Rádio Observador

Ordem dos Enfermeiros

O medo é livre

Autor
  • João Paulo Carvalho
1.352

A Ordem fez o que lhe cabia, apoiou os enfermeiros e denunciou, quando teve de denunciar, situações que põem em risco a segurança e qualidade dos cuidados de saúde. Assobiar para o lado não é solução.

O assunto da semana é a Faceapp, a aplicação Russa que tem o dom de nos mostrar envelhecidos, pouco mais será que uma cópia da democracia portuguesa. Essa, apesar de petiz, aparenta uma maturidade solene.

O país que glorifica os Capitães de Abril, promete alvíssaras a quem calar a liberdade. Assim tem sido com a Ordens profissionais.

Marta Temido insiste que tudo está bem. Esta persistência da Ministra, não obstante dos profissionais dizerem todos o contrário, denota desconhecimento de causa, confabulação ou, apenas e só, a mentira ao serviço da política.

A OE fez o que lhe compete, apoiou os enfermeiros e denunciou, as vezes que tinha de denunciar, situações que colocam em risco a segurança e qualidade dos cuidados de saúde. Assobiar para o lado não resolve problemas, só ajuda a dormir. Nós, não foi para isso que viemos, viemos com uma missão e aqui a palavra dada tem valor. As ameaças pouco nos afectam porque o medo é livre. Cada um apanha apenas o que quer.

Sei que não é fácil conviver com esta postura. Enquanto nação, somos miseráveis. A nossa miséria não se prende com o facto de vivermos com pouco, mas sim por acreditarmos que não merecemos mais. Olhamos com fervor para a mudança extrema, para a ruptura com o passado, aplaudimos as Primaveras do mundo mas vivemos bem no conformismo estéril. Depois de três Repúblicas ainda não conseguimos compreender que só a revolta leva à revolução.

A falta de maturidade democrática em Portugal é notória. Os partidos não têm ideologia, são clubes e, quando falamos de paixão, é simples ser o último a perceber. Como passarinhos, as pessoas tendem a formular opinião com base nos opinion makers do regime. Quase todos são afiliados ou próximos dos partidos e acabam por destilar aquilo que lhes encomendam. Recebemos o que os outros digerem, mas quem come no ninho tem medo de voar e nunca saberá o que é ser livre.

A Bastonária da Ordem dos Enfermeiros tem sofrido uma campanha difamatória ímpar. É o alvo fácil dos que vêem o pensamento como difícil. Desacreditar as denúncias e sugerir que não passam de estratégia é ordinário. A nobreza está em assumir os problemas e enfrentá-los com coragem, sem manobras, sem bastidores.

Com a verticalidade que nos caracteriza e baseados nos pareceres de dois conceituados juristas, assumimo-nos agora como bastião da democracia. A resistência não é mais do que o último reduto da liberdade, que vos prometo, defenderemos até ao fim.

Recordem sempre, os profissionais exaustos que agora se queixam, são guerreiros que lutam pela nossa saúde. A questão que temos de colocar é: de que nos serviria ter saúde para sermos serviçais? Viver como obsequiador, é estar morto respirando.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Enfermeiros

O Asno de Buridan

João Paulo Carvalho
454

Este é um país onde os administradores hospitalares só administram de nome. São eunucos da função pública a quem pouco mais é permitido do que responsabilizarem-se pessoalmente se as coisas correm mal

Enfermeiros

Abriu a época de caça ao enfermeiro

João Paulo Carvalho
4.493

As redes sociais vieram exponenciar o modus operandi, na era em que todos têm direito a ter opinião, exércitos de perfis falsos destilam veneno a soldo. Importa que se saiba que o ardil é inteligente 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)