Procura-se. Para as próximas eleições presidenciais procura-se pessoa séria. Cultura mediana. Capacidade para enfrentar pressões e momentos de tensão. É vital que distinga popularidade de poder e que não sofra de verborreia diante dos microfones. A função a desempenhar é a de candidato presidencial. Factores valorizados: não mudar de roupa em público, bom senso e muito particularmente sentido do ridículo.

Mestre espiritual. Curandeiro, dotado de poderes como magia branca e negra, resolve problemas tais como falta de força, amor, insucesso nos negócios, mau olhado, inveja, maus vícios e o encobrimento de dados pela Segurança Social que continua a negar informação sobre o estado das suas contas ao Conselho das Finanças Públicas.

Dão-se alvíssaras. A quem conseguir que Mariana Mortágua exerça uma actividade profissional que não consista em ir buscar por qualquer meio as poupanças dos portugueses. O pagamento a quem conseguir esta mudança contra-natura será sem dúvida generoso pois não só já nos faltam as siglas para identificar os cúmulos fiscais concebidos por Mariana Mortágua – já vamos no adicional ao adicional do IMI – como temos ainda de lhe pagar para tornar legal o que antes se chamava roubo.

Desapareceu de casa. Líder da oposição. A última vez que foi visto achava que era ministro sem pasta do actual Governo.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.