819kWh poupados
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Tiago de Oliveira Cavaco

Convidado

Nasci a 17 de Outubro de 1977. Licenciei-me em Ciências da Comunicação na Universidade Nova de Lisboa e estudei teologia no Seminário Baptista de Queluz. Fundei a editora musical FlorCaveira em 1999, trabalhei em televisão durante uma década, fiz crítica literária para as revistas Atlântico e Ler, abri uma Igreja Baptista em 2007, e publiquei o meu primeiro livro em 2013, chamado “Felizes Para Sempre e Outros Equívocos Acerca do Casamento”. De lá para cá, continuo obcecado pela palavra, pregando-a, escrevendo-a e musicando-a.

Artigos publicados

Festivais

A kidzania masoquista do festivais de verão

Os pobres coitados dos meus filhos já sonham e se martirizam em preços absurdos e sacrifícios totais para expiarem os seus males em escassos momentos de transfiguração que trarão de regresso a casa.
Doenças

Tossir até morrer

Não deixa de ser curioso que tossir marque a vida e a morte de tanta gente. Creio até que tossir funciona como uma insurreição contra a fala, mesmo que inconscientemente.
Grécia

A classe e o mau feitio de Atenas

Atenas deu cabo de Roma. Atenas subiu ao pódio e Roma saiu. Claro que nada disto precisa de ser uma competição mas uma competição também pode tornar tudo mais emocionante. Não esperava isso da Grécia.
Cidades

A leste do Leste

A Escópia de hoje na boca dos que de lá são é sobretudo lamentada, na boca dos gregos só com muito esforço não descamba em sarcasmo. Talvez também por isto a cidade merece mais do que elogios óbvios
Comportamento

Os céus de Zurique 

Não há nada pior do que o aeroporto. Não sei como é possível haver gente que viaja muito de avião e que não acredita no inferno ao terem tanta experiência de aeroportos.
Música

Os 25 anos da FlorCaveira

A FlorCaveira está hoje mais de acordo com o espírito do capitalismo à la Max Weber do que de acordo com A Música Portuguesa A Gostar Dela Própria. Hoje a FlorCaveira faz discos, faz livros, faz roupa
Comportamento

Cínicos governados por papalvos

Julgo ser mais cínico do que papalvo. Não sou estranho a saber mandar em papalvos mas também não sou estranho a colocar-me sob a autoridade de papalvos. E sei que quando faço a segunda, faço a pior.
Primavera

A Primavera, uma senhora abusada pelos portugueses

Uma das formas típicas de abuso dos portugueses sobre a Primavera é pedir-lhe que seja como o Verão. Se a Primavera não nos levar imediatamente à praia, damos-lhe uma descompostura em público.
Séries

Excesso de essência

Impostores, ladrões e charlatães têm para mim a virtude de, ao quererem algo que originalmente não lhes pertence, manifestarem que a pior miséria pode ser não desejar nada além de nós mesmos.
25 de Abril

O 25 de Abril também é de quem não o pratica

Como pregador zurzo constantemente em qualquer forma de religião não-praticante. Mas como cidadão sou selectivo: creio que a política é preferível quanto mais flexível se mostra à sua não-militância.
Comportamento

Três bondades do Senhor Eduardo

Num tempo em que quando estamos perto procuramos estar longe, quero honrar o Senhor Eduardo como um exemplo do nosso próximo: a confusão da Família Cavaco nunca suscitou nada nele além da generosidade
Internet

O Inferno é a internet feita carne

A internet será boa sempre que nos dispensar da sua presença para que, depois dela, venha outra presença qualquer — uma que nos faça ser mais do que aquilo que já somos ligados.
Páscoa

Chega de alegria, precisamos de saudade

Celebrar a Páscoa é fantástico mas não nos substitui a ausência de Jesus connosco. O túmulo está vazio e isso alegra-nos mas, ao mesmo tempo, também nos mostra que o mundo inteiro é um túmulo vazio.
Comportamento

O povo que se veste e que se despe

Hoje não estamos muito habituados à ideia de que a roupa que vestimos pode servir para dar valor a outra pessoa que não nós, que a vestimos.
Casamento

Educar é a arte do abandono acompanhado

É especialmente quando um pai vê um filho sair de casa que o verdadeiro orgulho nele vai começar a manifestar-se, naquilo que o filho fará de bom na ausência do pai.
Eleições

Votar em choninhas

O choninhas em que votamos está mais impedido, por ser choninhas, em fazer estragos desnecessários no nosso coração. É a falta de paixão ideológica que leva à liberdade imensa que é votar em choninhas
Comportamento

Ter pena de mim mesmo

Uma pessoa convictamente culpada é menos dada a ter pena de si mesma. Afinal, mereceu o problema que tem. Não merecer o problema que se tem é que é nos conduz à lamentação auto-infligida.
Cristianismo

A derrota do cristianismo vencedor

É precisamente por ver o cristianismo constantemente derrotado que sei que Cristo ainda está a fazer alguma coisa nele. O pior que nos pode suceder é arranjarmos o talento de salvarmos o cristianismo.
Dia dos Namorados

Quando desprezava o dia dos namorados

Tem uma certa graça porque, se antes não ligar ao dia dos namorados era fazer pouco da maioria, hoje ligar um pouco é fazer pouco de nós próprios.
Japão

O Pedro foi ao Japão

Para quem, como eu, zurze constantemente nestas deambulações burguesas, os textos do Pedro sobre o Japão reabilitaram algum do embalo genuíno da descoberta.

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Vivemos tempos interessantes e importantes

Se 1% dos nossos leitores assinasse o Observador, conseguiríamos aumentar ainda mais o nosso investimento no escrutínio dos poderes públicos e na capacidade de explicarmos todas as crises – as nacionais e as internacionais. Hoje como nunca é essencial apoiar o jornalismo independente para estar bem informado. Torne-se assinante a partir de 0,18€/ dia.

Ver planos