Remexemos e não encontramos, gritamos e ninguém aparece, pedimos ajuda, pedimos respostas e o silêncio é cada vez maior. Acho que somos muitos à procura do mesmo.

Como é que o PS continua em primeiro lugar nas sondagens depois dos desastres sucessivos? Porque não há alternativa. Como é que o PS continua nas preferências dos Portugueses depois de uma desastrosa gestão da pandemia em Portugal? Porque não há alternativa. Como é que os Portugueses continuam a preferir quem os absorve constantemente? Porque não há alternativa. E o pior de saber que não há alternativa, é saber que estamos condenados a sobreviver com o que nos resta, com os mínimos, com o que não serve, com o que nos afunda e destrói.

Não havendo alternativa, a única coisa que existe é um vazio e um deserto imenso, uma direita que a esquerda adora e que só serve para mostrar que não precisamos dela para nada. Uma direita com uma prestação profundamente insuficiente que abandonou quem nela acreditava e quem nela via a possibilidade de um futuro melhor para o país.

A oposição ao Governo socialista é inexistente e é assim que o seu poder aumenta. Não há brilhantismo nenhum que o justifique, bem pelo contrário, mas apenas um lugar de que a direita, por incompetência, decidiu abdicar e oferecer de mão beijada. É uma direita cúmplice, refém de interesses, silenciada, subjugada, incapaz de assumir derrotas e fracassos, incapaz de chamar até si as responsabilidades e os compromissos. É urgente que perceba que é essencial promover uma reconfiguração interna para poder recuperar força. O próximo combate será nas autárquicas e suspeito que será mais uma dura derrota para a direita. É mesmo urgente: procura-se Alternativa.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Procura-se Alternativa com coragem e ambição

Uma coragem e uma ambição que represente um eleitorado que há muito tempo que está abandonado. Uma força convicta capaz de discordar, de mudar, de assumir responsabilidades, de se reerguer para, finalmente, conseguir construir. Uma alternativa capaz de provocar e de subir a fasquia. Portugal não pode ser para menos.

Procura-se Alternativa com visão

Pela saúde, pela educação, pela iniciativa, pelo emprego. Ideias e políticas que representem o verdadeiro interesse nacional. Precisamos de uma alternativa política que respeite o dinheiro dos contribuintes, que represente e que apoie a iniciativa dos Portugueses e das empresas, que valorize e que reconheça o trabalho e o esforço de tantas famílias.

Procura-se Alternativa com uma voz activa

Um discurso atento e próximo dos Portugueses, um discurso que se concretiza nas acções. Precisamos de uma voz activa capaz de se fazer ouvir, que comunique com clareza e transparência as suas ideias, que influencie positivamente, que seja capaz de envolver e de despertar energia na sociedade.