Orçamento do Estado

Olha!… Lencinhos para eles chorarem! /premium

Autor
  • Teresa Espassandim
112

O Estado quase nada fará, com os recursos que são de todos, para evitar que os portugueses adoeçam, ignorando conhecimentos científicos que, se aplicados, contribuiriam para a sustentabilidade do SNS.

Tenho ouvido mais recentemente e em diferentes contextos desde a saúde, à educação e às organizações, políticos e decisores falarem de prevenção, dos custos de só se investir para remediar problemas e do quão importante é mudar do paradigma da doença para o da saúde. Aplausos. Todos de acordo, não?

No entanto, e apesar deste aparente consenso as evidências no nosso país sugerem que das palavras às acções não vai só um grande passo, vão milhares de milhões de euros perdidos, de sofrimento evitável, de produtividade desperdiçada, de bem-estar não alcançado, de vidas pouco cheias de vida. Sim, não há como contornar a evidência científica que nos demonstra que um em cada cinco portugueses tem um problema de saúde psicológica, o que quer dizer que é bastante provável que nós, um dos nossos amigos, colegas, vizinhos ou familiares venham a passar por um problema de saúde psicológica.

Ainda que presente no dia-a-dia de todos, a saúde psicológica continua a estar circundada por estigma sustentado pelo preconceito, ignorância e medo. O cunhado que está desempregado e se isolou em casa e ficou deprimido, “não tem iniciativa, é um mole”. A estudante que falta aos exames na Universidade por não conseguir lidar com os níveis de ansiedade, “é uma preguiçosa que vive às custas dos pais” para o Director da escola. O colega de trabalho com quem o chefe grita e que já esteve de baixa é “um banana de personalidade fraca”. A prima que “não é boa dos nervos”, o que precisava era de um pulso firme. A mulher que trata da casa, dos filhos, do marido, do pai idoso acamado e que se queixa de dores de cabeça e de costas e chora todos os dias, “faz é fitas”. O encarregado de educação que ri sarcasticamente no gabinete de apoio ao aluno “olha!… Lencinhos para eles chorarem”. A madrinha que diz ao seu afilhado com fobia de animais “não sejas medricas, que até tenho vergonha”. O fornecedor que compara o serviço de psicologia a “o gabinete dos ostracizados”…

O que diria de uma pessoa que teve um AVC? E de uma pessoa com um cancro? O estigma é em si mesmo um dos principais obstáculos que as pessoas com um problema de saúde psicológica enfrentam e contribui para aumentar a dificuldade em encontrar e manter um emprego, fazer amigos e conviver socialmente ou pedir ajuda profissional, agravando o estado de saúde e tornando a recuperação mais lenta e difícil.

Não obstante esta triste realidade, o Orçamento do Estado para a Saúde será em 2019 de 11 mil milhões de euros (mais 540 milhões que em 2018). Dedicará ele mais que no ano anterior para a prevenção? (Pasme-se, pois foi cerca de 1%). É igual a dizer que o Estado quase nada fará, com os recursos que são de todos, para evitar que os portugueses adoeçam, ignorando os conhecimentos científicos disponíveis que, se aplicados, contribuiriam para a sustentabilidade do Serviço Nacional de Saúde e de outros sistemas e para a qualidade de vida dos Portugueses.

Mas haja esperança “por uma saúdinha da boa” porque como o Orçamento do Estado ainda se encontra em discussão, o tal passo de gigante entre as palavras e as acções pode ser encurtado em favor da prevenção da doença e promoção da saúde com a ampliação dos contributos de todos os parlamentares nos temas do sector da Saúde e também dos da Educação, da Ciência e Ensino Superior, da Justiça e do Trabalho e Segurança Social.

Teresa Espassandim, Psicóloga especialista em Psicologia Clínica e da Saúde, Psicologia da Educação, Psicoterapia e Psicologia Vocacional e do Desenvolvimento da Carreira

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Estilo de Vida

Viver ou não viver em modo light /premium

Teresa Espassandim

Continuarei assim a encontrar-me com as Carolinas e os Hugos que na fluidez das suas vidas tiveram de desacelerar e ancorar e, por uns tempos, não ir na corrente até saberem para onde e como querem ir

Psicologia

Mais vale prevenir do que remediar /premium

Teresa Espassandim

É crítico que as pessoas à frente de organizações tenham apoio para desenvolverem competências de gestão do stresse, de gestão do tempo, de gestão emocional, de liderança... 

Professores

A Justiça e os Professores

Arnaldo Santos
431

Justiça é dar a cada um aquilo que é seu e cada professor deu o seu trabalho no tempo de congelamento na expetativa de ter a respetiva retribuição relativa à progressão na carreira: o que é seu é seu.

Benefícios Fiscais

Se calhar mais valia ter ido…

António Maria Cabral
177

Por que motivo um jogador de futebol (Pepe) que receberá milhões de euros afinal “só” vai pagar metade de IRS? A resposta é nos dada pela Lei de Orçamento de Estado de 2019...

PSD

Quando o Papa não é católico /premium

Rui Ramos

Para o PSD, a exclusão do PCP e do BE é a grande prioridade nacional. Mas para isso, é indiferente votar PSD ou PS. Como explicaram os quadros do BCP, uma maioria absoluta do PS também serve.

Corrupção

O caso da OCDE e a corrupção /premium

Helena Garrido

O que se passou com a OCDE foi grave. O responsável pelo estudo foi impedido de estar presente na apresentação. E uma conferência da Ordem dos Economistas foi cancelada. Aconteceu em Portugal.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)