Economia

Champalimaud: o grande industrial

Autor
606

António Champalimaud nasceu há cem anos. O seu modo frontal contrastava com um meio de gente prudente até à paralisia de voz e gesto, sempre em cima do muro, a ver para que lado dava jeito cair.

Faz hoje cem anos que nasceu António Champalimaud. É uma das efemérides centenárias deste ano de 2018 que, para mim, tem várias: no dia 27 deste mês faria cem anos Luís de Avillez e, a 17 de Setembro, Alberto Franco Nogueira; depois, no dia 14 de Dezembro, são os cem anos da morte de Sidónio Pais, o “Presidente Rei” assassinado aos 46 anos – um centenário que interessará ou deveria interessar a todos os portugueses.

É um ano cheio de memórias, de homens que foram importantes na minha vida, humana e profissionalmente, na formação política e na comunidade familiar. Em relação a todos tenho um sentimento de amizade e gratidão pelo que partilhei e aprendi com eles. E também respeito e admiração.

Conheci António Champalimaud no nosso comum exílio brasileiro. Eu vinha de Angola e do exílio na África do Sul, ele de Portugal onde o seu grupo de empresas tinha sido nacionalizado – a Siderurgia Nacional, os Cimentos Leiria e Tejo, o Banco Pinto e Sottomayor, a Companhia de Seguros Mundial. Não parecia abalado com todos estes revezes da fortuna. Até porque conhecera outros: em 1969 fora obrigado a sair do país “a salto” (a “salto” de avião mas, de qualquer modo, a salto) no curso do julgamento do caso da herança Sommer para só voltar no Outono de 1973 via Moçambique, a terra de que mais gostava. E sairia outra vez nas vésperas do 11 de Março, depois de ter conhecido pessoalmente Otelo Saraiva de Carvalho – teria partido antes se o tivesse conhecido antes, diria ele depois à pessoa que organizara o almoço e os pusera em contacto.

No Brasil, ocupava o vigésimo andar da SOEICOM, na Avenida Rio Branco, no coração do Rio de Janeiro, com antigos colaboradores de sempre, como o João (“Jana”) Raposo Magalhães e o José Luís Fevereiro, e amigos, como António Bustorff Silva. Também lá estive durante quase um ano a trabalhar com António Champalimaud (AC, para os colaboradores seniores) num gabinete que partilhava com Burstoff e Fevereiro. Pude, por esse tempo e ao longo dos quase trinta anos que ele ainda viveu, conhecê-lo bem. Foi o grande industrial português da segunda metade do século XX. Escrevi-o no Expresso quando ele morreu, no dia 11 de Maio de 2004, e volto a lembrá-lo agora, porque o país é desmemoriado e ingrato para com os seus grandes, para com os “fazedores”, sobretudo quando são incómodos, que o são quase sempre.

A indústria era o que lhe interessava; a indústria, a fábrica, fazer coisas, engenheiros, operários, trabalho, economia real. Quando, muitos anos depois, comprou o banco, disse-me: “Jaime, se eu tivesse menos 10 anos, voltava para a indústria! A indústria é que tem graça, fazer coisas. Isto – os bancos – é ganhar dinheiro com dinheiro, não tem graça nenhuma!”

Como os seus antecessores na indústria – o conde de Burnay e Alfredo da Silva – era mais ou menos detestado por parte da sua classe social. Mesmo para além das guerras familiares e rivalidades económicas e financeiras, o seu modo frontal, directo, decidido, às vezes brutal, a sua “mania do trabalho”, contrastava com um meio de gente prudente até à paralisia de voz e gesto, socialmente correcta, sempre em cima do muro, a ver para que lado dava jeito cair.

Era o tempo da segunda industrialização e do início de um ciclo de oiro do desenvolvimento económico-social, que acabaria entre a crise energética de 73 e o 25 de Abril. Um tempo de grandes patrões da indústria e da banca – Jorge e José Manuel de Mello, Manuel Boullosa, Manuel Queirós Pereira, Manuel Espírito Santo, Artur Cupertino de Miranda e outros. Apesar da guerra de África – ou devido a ela – o país mudava em mentalidade, e a sociedade portuguesa ia absorvendo o que acontecia lá fora. (A ideia de que foi o 25 de Abril que mudou socialmente os hábitos e os costumes é uma visão ideológica de propaganda que toma o efeito por causa e não quer perceber que foi o contrário: precisamente porque a sociedade já estava em mudança é que veio a mudança política… que, curiosamente, interrompeu o tempo de crescimento e desenvolvimento).

