Rádio Observador

Estilo de Vida

Se não cuidar de si, quem cuidará? /premium

Autor
  • Teresa Espassandim

São tantas e tantas as pessoas que vivem neste limiar que não nos deixa abrandar sem se aperceberem do abismo em que caminham, dos riscos que correm por estarem sempre a “correr”!...

Agora que o Entrudo e os Carnavais foram enterrados, depois da folia e da catarse colectiva em que muitos se entretiveram, guardam-se as máscaras (pelo menos as literais) e regressa-se ao quotidiano. Para os Católicos, inicia-se a Quaresma, expressão originária do latim, quadragesima dies (quadragésimo dia) que separa o período até que celebram a Páscoa e que remonta, como habitualmente, a tradições oriundas de ritos pré-Cristãos do pousio do Inverno e do posterior renascimento da terra na Primavera (atenção, apenas válido para os que habitam a Norte da linha do Equador!).

É, então, um período de preparação integrado num ciclo que antecede celebração e prolongamento. Mas, estendendo agora a metáfora para todos e não somente os que se identificam com a religião Católica, e que portanto não terão um tempo formalmente designado e destinado a “preparação” (leia-se pré-acção), se o dia-a-dia “engole” o comum dos mortais, que na espuma dos dias deixa esmorecer a atenção, a consciência e a escolha, como pode este sonhar e almejar ou sequer reparar-se dos efeitos de tantos quotidianos impostos?

E como fazemos para recuperar por forma a mantermo-nos na “roda” se esse ritmo acelerado em que vivemos não nos deixa abrandar a não ser que algo nos pare? E podem ser tantas as coisas que nos obrigam a tal… AVC, enfarte, dor crónica, ataque de pânico, depressão, burnout,… a existência de problema de saúde grave de um familiar, a ocorrência de problemas conjugais, dificuldades financeiras e contracção de empréstimo significativo, a vivência de factores laborais de stresse… São tantas e tantas as pessoas que vivem neste limiar sem se aperceberem do abismo em que caminham, dos riscos que correm por estarem sempre a “correr”!…

A tal “preparação” pode revestir-se para todos nós de auto-cuidado, porque existem outras respostas para além das farmacológicas que tão erradamente proliferam e dominam no nosso país (no consumo de ansiolíticos e antidepressivos estamos quase no dobro da média europeia). Para que possamos suspender momentaneamente a “roda” ao invés de cair dela, até porque não podemos estar permanentemente focados na activação (quer para fazer e alcançar, quer para detectar ameaças) há-que desenvolver ações deliberadas, realizadas por cada um de nós, de cuidado, preservação e melhoria do nosso bem-estar e da nossa saúde física, mental e emocional.

Um foco em acções orientadas para a acalmia, contentamento e afiliação social foram desenvolvidas na nossa espécie há milhares e milhares de anos e dele resultam respostas emocionais de bem-estar, pertença e segurança. Porque há momentos em que as sensações de calma e paz são necessárias para facilitar um estado de descanso e aquiescência.

O Alberto [nome fictício], tinha 50 anos e era director-geral de uma empresa quando foi surpreendido por um problema de saúde sério ao mesmo tempo que viu ruir a sua vida familiar. Percebeu, com a minha ajuda profissional enquanto Psicóloga, que muito das perdas que enfrentava eram consequência do estilo de vida que levava, do sempre na “roda”, do não privilegiar momentos intencionais de descontracção e lazer, fosse sozinho, com familiares ou com amigos, de não dormir as 7 ou 8 horas recomendadas para um adulto, de não manter um hobbie, de não praticar actividade física, de não gozar dias de férias suficientes, de não colocar fronteiras à sua vida profissional que inundava toda a sua existência, de não conseguir estar, assim simplesmente…

Depois de tomar consciência dos seus comportamentos, do seu funcionamento, das suas emoções, começou a aprender a tomar conta de si. Sim, porque se temos de aprender tantas coisas na vida porque razão é que julgaríamos que o instinto da sobrevivência trataria automaticamente de nós para “o resto”? Já saímos das grutas há algum tempo, os nossos desafios já não são fugir aos predadores ou o abrigar dos raios e dos trovões…

Psicóloga Especialista em Psicologia Clínica e da Saúde, Psicologia da Educação, Psicoterapia e Psicologia Vocacional e do Desenvolvimento da Carreira

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Psicologia

Porque não se muda a “Saúde”? /premium

Teresa Espassandim

O mais recente Relatório de Primavera do Observatório Português dos Sistemas de Saúde é claríssimo no que à saúde mental diz respeito, colocando o dedo na ferida da escassez de Psicólogos no SNS.

Exames Nacionais

Reflexos na pauta /premium

Teresa Espassandim

Vamos lá lutar é por aquela décima no exame que a média agradece e os rankings rejubilam! Mas não esquecer o teatro, ERASMUS, o associativismo, o activismo, o desporto, o voluntariado, as viagens…

Trabalho

Psst, psst… O burnout anda por aí /premium

Teresa Espassandim

Quando o stress laboral se torna crónico e o ambiente entre colegas é conflituoso e nada colaborativo, o nosso envolvimento reduz-se à medida que o negativismo aumenta e o cinismo se torna recorrente.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)