Liberalismo

Imposto é roubo!

Autor
2.671

A lógica do poder é inexorável e o Estado cobrará sempre mais e mais impostos. É necessário pois um sobressalto de desobediência civil e de objecção de consciência.

Se a apropriação de 100% do produto do trabalho de alguém é escravatura, a partir de que percentagem deixa de se ser escravo?

A subtracção de propriedade alheia através de ameaça da força ou violência, contra a vontade da pessoa alvo desse acto, é crime. Um imposto é, portanto, roubo! Aliás, se não fosse através da coação, não se chamaria “imposto”.

Todo o indivíduo tem direitos naturais que pré-existem à legislação. Tanto é assim que não precisamos de leis para ter como moralmente condenável o assassinato, a mentira, a aldrabice ou… o roubo.

Se se defende o direito à vida, o direito de propriedade é também inalienável, pois ao indivíduo não deve ser negado o usufruto do produto do seu próprio trabalho. O facto de a legislação permitir e a sociedade se ter organizado em torno do Estado para praticar o roubo fiscal, não deixa de ser uma violação de um princípio ético fundamental e não legitima a prática de extorsão. Apenas absolve o criminoso.

Voltando à pergunta inicial deste texto, percebemos pois que a questão não é de grau. Seja a taxa de imposto 10% ou 100%, há sempre uma violação do valor superior que é o da integridade da propriedade do indivíduo.

O legislador sabe que imposto é roubo. De tal ordem tem consciência da sua imoralidade que arranjou um subterfúgio: inventou a “retenção na fonte” que mais não é do que utilizar terceiros para a autoria material do crime. É ainda uma técnica tão eficaz que quando recebemos o reembolso do IRS ficamos contentes e nos esquecemos que se trata apenas da devolução de algo que nos tinha sido tirado contra a nossa própria vontade.

Mas, no fundo, todos sabemos que imposto é roubo. Caso contrário não estaria entranhado no nosso comportamento evitar o fisco por todos os meios possíveis. E pode ser legítima defesa! Uma ilegalidade, não é necessariamente uma imoralidade.

Que direito moral tem o Estado de taxar os cidadãos sem o seu consentimento?

Não existe liberdade quando a maioria apoia a imposição de uma carga fiscal sobre uma minoria, escapando aquela ao seu pagamento. Por isso John Stuart Mill defendia que a definição de impostos deveria ser votada apenas por aqueles que os pagam, caso contrário temos uma tirania fiscal, com uns a definir políticas apenas com o dinheiro dos outros.

O Estado tem o direito de obrigar um cidadão a financiar actividades, eventualmente até contra si próprio, e a que se opõe do ponto de vista moral? Quando o Estado viola o direito de propriedade dos cidadãos, que padrão ético promove?

Se o Estado servisse de facto os interesses dos indivíduos, ninguém certamente se oporia a dar o seu contributo. Mas os impostos não são pagamento de serviços prestados pelo Estado através de um contrato voluntário. Os impostos servem pura e simplesmente para redistribuição de rendimento e compra de votos. Roubo, portanto.

Uma redistribuição de rendimentos que não seja voluntária e resultado da ordem espontânea da sociedade, por exemplo através da introdução pelo Estado de impostos progressivos, não tem justificação moral. É tirar aos mais produtivos e aos maiores geradores de riqueza, para dar aos outros, eventualmente uma maioria. Não é generosidade. É comunismo puro.

O mesmo se passa com as contribuições para a segurança social que aliás têm um esquema de cobrança manhoso. Pretende-se enganar o trabalhador levando-o a crer que quem paga é a empresa, quando na verdade esse custo é repassado ao trabalhador através de preços mais elevados dos produtos que consome. É um imposto sobre os salários.

Além de que o Estado continua a pactuar com a fraude de a maioria dos trabalhadores achar que as contribuições para a segurança social são uma poupança que está a ser acumulada e que poderá ser resgatada por inteiro na sua velhice.

O apoio aos mais desfavorecidos é um dever moral, mas por isso mesmo deve ser voluntário. Se assim não for subverte-se a ética individual e a caridade transforma-se em coação. O Estado não deve substituir-se à responsabilidade pessoal de cada um de nós.

A lógica do poder é inexorável e o Estado cobrará sempre mais e mais impostos. É necessário pois um sobressalto de desobediência civil e de objecção de consciência.

Convém também contar a história de Robin dos Bosques no verdadeiro espírito com que inicialmente foi escrita. Robin não roubava aos ricos para dar aos pobres. Robin tirava dos cobradores de impostos aquilo que estes tinham subtraído aos empreendedores, comerciantes e a quem criava riqueza. Robin é herói porque se insurge contra o rei e o aparelho de Estado que extorquia aos cidadãos a sua propriedade privada.

As escolhas morais são simples: ou se crê na virtude da usurpação e saque da propriedade dos indivíduos em benefício da sociedade no seu todo; ou se acredita que o Estado deve defender a propriedade privada dos indivíduos e a sua cooperação voluntária.

A primeira é socialismo.

A segunda é Liberdade.

Licenciado em Relações Internacionais; MBA. Especialista em Internacionalização
telmo.azevedo.fernandes@gmail.com

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Democracia não é o mesmo que Liberdade

Telmo Azevedo Fernandes
186

Desde que a democracia decida sobre o mínimo possível acerca das nossas vidas, os políticos que procuram respostas para a abstenção podem continuar a não se apoquentar e ter confiança na Liberdade.

PSD/CDS

Refundação da Direita: PSD vs CDS

Telmo Azevedo Fernandes
170

“Refundar” toda a área não socialista talvez seja mais eficiente e eficaz com a mudança de eixo do CDS do que do PSD. Se o CDS alterar a sua abordagem, o PSD vem por arrasto. O inverso é mais difícil.

Solidariedade

Caridade com o dinheiro dos outros

Telmo Azevedo Fernandes
460

Quanto mais nos sentirmos roubados pelo Estado, menor a disposição em sermos solidários para com o próximo. E mais os beneficiários se sentirão no “direito” de ser ajudados, perpetuando a mendicidade.

Liberalismo

Para o menino Adam Smith, uma salva de palmas!

Sérgio Barreto Costa
127

Adam Smith festejaria a 5 de Junho, se fosse imortal como as suas ideias, os seus 296 anos e por certo o faria na sua linguagem moderada, humana e carregada de empatia em relação aos menos afortunados

Eleições Europeias

Dois liberalismos

Ricardo Mendes Ribeiro
217

Temos dois partidos nestas eleições que se dizem liberais e no entanto são muito diferentes: o Iniciativa Liberal e o Aliança. O que distingue estes liberalismos são os limites que colocam à liberdade

Liberalismo

Porque um liberal não vota Iniciativa Liberal

José Miguel Pinto dos Santos e Andre Alvim
1.992

Para quem acredita que liberalismo não é apenas sobre impostos e regulação económica, mas é essencialmente sobre a pessoa humana e a sua dignidade, o “liberalismo” da Iniciativa Liberal não é o nosso

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)