O golpe de Estado-revolução não poupou os grupos económicos, ainda que os seus líderes tivessem prestado lip service à nova situação. Foi um processo a contramão da História: quando o socialismo soviético e leste-europeu entrava em crise disfuncional e a China estava nas vésperas das reformas de Deng Xiao Ping, instaurava-se aqui um socialismo mais ou menos burocrático, oportunista e folclórico, cujas consequências se prolongariam e ficariam connosco muito para além do tempo e dos eventos que lhe deram origem.

António Champalimaud, a voltar do exílio mexicano, aterrou aqui poucos meses antes deste PREC. Quem conheceu o homem e a obra, nos altos e baixos de uma vida de fazedor de coisas em três continentes, coisas que os outros se iam encarregando de desfazer e destruir, perceberá melhor a sua dimensão humana. António Champalimaud era um caso raro de alguém que, nascido na boa sociedade, se fez a si mesmo, usando os obstáculos, as dificuldades, as contradições como matéria-prima dos seus projectos e vitórias.

Como o Ulisses na narrativa homérica, era plurimetis, homem de muitas artes e ofícios: industrial pioneiro, autodidacta, agricultor, velejador, caçador, piloto de automóveis e de aviões. Solitário e senhor de contradições, mas também homem de família e de sociedade, coleccionador e esteta mas capaz de radical austeridade, António Champalimaud era racional, frio, empreendedor, sem estados de alma, mas capaz de paixões e devoções. E sendo cosmopolita e pragmático nunca deixou de ser patriota e sensível às grandezas e misérias do império e à sua perda.

Tinha uma silhueta de D. Quixote: magro, seco, com o riso carnassier. Em guerra com meio mundo e às vezes com o mundo inteiro – com a família própria e por afinidade, com governos e concorrentes –, quase parecia, pela tenacidade e voluntarismo com que mantinha posições, que amava o conflito pelo conflito, que gostava mais do combate do que da vitória. Até porque quando ganhava virava-se para outras metas, partia para novas fronteiras.

Só assim foi possível a sua ascensão relâmpago na industrialização do país: dos cimentos para o aço, do aço para a banca e seguros, da Metrópole para o Ultramar e para o Brasil; e, por fim, regressado ao rectângulo original, levar os últimos anos a refazer fortuna. Depois, confrontado com perdas de filhos e com uma cegueira progressiva, foi-se tornando mais tranquilo, menos agressivo – mais humano, diriam alguns.

E dessa humanidade e reconciliação final surgiu a ideia de uma grande fundação que levaria o nome da família, dos seus pais. Já antes contribuíra generosamente para a Fundação de Aljubarrota, talvez para aquietar a consciência ou compensar as críticas de ter vendido o banco Totta a Emilio Botin, do Santander. Mas, com a Fundação Champalimaud, criou uma instituição pioneira, exemplar na luta contra um dos maiores inimigos da humanidade. É um sinal de grandeza póstuma, de um grande fazedor que também teve a sua quota de sofrimento. E é obra. Obra real, física, concreta, como ele gostava.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Cristianismo

Nos portais do mistério, com Charles Péguy

Jaime Nogueira Pinto
249

De maioria que éramos, dominante e governante, e por isso até arrogante, nós cristãos, na Europa e no mundo, estamos a ficar minoria e voltámos a ser perseguidos, alvo de atentados, de discriminações.

União Europeia

A Hungria e a Guerra Civil das Direitas /premium

Jaime Nogueira Pinto
1.195

Estas direitas são críticas desta UE mas querem uma “Europa das Nações” – talvez porque, como defende Roger Scruton, os valores cristãos não estejam inscritos nos princípios de uma União que os recusa

Cultura

Breve memória de João Bigotte Chorão

Jaime Nogueira Pinto
284

Conheci-o católico em religião, nacionalista em política e conservador em costumes e em tudo isto com um sentido de medida e equilíbrio onde aliava uma cultura humanista às raízes do Portugal profundo

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)