Rádio Observador

Hepatite C

Quanto vale uma vida?

Autor
223

Fugir a uma discussão que racionalize o SNS implicará um dia forçar outra que o racione, como já acontece. As filas e listas de espera são formas indirectas de racionamento fruto da falta de recursos

Sentimentalmente, diremos todos que não tem preço. O problema é que os cuidados de saúde têm um custo. E sendo os recursos escassos, coloca-se o problema económico do custo de oportunidade: para salvarmos uma vida, quantas teremos de sacrificar?

O que se está a passar com o tratamento para a hepatite C ilustra bem o problema subjacente [curiosamente, usei este caso há três meses atrás para ajudar a explicar o conceito de custo de oportunidade aos meus alunos de Microeconomia]. Um tratamento custa, antes das recentes negociações, cerca de 42 mil euros. Ora, 42 mil euros permitiriam, por exemplo, financiar os seguintes tratamentos ou gastos sociais:

– 14 bypasses coronários
– 140 operações às cataratas
– 6900 refeições em cantinas escolares
– 2 salários anuais de um professor contratado do 2ª escalão do básico ou secundário

E dado que os recursos são escassos, optar por um pode implicar abdicar de outro. Outros problemas similares colocam-se. Por exemplo, quanto dinheiro devemos investir para reduzir a sinistralidade rodoviária em 1%? 1 milhão de euros? Mil milhões de euros? Estas decisões, envolvendo vidas, requerem contudo uma análise económica. E, para o fazer, temos de avaliar o valor de uma vida. Quanto vale uma vida?

Existem diversos métodos em economia da saúde para tentar estimar o valor de uma vida. Um dos primeiros, entretanto abandonado, era o de estimar os cash-flows futuros que aquela pessoa geraria. O método era não apenas incerto, extremamente variável, como iníquo: a vida de um rico valeria bem mais do que a vida de um pobre. Uma outra abordagem mais indirecta, o valor estatístico de uma vida (VSL), recorre a um proxy por forma a avaliar qual o valor que aquela sociedade em particular atribui a uma vida. Por exemplo, admitamos que a sociedade está disposta a investir mil milhões de euros para reduzir a sinistralidade rodoviária em 1%. Ora, se 1% corresponder a mil vidas, uma vida valerá então cerca de 1 milhão de euros.

Esta análise preliminar permite aferir quanto dinheiro deverá estar adjudicado à saúde. Mas coloca-se outra questão: dentro da saúde, e dado que os recursos são escassos, que tratamentos privilegiar? Uma forma de avaliar isto é calculando o número de QALYs, ou quality-adjusted life-years, que vale um tratamento. Por exemplo, admitamos que um ano vida de uma pessoa normal vale 1 QALY, e que uma pessoa com hepatite C vê a qualidade de vida reduzida em 50%, ou seja, 0.5 QALYs. Se o tratamento para a hepatite C permitir recuperar esses 0.5 QALYs durante 30 anos, então o valor desse tratamento será de 0.5 vezes 30, 15 QALYs. E o tratamento oncológico para uma criança? Se lhe permitir viver 60 anos e recuperar 0.75 QALYs, então vale 45 QALYs.

Posto isto, há que combinar ambos os indicadores: primeiro, perceber quanto dinheiro quer a sociedade afectar à saúde como um todo, o que implica responder à questão de quanto vale uma vida. Depois, perceber que tratamentos serão preteridos. Isto porque, e usando o exemplo supra-referido, o custo de um tratamento oncológico poderia permitir, por exemplo, salvar três pacientes com hepatite C (admitindo que o tratamento oncológico custa cerca de 150 mil euros).

A decisão política de adjudicar o máximo possível de recursos não pode estar desconectada da realidade económica: para o fazer, de onde se retiram? Da educação? Da defesa? Das transferências sociais? Aliás, é até possível que o custo de financiar todas as necessidades de cuidados de saúde seja superior ao próprio produto do país. Uma discussão sobre o assunto requer ponderação e racionalidade. Fugir a uma discussão que racionalize o SNS implicará um dia forçar outra que o racione, como aliás acontece. As filas e listas de espera são formas indirectas de racionamento que se prendem com a falta de recursos.

Pessoalmente, não tenho qualquer dúvida que a vida vale todo o nosso esforço. E por essa razão em particular, o Estado deve primar pela disciplina orçamental e rigor na alocação do Orçamento de Estado. Quando financiamos uma peça de Brecht de um qualquer encenador que jura que a cultura deve ser financiada por todos nós, podemos estar a reduzir os recursos disponíveis para mais um tratamento que possa salvar mais uma vida. E sacrificar a vida de uma criança é um preço demasiado elevado a pagar.

Professor da Universidade do Porto, doutorando em economia da saúde

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Vencidos da vida

Mário Amorim Lopes
636

Há 200 anos que Portugal é uma chalaça. Mas o que verdadeiramente mata Portugal é a angústia de saber que não tinha e não tem de ser assim. 

Política

De direita e liberal, sem a vossa licença

Mário Amorim Lopes
199

E o regime assim se foi mantendo. Ao mesmo tempo que se tentava marginalizar qualquer brecha de direita, os outros, os moderados, escreviam odes a Chavez e Maduro e denunciavam a ascensão dos radicais

Eutanásia

A rampa cada vez mais deslizante

Pedro Vaz Patto

Deve uma sociedade que se pretende solidária confirmar, a pretexto de respeito pela vontade do doente, a ideia de que a pessoa demente é um peso difícil de suportar e deve, por isso, ser eliminada?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)