Eutanásia

Qual é a pressa, senhores deputados? /premium

Autor
2.050

Todos os deputados que se levantarem para votar pelo sim à eutanásia, mesmo sem mandato para isso, já sabem que estarão a votar contra a própria sociedade e até contra a Medicina. Qual é a pressa?

Qual é a pressa de legislar a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido? Quem corre atrás de quem? Há alguém à espera do sim da maioria dos deputados para dar asas ao negócio? Para reforçar o lobbying e o networking para poder começar a angariar clientes rapidamente? Alguém para quem é importante estabelecer business planse definir estratégias de marketing para projectos cuja eficácia se mede exclusivamente através da garantia de que todos os clientes morrem e nenhum fica vivo? Pergunto, porque não percebo a pressa. Nem eu, nem muitos outros, que gostariam de sentir a mesma urgência legislativa para garantir cuidados paliativos a todos, sem excepção. Isto, para dar o exemplo verdadeiramente inadiável e imperativo em matéria de cuidados para com os mais vulneráveis e sofredores.

Todos sabemos que a eutanásia é um tema complexo, delicado, sensível e fraturante. Ninguém pede para morrer de ânimo leve. Absolutamente ninguém. Quem o faz está em sofrimento profundo e sente-se incapaz de lidar com esse mesmo sofrimento, tantas vezes vivido em cúmulos impensáveis de meses ou anos. Várias vezes assisti a situações gritantes e vi como tudo evoluiu. Falo, felizmente, de uma evolução no sentido resgatador e humanizante do termo, pois todas as pessoas que na minha frente suplicaram para morrer ou pediram eutanásia, foram socorridas, cuidadas e acompanhadas por equipas multidisciplinares de profissionais de saúde, capazes de validar as suas dores e sofrimentos, mas também com ciência e competência para as saber tratar de forma a minimizar os seus tormentos físicos e psíquicos.

Todas, sem excepção, viriam a morrer de morte natural, sem tratamentos fúteis e sem qualquer forma de obstinação terapêutica. Com todas, também sem excepção, me foi dado viver esse tempo de fim de vida (para umas mais longo e para outras mais curto) em que se reconciliaram com a ideia do seu próprio fim, com as limitações decorrentes da sua doença e, em certos casos, até com familiares ou amigos com quem tiveram desavenças ao longo da vida. Graças aos cuidados paliativos, que se estendem sempre às famílias e cuidadores, nenhuma destas pessoas morreu revoltada ou sem paz interior. Muito pelo contrário.

Escrevo com emoção, por ser verdade e me ter sido dado partilhar incontáveis vezes esta mesma realidade. Confesso que em algumas alturas senti perplexidade perante o processo de transformação interior das pessoas mais aflitas, mais apavoradas ou mais zangadas com a vida ou com a sua doença. Não falo de pessoas crentes, note-se, pois as que mais me marcaram nem sequer professavam qualquer tipo de religião. O que me foi dado viver à cabeceira de homens e mulheres que só conheci no auge da sua vulnerabilidade não é traduzível por palavras. Talvez nem seja explicável à luz da ciência ou da fé e faça apenas parte do grande e insondável mistério que é a vida. E a morte.

Estive à cabeceira de crianças, jovens e adultos durante anos a fio. Fiz, primeiro, 10 anos de voluntariado na Acreditar, e depois mais 3 numa unidade de Cuidados Paliativos. Isto sem contar com o ano inteiro que passei a caminho do hospital por causa da minha afilhada Joana (teve cancro aos 10 anos e ficou internada numa enfermaria de adultos durante demasiado tempo, mas felizmente sobreviveu e hoje em dia, apesar de ter sequelas e condicionantes, é uma jovem adulta apaixonada e realizada). Também permaneci longas e dolorosas horas ao lado de dois jovens que me eram muitíssimo queridos e me abstenho de nomear por infelizmente já não estarem entre nós.

Tenho 56 anos, não sou médica nem enfermeira, apenas voluntária com formação dada por profissionais de saúde e de comunicação, mas olhando retrospectivamente para a minha vida, dou-me conta de que passei quase 20 anos muito próxima de pessoas muito doentes, muito vulneráveis, em situação de grande sofrimento físico, moral e emocional. Sempre que uma destas pessoas pediu para morrer ou gritou que era incapaz de viver na situação em que estava, assisti a movimentos extraordinários de profissionais, a actuações de especialistas que se empenharam totalmente em aliviar o sofrimento e resgatar o sentido de vida de cada uma destas pessoas em crise ou desespero. Nunca vi estas equipas de profissionais de saúde desistirem ou concordarem que o melhor seria eliminar os seus doentes. E ao não desistirem, conseguiram também devolver-lhes a dignidade e a serenidade de que precisavam para atravessar a doença e lidar com ela sem desanimar, justamente por se saberem bem acompanhados e bem cuidados.

