Rádio Observador

Racismo

Quotas? Pura campanha política

Autor
  • Teresa Cunha Pinto
135

O verdadeiro racismo reside em aceitar que determinada etnia precisa de medidas especiais para chegar a certos lugares. Se há constrangimentos a este nível não serão as quotas que os vêm diminuir.

Quotas, para que vos queremos? Tem sido tema de muitas discussões e de tantas opiniões. Permitam-me que resuma o problema a pura campanha política.

Estamos cansados de preocupações que se transformam em instrumentos e estandartes políticos. Encantado vai o povo com medidas que ilusoriamente promovem a igualdade quando na verdade apenas a estão a prejudicar. E o mais grave é que o fazem mesmo por baixo das nossas barbas. Até porque defender as quotas fica sempre bem na fotografia, não é? Os bons da fita que defendem as quotas são os mesmos que estão a alimentar cada vez mais um problema que existe e que precisa de soluções.

“Corrigir a falta de diversidade no espaço público”, que é aquilo que o PS se quer propor a fazer, não se resolve com quotas raciais. Resolve-se com reformas estruturais e eficazes que promovam o acesso a uma educação de qualidade, que promovam o emprego e a sustentação económica. A segregação social não se resolve com a implementação da discriminação positiva mas sim com reformas públicas eficazes que diminuam os riscos de pobreza. Porque o que está em cima da mesa é um tema chamado Pobreza. E as quotas não são a solução milagrosa para um problema que muitos tentam ignorar. A pobreza afecta brancos, negros, ciganos, homens e mulheres e este problema está a ser convenientemente camuflado.

É fantástico como em Portugal há o eterno dom de se tentar solucionar um problema gerando sempre outros problemas. Foge-se às responsabilidades e não se cuida da raiz da questão. Anda-se às voltas a tentar perceber o que é que dá menos trabalho e o que é que dá mais votos.

A implementação de quotas – não só para o acesso ao ensino superior, mas para outras finalidades – seria nada mais nada menos que a oficialização do racismo em Portugal. Pois, são tão coitadinhos que até precisam de medidas especiais para chegarem a determinados lugares, não é? E assim, tão facilmente, se faz do racismo algo tolerável e aceitável.

O verdadeiro racismo reside em aceitar que determinada etnia possa precisar de medidas especiais para chegar a determinados lugares. Se há constrangimentos a este nível – porque os há! – não serão as quotas que os vêm diminuir nem possibilitar um acesso justo e igual.

Não me passa pela cabeça achar que há quem valha mais e quem valha menos. Existe, sim, quem valha. Que seja branco, preto, cigano, o que quisermos. O homem é um sem fim de possibilidades e a diversidade é a nossa natureza. Não acredito numa sociedade que beneficie em função da cor, não acredito na política que promove a segregação social, mas acredito, profundamente, numa sociedade que, independentemente da cor ou do género, se faz valer pelas suas conquistas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Comboios

A bordo de um InterRegional

Teresa Cunha Pinto
198

Aceita-se que quem faça viagens nos comboios urbanos possa ir de pé, mas num comboio que liga a Régua ao Porto (1h40 de viagem) não é aceitável.

PSD

A camioneta fantasma do PSD

Teresa Cunha Pinto
155

Tal como o “dente de ouro”, também Rio tem uma lista longa de nomes a abater e é por isso que persegue e cala os companheiros do partido que se opõem às suas ideias e incompetência enquanto líder.

Incêndios

Incêndios: alguém puxou a cassete para trás

Teresa Cunha Pinto

Reduziram Portugal a um campo de batalha dividido ao meio, onde num lado estão os que merecem e do outro os que não merecem. Este país profundamente só e abandonado deixa-nos a todos sem chão.

Racismo

O mérito não tem cor de pele nem etnia

João Pedro Marques
381

Os activistas querem implementar quotas e outros mecanismos compensatórios e precisam desesperadamente de argumentos científicos para justificar esse seu propósito. É gato escondido com rabo de fora.

Europa

Para uma etiologia da “política de identidades”

Guilherme Valente

É a ameaça de uma sociedade comunitarista, fragmentada, tribalizada e regressiva que se configura. Anti-humanista e anti-universalista, contra o melhor do espírito europeu. E contra uma Europa unida.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)