Rádio Observador

Medicamentos

Pode o Parlamento proibir a prescrição de medicamentos?

Autor
  • Pedro Afonso
310

Esta iniciativa do PAN é injustificada e configura uma interferência política num ato médico, desvalorizando o saber e a prática clínica, o que apenas costuma ser observado em regimes totalitários.

O Parlamento, sob proposta do partido PAN, prepara-se para discutir a proibição da prescrição médica de metilfenidato (ritalina®) a crianças com menos de 6 anos de idade que sofrem de perturbação de hiperatividade e défice de atenção (PHDA).

Sobre este tema, é conveniente começar por esclarecer e tranquilizar as pessoas. Todos os novos fármacos, antes de chegarem ao mercado, passam por exigentes fases de investigação, sendo submetidos a um enorme escrutínio científico e de segurança, sob supervisão de entidades governamentais. Após o fármaco estar finalmente aprovado e comercializado, a avaliação não termina, iniciando-se a fase de farmacovigilância. Os médicos podem reportar às entidades nacionais (INFARMED) os efeitos secundários que vão surgindo nos seus doentes, através da utilização desse medicamento. Estes dados são analisados cuidadosamente e, caso surjam situações em que o risco suplanta o benefício, o medicamento é retirado do mercado.

Em pediatria, é frequente utilizar-se medicamentos que são prescritos off-label; ou seja, embora haja estudos publicados sobre a sua utilização em crianças, e esta se revele segura e eficaz, os laboratórios optam por não incluir essa indicação na aprovação do medicamento. Dito isto, não há razões para que a população tenha receios sobre a utilização clínica dos medicamentos, nem tão-pouco para desconfiar dos médicos ou das instituições que supervisionam os fármacos e a prática clínica, como é o caso do INFARMED e da Ordem dos Médicos.

Atualmente existem vários mitos urbanos relacionados com a saúde. São crenças erradas, sem qualquer fundamento científico, e que podem ter consequências graves. Veja-se, por exemplo, o mito que associa a vacinação do sarampo ao autismo, o mito que defende o abandono da utilização das estatinas no tratamento da hipercolesterolémia, etc. Se é verdade que a internet veio melhorar o acesso à informação, também é verdade que há inúmeras fontes de informação não validadas que são autênticos contentores de lixo informativo. As pessoas não têm tempo, nem capacidade, para confirmar a veracidade de toda a informação publicada sobre saúde. A facilidade que a internet tem hoje para disseminar uma ideia errada em larga escala, pode tornar-se um enorme perigo em termos de saúde pública.

Nalguns sectores da sociedade, observa-se uma hostilidade crescente ao conhecimento científico. Desvaloriza-se a opinião dos especialistas e propaga-se a ideia de que todas a opiniões, sobre qualquer assunto, valem o mesmo, o que é falso. O médico deve ser reconhecido como um perito que, pela sua longa e exigente preparação, sabe mais sobre medicina do que as restantes pessoas, sendo o único a ter a necessária autorização para exercer esta atividade, elaborando diagnósticos e tratando as doenças.

Pode o Parlamento proibir a prescrição de medicamentos? Julgo que não. Esta iniciativa do partido PAN é injustificada, já que configura uma interferência política num ato médico, desvalorizando o saber e a prática clínica. A interferência do poder político nos atos clínicos é observada apenas em regimes totalitários. Cabe às instituições públicas reguladoras e fiscalizadoras, juntamente com a Ordem dos Médicos, garantir com rigor e independência a boa prática médica e a defesa da saúde pública.

Termino com uma declaração de interesses: não tenho qualquer ligação aos laboratórios que comercializam o metilfenidato. Mas tenho na minha família crianças que estão medicadas com este medicamento com excelentes resultados terapêuticos. O tratamento farmacológico da PHDA veio trazer enormes benefícios a milhares de crianças que anteriormente, pelas dificuldades de aprendizagem, estavam condenadas ao insucesso escolar e à exclusão social. Hoje, felizmente para muitos casos, o destino é diferente. Esta é uma conquista de uma sociedade moderna e esclarecida que aproveita os benefícios da medicina para trazer esperança aos doentes, oferecendo-lhes idênticas oportunidades e mudando as suas vidas.

Médico Psiquiatra

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Mercado de Trabalho

Os castigos do trabalho em Portugal

Pedro Afonso
1.085

Esta é uma geração que para trabalhar abdica de quase tudo o resto; renuncia a constituir família, aos amigos, ao lazer e até à sua própria saúde. O mundo laboral sofre hoje uma grave desmoralização.

Médicos

Senhor Dr., quanto tempo temos de consulta?

Pedro Afonso
884

Um dos aspetos essenciais na relação médico-doente é a empatia. Para se ser empático é preciso saber escutar. Ora este é um hábito que se tem vindo a perder na nossa sociedade, e nas consultas médicas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)