Rádio Observador

Economia

O Professor como SCRUM master

Autor

Na aula, o professor é o facilitador que coloca a bola em jogo e permite que a sua turma, ou a sua equipa, esteja ao seu melhor nível e dê o seu máximo rendimento.

Primeiro, o que é SCRUM? É uma metodologia de trabalho que cai dentro duma lógica ágil, mais vasta. O termo SCRUM vem de 1986, da Harvard Business Review, através de um artigo de Takeuchi e Nonaka. Ágil (ou agile) compreende uma série de metodologias, uma das quais SCRUM, que permitem partir um projeto em partes mais pequenas, promovendo a adaptação a pequenas fases que possibilitam, assim, iterações e mudança ao longo do tempo. E muita experimentação.

Em paralelo, o que é uma cadeira/curso e, mais atomicamente, uma aula? É também uma aproximação metodológica que cai dentro de um projeto ou programa, mais vasto. O termo vem desde, pelo menos, a antiguidade grega. Carece de elaboração, planeamento curricular, conteúdo, objetivos, avaliação (ou algum tipo de avaliação) e metodologias de ensino. Tem uma estrutura. Tem um princípio, meio e fim. Como, de resto, um projeto ou programa. A aula é, em si mesma, a divisão em partes de um projeto maior: uma cadeira ou um programa.

Tal como o SCRUM se aplica a projetos ou desenvolvimento de produtos complexos (a ideia vem do rugby e da formação SCRUM – ou melé) a aula é uma unidade atómica de um projeto de clara complexidade. Há uma lógica no SCRUM como há uma lógica numa aula. Ou deve haver.

Do rugby podemos ver o melé ou a formação SCRUM como a formação em que 8 elementos de cada equipa (avançados) se formam em linhas de 3-2-3 ou 3-4-1 (dependendo do tipo de rugby) contra idêntica formação do lado adversário. O objetivo é disputar a bola quando a mesma se introduz na formação SCRUM. Através destas formações e de speed forcings as equipas procuram ultrapassar a bola para que uma das equipas (a mais forte e ágil) a possa retirar da formação e avançar com o jogo e bola em posse. Avançar no terreno com bola é o que permitirá ensaio e marcação de ponto(s).

Em qualquer formação SCRUM há um SCRUM master. Nas empresas é o facilitador que permite que a equipa esteja ao seu melhor nível e rendimento, protegida de distrações internas e externas.

Na aula, o professor é o facilitador que coloca a bola em jogo e permite que a sua turma, ou a sua equipa, esteja ao seu melhor nível e dê o seu máximo rendimento. Aqui também se procura que a turma esteja protegida de distrações internas e externas para que consiga performance máxima. A mesma ideia da turma se pode passar a sub-grupos ou grupos de trabalho dentro da turma. Ao constituí-los o professor deve nomear o SCRUM master ou deixar que o grupo chegue, por “disputas” de liderança, à nomeação natural do SCRUM master. Esse elemento é fundamental no desempenho do grupo. O professor, em trabalhos de grupo, torna-se um árbitro e um (macro) SCRUM master de todos os grupos.

No rugby o SCRUM half da equipa que não cometeu a infração introduz a bola na formação. Quem a retira será o SCRUM half de um dos lados ou equipas que vão sendo, igualmente, SCRUM masters na orientação das formações. Há um SCRUM half de cada lado ou equipa a orientar a sua formação.

Em todas as circunstâncias e situações o SCRUM master tem um papel decisivo de liderança e de facilitação ou mentoria.

Em cada grupo deve haver, igualmente, um product owner que, no fundo, deve fazer o melhor possível para satisfazer todos os stakeholders – na empresa o que tem olhos no mercado, na organização interna e no acionista; na aula o professor, que pode coincidir com o SCRUM master, com olhos no gestor/diretor do programa, no diretor da universidade/escola/faculdade, no mercado de trabalho e, bem assim, em cada um dos  membros da sua equipa, i.e., alunos e suas famílias, mantendo a reputação global; finalmente, no rugby, o SCRUM half (ou médio formação) deve ter os olhos postos nos colegas de equipa, na ligação defesa ataque, nos fãs e no clube, para além de procurar, em primeira instância, pugnar por viver os valores da própria modalidade.

