Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

Foi no dia em que a Igreja católica celebra a natividade de Nossa Senhora, 8 de Setembro de 2019, que a Irmã Maria Antónia Guerra de Pinho nasceu para a eternidade. Nasceu?! Sim, porque o momento da morte é, para os cristãos, o dies natalis, ou seja, o dia do nascimento para a verdadeira vida, a eterna.

A sua morte não podia ter sido mais horrível, dadas as circunstâncias em que ocorreu: não só foi terrivelmente assassinada como, depois, nem sequer o seu corpo foi respeitado pelo seu monstruoso homicida. Manchando, com a sua ignomínia, aquele cadáver, não pôde, contudo, conspurcar a alma de quem, enriquecida pela graça do martírio, no Céu resplandece imaculada e, decerto, intercede agora pela sua conversão.

Este artigo é exclusivo para os nossos assinantes: assine agora e beneficie de leitura ilimitada e outras vantagens. Caso já seja assinante inicie aqui a sua sessão. Se pensa que esta mensagem está em erro, contacte o nosso apoio a cliente.