Todos estes profissionais, mas de forma ainda mais crucial, todas as pessoas doentes (especialmente os desistentes) que foram capaz de recuperar o alento e a esperança, reforçaram a minha perspectiva sobre o que é humano e o que é desumano.

Humano é acorrer rapidamente à chamada do doente e da sua família, ou cuidadores, sempre que há dor, desconforto ou alguma forma de sofrimento. E fazer tudo para eliminar ou minimizar padecimentos e tormentos.

Desumano seria eliminar a pessoa que sofre, para que ela deixe de sofrer.

Humano é procurar e encontrar entre os profissionais de saúde uma resposta multidisciplinar, unindo esforços e saberes no sentido de acompanhar o doente, melhorando a sua condição física e atenuando a sua dor moral e emocional.

Desumano seria deixar abandonar o doente no auge do seu sofrimento, desistir dele no máximo da sua fragilidade, concordando com ele que a sua vida não faz sentido nem acrescenta nada a niguém.

Humano é abraçar e consolar, mas como não é disso que se trata quando o sofrimento é desmesurado e continuado, o que é humano é valorizar a vida em todas as suas fases, especialmente nas mais vulneráveis ou dolorosas, não desistindo nunca de cuidar e de acompanhar.

Desumano seria ver alguém no extremo das suas forças, testado, provado para além dos limites, e quebrar também os laços de confiança, dizendo-lhe que não havendo nada a fazer para a cura, mais vale a morte.

Humano é fazer tudo o que estiver ao alcance da medicina e dos diversos saberes complementares para melhorar a vida dos doentes e atenuar o peso que a doença tem nos seus cuidadores.

Desumano é concordar que a vida com sofrimento é intolerável, que a velhice é um estado deplorável e a doença incurável é um fardo insustentável.

Por tudo isto e em nome do Homem e da sociedade humana, houve um encontro recente em Lisboa que também é inédito no mundo. Nunca até hoje tantos representantes de tantas e tão diferentes religiões e crenças se tinham juntado para defender o valor da vida humana, a sua inviolabilidade e a ética com que tem que ser cuidada do início ao fim.

Na semana passada, o Patriarca de Lisboa, o Rabino, o Sheik, os representante dos hindus, dos Bahai, dos Evangélicos, dos Adventistas, dos Ortodoxos, de muitos outros cristãos e dos budistas assinaram uma declaração conjunta sobre a eutanásia, repudiando-a e deixando bem clara a sua posição sobre aquilo que os deputados da nação se preparam para discutir e votar no dia 29.

Todos os deputados que se levantarem para votar pelo sim à eutanásia já sabem que estarão a votar contra uma esmagadora maioria de médicos, contra uma esmagadora maioria de enfermeiros, contra as orientações do Conselho Nacional de Ética para as Ciências da Vida, contra incontáveis profissionais de saúde e inumeráveis cidadãos (frágeis e menos frágeis), mas a partir da semana passada passaram a ter consciência de que também votarão contra a esmagadora maioria de religiões e crenças nas quais uma esmagadora maioria de cidadãos se revê. Ou seja, mesmo sem mandato para isso, estarão a votar contra a própria sociedade e até contra a Medicina. Assim sendo, insisto e pergunto: qual é a pressa, senhores deputados?

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Universidades

Viver no campus /premium

Laurinda Alves
519

Este novo campus da Nova SBE é um marco no país. Portugal e a marca portuguesa são mais ricos porque esta e outras boas universidades existem, mas a construção deste campus é uma aula cheia de lições.

Tailândia

O treinador /premium

Laurinda Alves
3.924

Presto a minha homenagem a este jovem treinador, que também eu gostava de abraçar e agradecer por ter salvo a vida dos 12 rapazes muito antes de eles terem sido resgatados e trazidos para a superfície

Eutanásia

Não somos comunistas

Nuno Lobo

Fazem mal os conservadores que atribuem outra importância à posição do PCP que não a mera aliança aritmética que nos ajudou a chumbar uma lei iníqua.

Saúde Pública

Ainda o tabaco e má legislação

Fernando Leal da Costa

O Governo quer acabar com o fumo de tabaco no SNS – em cujas instituições já é proibido fumar – para depois, com um despacho, propor a criação de espaços para não fumadores... nas zonas ao ar livre.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)