Além do SCRUM master e do Product Owner existem outros elementos na aproximação SCRUM:

  • A equipa de desenvolvimento é a equipa alocada ao projeto, na empresa; os alunos/participantes, na aula; os jogadores de equipa, no rugby.
  • O Product Backlog integra tudo o que há a fazer, na empresa, para se conseguir um produto, um serviço, um projeto; numa aula (ou mais ainda do que na aula, numa cadeira e programa) jogam os seus métodos e processos; finalmente, no rugby, as regras (e valores) do próprio jogo.
  • O Sprint Planning é uma decisão que respeita ao que fazer no atual período/fase. Como numa aula ou conjunto de aulas. Como num determinado jogo, jogos ou mesmo parte deles.
  • O Daily SCRUM é a reunião diária para distribuição de tarefas. Ou para explicar o que se vai passar na aula ou aulas. Ou como se pretende que a formação trabalhe e a equipa se organize – rugby.
  • O Sprint Review, onde a equipa trabalha o coletivo para conseguir adaptar-se ao que é pedido – product backlog.
  • finalmente, o Sprint Retrospective onde a equipa trabalha o que está correto, o que não está e o que deve ser melhorado.

Tudo isto para chegar a apenas uma conclusão: a formação SCRUM é praticada e conhecida ancestralmente pelos professores. Não talvez com este nome mas são formações bem conhecidas. Dizer-se que o professor é ágil, ou deve ser, é o mínimo para ter consigo a turma. Deve, assim, saber ao que vai em cada fase e quantas devem ser as fases, deve instigar a compromissos sobre o que fazer, deve distribuir tarefas e jogo, deve rever o que foi conseguido e o que há a conseguir, deve promover o trabalho coletivo para atingir os objetivos propostos, deve adaptar-se ao contexto e protagonistas (alunos/participantes) e deve fazer retrospetivas rápidas com vista a melhorar.

Ser professor é nada mais, nada menos, que ser ágil. Ser professor é ser SCRUM master. Ser professor é, há anos, décadas, séculos e milénios, praticar agilidade.

Venham pois as empresas mostrar evidencias do que é SCRUM. E os professores poderão partilhar os seus sucessos e insucessos como SCRUM masters. E são certamente muitos, muitíssimos. Talvez não fosse mau, numa era de agilidade, as empresas olharem para as universidades e escolas como formas apuradas de agilidade com SCRUM masters treinados e proficientes.

Se, pessoalmente, fizer uma retrospetiva rápida (até em SPRINT) sobre quantos SPRINTS foram feitos posso rapidamente chegar a conclusões interessantes, ou não. No total terei orientado, por ano, várias equipas, turmas, com totais de membros de 500 a 1.000 alunos/participantes divididos por várias turmas. Se a isto multiplicar por quase 30 anos de atividade terei facilmente entre 15.000 a 30.000 alunos (pelas minhas contas vou em mais de 40.000 impactados). Se isto não é de uma responsabilidade gigantesca, o que será? Influenciar e formar 40.000 alunos/participantes numa vida é, pelo menos, a minha responsabilidade mais fundamental. Será bom que estude formas de tornar o processo de aprendizagem e inserção no mercado de trabalho (ouvindo o mercado) – ou em contextos de empresa e trabalho – em boas experiências e, sobretudo, em membros de equipa preparados para serem bem melhores que quem ousou ser seu SCRUM master. O Professor deve ser, à priori, o SCRUM master mais elementar de toda uma lógica de agilidade.

Professor Catedrático – ISCTE – IUL; Presidente INDEG – ISCTE Executive Education

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Economia

Liderança: um diálogo pai-filho /premium

José Crespo de Carvalho

Podes ter a melhor das intenções, as características pessoais que achas apropriadas ou mais valorizas, a visão e a estratégia para o exercício da liderança. Mas a cultura, se não ajudar, estás morto.

Felicidade

Adeus, vou ser feliz /premium

José Crespo de Carvalho
812

Quando me dizem, “adeus, vou ser feliz”, fico preocupado porque a felicidade é uma conquista de todos os dias e nem todos os dias são dias felizes. Dá muito trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)