Eleições no Brasil

Brasil: Fernando Henrique Cardoso em Lisboa /premium

Autor

FHC defende que, em vez de um "centro amorfo", é necessário "recolocar nos trilhos o sistema eleitoral e partidário, que afundou na corrupção, na fragmentação e na perda de conteúdo programático".

O antigo presidente Fernando Henrique Cardoso esteve em Lisboa no fim-de-semana passado e, além de participar no debate organizado pela FFMS sobre «a actual natureza do poder», deu uma entrevista à RTP3 à qual tive oportunidade de assistir ao vivo. Entretanto, FHC, como é conhecido, publicou um curto artigo no jornal «O Estado de S. Paulo», onde foi o primeiro a reflectir no tipo de oposição que deverá ser movida contra o futuro governo do presidente-eleito Bolsonaro e, concomitantemente, contra o Partido dos Trabalhadores (PT), o qual se prevê que assuma a sua própria oposição de antigo governo frente a Bolsonaro.

Para quem como eu acompanha a carreira de FHC há exactamente 40 anos, estava ele então exilado em Inglaterra depois de fugir às sucessivas ditaduras brasileira (1964) e chilena (1973), é importante recordar quem é este antigo professor de Sociologia. Adversário da ditadura, foi exilado durante década e meia e, posteriormente à democratização do regime, nos anos ’80, fundou o Partido Social-Democrata Brasileiro (PSDB), foi senador, ministro das Finanças e, finalmente, Presidente da República desde 1995 até ao final de 2002, sempre eleito à primeira volta. De então para cá não deixou de animar a sua Fundação e de intervir por actos e palavras na vida política brasileira e internacional, visitando frequentemente Portugal!

Na última eleição presidencial, que viu ganhar um candidato tão improvável como o ultra-reaccionário Jair Bolsonaro, deputado do micro-pequeno Partido Social-Liberal (PSL), FHC distinguiu-se das «esquerdas» brasileiras declarando não apoiar qualquer dos dois candidatos mais votados no primeiro turno da eleição: nem o dito Bolsonaro (46%) nem Fernando Haddad (29%), o qual fora investido como candidato do PT pelo antigo presidente Lula a partir da prisão de Curitiba, onde se encontra a purgar pena decretada pelo juiz Sérgio Moro, o qual, por sua vez, anunciaria pouco depois que seria o super-ministro da Justiça do presidente Bolsonaro…

O PT e grande parte dos seus apoiantes criticaram FHC pela sua tomada de posição, incluindo entre o público português, quando fora Lula a afastar desde o início a possibilidade – virtualmente vencedora segundo as sondagens da altura – de Haddad desistir a favor do terceiro candidato, Ciro Gomes, antigo ministro independente de um dos governos do PT. Instalou-se então, definitivamente, uma campanha de ódio entre «esquerda» e «direita», de tal modo que as empresas de sondagem de opinião passaram a dar mais importância à rejeição dos eleitores perante cada um dos candidatos do que à percentagem de apoiantes. Ao cabo quase de 15 anos de dominação do PT, a vitória coube à direita e que direita!

Na entrevista que deu sábado passado em Lisboa, FHC respondeu mais uma vez por que motivos não apoiou o candidato do PT nem, obviamente, Bolsonaro, recordando as importantes divergências que teve com o PT desde o tempo em que ele próprio era Presidente da República e, mais tarde, quando Lula lhe sucedeu. Referiu-se aos processos de corrupção em que o PT se envolveu desde o «Mensalão» ao Lava Jacto, bem como à «falta de visão contemporânea» da presidente Dilma, que continuou agarrada ao assistencialismo praticado pelo partido. A terminar, FHC chamou a atenção para a virtual dissolução dos partidos com o acesso de 27 deles ao Congresso, reduzida como está a maioria deles aos seus interesses corporativos.

Quase simultaneamente, o antigo presidente publicou o primeiro apelo pós-eleitoral a um «centro radical» que mobilizasse os vários grupos partidários, incluindo o PSDB, susceptíveis de se opor ao novo governo a partir de 1 de Janeiro do ano que vem, ao mesmo tempo que se demarcava da confrontação ideológica entre o PT e Bolsonaro já utilizada por ambos durante a campanha eleitoral. Segundo escreve, trata-se de não «ficar espremidos num “centro amorfo”» e sim de «recolocar nos trilhos o sistema eleitoral e partidário, que afundou na corrupção, na fragmentação e na perda de conteúdo programático». Em vez disso, preconiza «um “centro radical”, o que implica ser firme na preservação dos direitos civis e políticos, propondo uma sociedade não excludente e justa, sem conservadorismo». Para FHC, esse  “centro progressista e radicalmente democrático deve incorporar ao seu credo uma visão mais liberal, sem medo de ser tachado de “elitista” ou “direitista”, mas que não se confunda com a fisiologia dos “centrões”»!

Apela assim às alianças políticas e sociais, perguntando a terminar: «Que movimentos e partidos poderão materializar um radicalismo de centro?». Ora sucede, que à mesma hora, outros actores políticos, como o ex-candidato à presidência Ciro Gomes e vários pequenos partidos, anunciaram a intenção de se mobilizar num sentido semelhante ao tipo de oposição proposto por FHC e, ao mesmo tempo, distinto da mobilização que o PT tem feito até aqui. Ainda não é uma decisão mas pode ser o início de uma oposição eficaz ao futuro governo e reconhecida pela sociedade brasileira.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ensino Superior

Propinas: para que te quero? /premium

Manuel Villaverde Cabral

Segundo a OCDE um licenciado ganha, em média, 69% acima de um diplomado do ensino secundário e fica menos tempo desempregado. Será justo que os impostos de pobres e ricos paguem o custo das propinas?

Crescimento Económico

Feliz Ano Novo! /premium

Manuel Villaverde Cabral

O Brexit e a instabilidade permanente da cena internacional, desde os Estados Unidos à Rússia e ao Brasil, já dificilmente serão compensados pelo turismo e pela especulação imobiliária em Portugal.

Ensino Superior

As propinas: uma história muito mal contada

Jose Bento da Silva

A questão não são as propinas. Isso é de fácil resolução. O desafio é: qual o modelo de gestão que queremos para as nossas universidades? O modelo atual não passa de um circo pago pelos contribuintes.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)