Logo Observador
Igreja Católica

Papa Francisco quer pais mais responsáveis – sem contracetivos

202

Sensibilizado com a quantidade de crianças abandonadas nas Filipinas e com o nível de pobreza no país, o Papa Francisco defende o controlo de natalidade, mas apenas com métodos naturais.

O Papa Francisco falou aos jornalistas durante o voo de Manila para Roma

GIUSEPPE CACACE/AFP/Getty Images

Não é segredo que a Igreja Católica rejeita a contraceção, mas o Papa Francisco fez questão de esclarecer que isso não significa que os católicos se reproduzam “como coelhos”, porque é possível um planeamento familiar natural. O Papa falou esta segunda-feira, em conferência de imprensa, durante o voo de Manila para Roma, finda a visita à Ásia, e apelou a uma parentalidade responsável.

“Alguns pensam, e desculpem o termo, que para sermos bons católicos, temos de ser como coelhos. Mas não”, disse o líder da Igreja Católica, que se opõe à medida do governo filipino de disponibilizar mais facilmente os contracetivos. A visita a este país deixou o Papa Francisco sensibilizado com a quantidade de crianças na rua, abandonadas pelos pais que não tinham condições para as criar, e com a história de uma mulher que apesar de já ter feito sete cesarianas, colocou a vida em risco ao engravidar novamente.

Apesar de serem maioritariamente católicos e muito conservadores, a população filipina acolheu a medida de controlo de natalidade implementada pelo governo como uma boa forma de reduzir a pobreza. “Acreditamos que é possível defender a saúde reprodutiva e as práticas de planeamento familiar, e mesmo assim ser um bom católico”, disse, citada pelo Walll Street Journal, Bicbic Chua, diretora executiva do grupo Católicos pela Saúde Reprodutiva, que apoiou esta iniciativa. “Fomos, e ainda somos, tratados como pecadores, mas o que é imoral para nós é trazer crianças ao mundo sem amor, cuidado adequado e alimentação.”

A Igreja Católica apoia os métodos de controlo natural de natalidade, como a abstinência sexual durante o período fértil da mulher. Na conferência de imprensa, o Papa Francisco acusou os países desenvolvidos de tentarem influenciar os estilos de vida e a moralidade dos jovens nos países mais pobres – como com certas medidas de controlo de natalidade e direitos homossexuais, segundo a BBC -, comparando-os mesmo com a ação da propaganda Nazi e Fascistas no século XX. “Chama-se colonização ideológica. Colonizam as pessoas com ideias e tentam mudar as mentalidades e estruturas.”

“O planeamento natural não funciona”, disse Mary Jane Judilla, trabalhadora dos serviços sociais de saúde, citada pelo Walll Street Journal. “Os padres não são especialistas nisto.” As mulheres católicas que frequentam a clínica de planeamento familiar de Tondo continuam a usar contracetivos, mas mentem aos padres para não perderem as regalias da igreja, como o apoio escolar. “Continuamos a ser católicos. Só estamos a fazer o que é melhor pela nossa família.”

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt
Catolicismo

Um coach chamado Inácio

Laurinda Alves
1.836

500 anos depois, num tempo em que Deus continua a ser uma palavra difícil e muitos crentes são perseguidos e mortos, Inácio de Loyola continua muito à frente do tempo inspirando leigos e religiosos.

Catolicismo

Maria Madalena: a apóstola dos apóstolos

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
778

Todas as mulheres cristãs, sem necessidade do sacramento da Ordem, podem e devem ser, sejam leigas ou consagradas, solteiras ou casadas, apóstolas de apóstolos, como Maria Madalena.

Terrorismo

Um homem, um gesto

Laurinda Alves

Fernando Álvarez fez sozinho o minuto de silêncio e humanamente ganhou em toda a linha. Harry Athwal, que permaneceu ajoelhado ao lado do rapazinho, deu um testemunho admirável de coragem e humanidade