Orçamento do Estado

Olha!… Lencinhos para eles chorarem! /premium

Autor
  • Teresa Espassandim
112

O Estado quase nada fará, com os recursos que são de todos, para evitar que os portugueses adoeçam, ignorando conhecimentos científicos que, se aplicados, contribuiriam para a sustentabilidade do SNS.

Tenho ouvido mais recentemente e em diferentes contextos desde a saúde, à educação e às organizações, políticos e decisores falarem de prevenção, dos custos de só se investir para remediar problemas e do quão importante é mudar do paradigma da doença para o da saúde. Aplausos. Todos de acordo, não?

No entanto, e apesar deste aparente consenso as evidências no nosso país sugerem que das palavras às acções não vai só um grande passo, vão milhares de milhões de euros perdidos, de sofrimento evitável, de produtividade desperdiçada, de bem-estar não alcançado, de vidas pouco cheias de vida. Sim, não há como contornar a evidência científica que nos demonstra que um em cada cinco portugueses tem um problema de saúde psicológica, o que quer dizer que é bastante provável que nós, um dos nossos amigos, colegas, vizinhos ou familiares venham a passar por um problema de saúde psicológica.

Ainda que presente no dia-a-dia de todos, a saúde psicológica continua a estar circundada por estigma sustentado pelo preconceito, ignorância e medo. O cunhado que está desempregado e se isolou em casa e ficou deprimido, “não tem iniciativa, é um mole”. A estudante que falta aos exames na Universidade por não conseguir lidar com os níveis de ansiedade, “é uma preguiçosa que vive às custas dos pais” para o Director da escola. O colega de trabalho com quem o chefe grita e que já esteve de baixa é “um banana de personalidade fraca”. A prima que “não é boa dos nervos”, o que precisava era de um pulso firme. A mulher que trata da casa, dos filhos, do marido, do pai idoso acamado e que se queixa de dores de cabeça e de costas e chora todos os dias, “faz é fitas”. O encarregado de educação que ri sarcasticamente no gabinete de apoio ao aluno “olha!… Lencinhos para eles chorarem”. A madrinha que diz ao seu afilhado com fobia de animais “não sejas medricas, que até tenho vergonha”. O fornecedor que compara o serviço de psicologia a “o gabinete dos ostracizados”…

O que diria de uma pessoa que teve um AVC? E de uma pessoa com um cancro? O estigma é em si mesmo um dos principais obstáculos que as pessoas com um problema de saúde psicológica enfrentam e contribui para aumentar a dificuldade em encontrar e manter um emprego, fazer amigos e conviver socialmente ou pedir ajuda profissional, agravando o estado de saúde e tornando a recuperação mais lenta e difícil.

Não obstante esta triste realidade, o Orçamento do Estado para a Saúde será em 2019 de 11 mil milhões de euros (mais 540 milhões que em 2018). Dedicará ele mais que no ano anterior para a prevenção? (Pasme-se, pois foi cerca de 1%). É igual a dizer que o Estado quase nada fará, com os recursos que são de todos, para evitar que os portugueses adoeçam, ignorando os conhecimentos científicos disponíveis que, se aplicados, contribuiriam para a sustentabilidade do Serviço Nacional de Saúde e de outros sistemas e para a qualidade de vida dos Portugueses.

Mas haja esperança “por uma saúdinha da boa” porque como o Orçamento do Estado ainda se encontra em discussão, o tal passo de gigante entre as palavras e as acções pode ser encurtado em favor da prevenção da doença e promoção da saúde com a ampliação dos contributos de todos os parlamentares nos temas do sector da Saúde e também dos da Educação, da Ciência e Ensino Superior, da Justiça e do Trabalho e Segurança Social.

Teresa Espassandim, Psicóloga especialista em Psicologia Clínica e da Saúde, Psicologia da Educação, Psicoterapia e Psicologia Vocacional e do Desenvolvimento da Carreira

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Psicologia

Porque os Vascos… esses são felizes! /premium

Teresa Espassandim

Há dias, quando revisitava o clássico “A Canção de Lisboa”, não pude deixar de me lembrar do Pedro [nome fictício] e da sua triste história. Da ficção à realidade nem sempre vai uma grande distância.

Psicologia

Adolescentes… pffff!

Teresa Espassandim
250

Moem a paciência a um santo! Mas mães e pais de adolescentes: é imperioso o alargamento dos espaços individuais no seio da família sem que isso deteriore o espaço e a coesão do grupo que é a família. 

Universidades

Quero ficar sempre estudante?

Teresa Espassandim

Aterrado com a perspectiva de perder a bolsa de estudos que ainda nem sequer tinha começado a ser paga, com o medo terrível de falhar, foi então que o João soubo o que eram “ataques de pânico”.

Austeridade

Os custos das escolhas estão aí /premium

Helena Garrido
1.000

Todas as escolhas têm custos. Mesmo que à primeira vista não pareçam. Os custos das escolhas financeiras feitas pelo Governo estão agora visíveis na Saúde e nos Transportes, agravando as desigualdades

Greve

O mundo que António Costa criou /premium

Rui Ramos
1.596

Desde 2015 que este governo trata os funcionários como o factor decisivo das vitórias eleitorais. As greves são a maneira de os funcionários obrigarem Costa a pagar mais pelos seus votos. 

Descobrimentos

Uma lança em África /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

Neste tempo, em que muitos se orgulham do que os deveria envergonhar, também há quem se envergonhe das glórias da história de Portugal.

Política

Precisamos da Esquerda

António Pedro Barreiro

Na guerra cultural em curso, a nova Esquerda esqueceu o povo e assumiu a defesa da excentricidade das elites. Eu, que não sou de Esquerda, acho que uma outra Esquerda faz falta ao sistema político.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)