Rádio Observador

Jovens

É desta que fazemos valer a nossa geração?

Autor
  • Teresa Cunha Pinto
585

Esta geração vive com a barriga cheia de uma grande ilusão. De que é a geração mais informada, mais qualificada, mais viajada. É pura ilusão porque em nada se concretiza e materializa.

Da derrota devastadora, mas não admitida do PSD, à desilusão do CDS, da vitória que não é vitória do PS, à ascensão dos animaizinhos do PAN ao Parlamento Europeu, bem a crónica podia continuar, mas aquilo que mais nos devia deixar perplexos são os números assustadores da abstenção.

Não creio que alguém se possa sentir verdadeiramente vitorioso depois de umas eleições onde se bateram os recordes da abstenção. Quase 70% do eleitorado achou que o assunto não interessava, achou que havia coisas mais importantes que fazer, que a praia é maravilhosa e que não podia esperar, quase 70% do eleitorado julgou que a Europa se decidia sozinha.

Estes números já deixaram de ser um simples alerta há muito tempo, porque destes números retiramos uma sociedade desinteressada, desresponsabilizada e, também, profundamente, desacreditada. Porque a política que se continua a fazer não mobiliza, não dá segurança, não concretiza o futuro. Porque estamos completamente desligados daquilo que nos diz a todos – e sem excepção – respeito.

Podem-se arranjar todas e mais desculpas, mas nenhuma me consegue afastar da ideia e da revolta de estar diante de gerações que pura e simplesmente não querem saber. Admito, contudo, que a geração que mais me revolta é a dos jovens. Precisamente por ser a minha e por ser a que me deveria representar. Mas não. É a minha, mas não me representa. Sei, seguramente, que haverá tantos outros jovens que, tal como eu, se veem perdidos nesta geração que tinha tudo para fazer e criar melhor.

As razões são muitas, as culpas são de muitos, a classe política nacional envergonha-nos, o futuro não nos é seguro. Mas será que temos consciência do quanto isto nos diz respeito? Será que nos apercebemos que ao assistirmos impávidos e serenos estamos a cooperar? E que sempre que deixamos de ir às urnas estamos a permitir que alguém decida por nós? Será que nos lembramos que houve quem lutasse imensamente pelo direito ao voto e que agora abdicamos dele sem vergonha?

Esta geração vive com a barriga cheia de uma grande ilusão. De que é a geração mais informada, mais qualificada, mais viajada. É pura ilusão porque em nada se concretiza e materializa. Esta geração, a minha, age como se vivesse num mundo paralelo, como se o mundo a mais ninguém pertencesse, como se nada lhe dissesse respeito. Esta geração vive a ilusão daquilo que não é, daquilo que não faz, daquilo que não cria. É duro, mas é real. Estamos só, continuamente, a alimentar uma frustração e um vazio que pagará muitas contas no futuro.

Jovens portugueses, para um problema como este só há uma resposta e ela pode ser simplesmente o levantarmo-nos de vez, pormo-nos de pé diante dele. Acabar com um problema começa por aceitar o problema, começa pela dureza da desilusão e da frustração e nós temos nas mãos o grande começo de um futuro melhor que a todos, a todos, diz respeito. As legislativas estão próximas e elas carregam, também, o enorme desafio da abstenção. É desta que fazemos valer a nossa geração?

Estudante, 22 anos

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Cidadania

Sejamos nós a provocação! 

Teresa Cunha Pinto
118

A convicção, a posição e a determinação: eis o que urge neste país. Remar contra a maré daqueles que têm feito do Estado português um Estado doente e enfraquecido.

Dia da Mulher

Sobre a mulher, o feminismo e a lei da paridade

Teresa Cunha Pinto
143

O equilíbrio entre o trabalho e a família deverá residir numa escolha pessoal. Arrumar as funções de homem e mulher em caixas fechadas e pré-concebidas é profundamente redutor e castrador de liberdade

PAN

A ditadura da profunda ignorância

Teresa Cunha Pinto
2.732

Desconhecem por completo o mundo rural e a sua verdade. Urbanitas incultos e incoerentes que para se aproximarem do mundo rural precisam de perverter a própria natureza. 

Férias

Suportem-se uns aos outros nestas férias /premium

Laurinda Alves
263

“Suportai-vos uns aos outros” é um abaixamento pelo outro. Pelo melhor para o outro. Uma atitude cristã, eu sei, mas vejo tantos descrentes adotarem-na que não se pode dizer que é exclusivo de crentes

Jovens

O Presidente e os Jovens: Ato Um, Quarta Cena

José Pinto

Não parece abusivo dizer que as preocupações do Presidente com a juventude transmitem uma sensação de "déjà vu": os jovens destinatários dos discursos iniciais já fazem parte da atual geração grisalha

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)