre, mas condicionado. Entre outras, destaque-se a criação do “código de conduta contra a desinformação” para plataformas online e o site EUvsDisinfo, que diariamente identifica “fake news” (i.e., notícias com informações falsas) e opiniões difundidas de forma abusiva (usando bots, etc.), maioritariamente de origem russa.

Em Portugal, é especialmente preocupante que, segundo o “Relatório Eurobarómetro” de 2018, mais de metade dos portugueses não consiga identificar “notícias falsas”. É ainda digno de apreensão que o “Sistema de Alerta Rápido”, plataforma digital em que os Estados-Membros partilham, em articulação com o Parlamento Europeu, NATO, G7 e outras entidades, informações sobre campanhas de desinformação em curso, não tenha ainda detectado qualquer campanha de desinformação grave.

2. Em Janeiro, Julian King, Comissário para a União da Segurança, disse que não queria “acordar no dia seguinte às eleições e perceber que deveríamos ter feito mais”. Pois bem, diz o povo que “mais vale tarde do que nunca”, pelo que urge discutir se será suficiente confiar na auto-regulação de privados (com códigos de conduta), ou se será necessário intervir no plano legislativo.

A França, por exemplo, (i) sanciona a difusão de notícias falsas susceptíveis de perturbar a paz social, (ii) criminaliza as notícias falsas e outras práticas fraudulentas que desviem votos, (iii) obriga as plataformas online, em certos casos, a divulgar a identidade de quem financia a promoção de conteúdos informativos relacionados com um debate de interesse geral, bem como o montante de tais remunerações e o uso de dados pessoais dos utilizadores e (iv) permite que o Conseil d´État indefira/suspenda/cancele a autorização de serviços de comunicação audiovisual controlados por um Estado estrangeiro ou que, sob a sua influência, prejudiquem os “interesses fundamentais da Nação, incluindo o funcionamento regular das suas instituições, nomeadamente através da divulgação de informações falsas”.

Sendo este o debate que importa, entendemos que é curial promover a transparência da propaganda política, principalmente a que é feita online e criteriosamente dirigida aos cidadãos da União Europeia. Alertamos, porém, que confiar aos Estados o poder de censurar mensagens que atentem aos “interesses fundamentais da Nação”, juntamente com o risco de se censurar opiniões, sátiras ou notícias com imprecisões não intencionais, pode por em causa a liberdade de expressão e de imprensa que caracteriza os Estados Democráticos. A União Europeia só sairá vencedora da “guerra contra a desinformação” se não prescindir dos seus valores democráticos, protegendo o direito dos europeus de expressarem livremente as suas opiniões políticas, mesmo quando antieuropeístas.

Posto, isto aplaude-se a Resolução da Assembleia da República de 6 de Março de 2019 que, entre outras medidas, recomendou ao Governo que promova “a literacia mediática, designadamente nas escolas”. A longo prazo, só se conseguirá eliminar a desinformação com informação de qualidade, ensinando os cidadãos a encarar as notícias criticamente, confrontando fontes e combatendo a ideia de que a (boa) informação é um bem secundário e grátis.

Advogado da CCA

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina
134

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)