Logo Observador
Legislativas 2015

Sondagens do dia: fosso do PS para a PàF aumenta

1.058

A coligação reforça a distância nos dois estudos do dia. O fosso para o PS subiu 0,2 pontos no estudo da Intercampus e dois pontos na sondagem da Católica.

Gerardo Santos

Ao quarto dia de sondagens diárias, o fosso entre coligação e PS torna-se maior. No caso do estudo da Universidade Católica para a RTP, a diferença entre PàF e socialistas é de 7 pontos. Na tracking poll da Intercampus para a TVI/TSF e Público a vantagem de PSD e CDS é de 5 pontos.

Os resultados dos dois estudos são, contudo, algo diferentes. No da Intercampus todos os partidos descem, à exceção do Bloco. No da Católica, a coligação é a única força a subir.

Os resultados do estudo da Intercampus para a TVI/TSF e Público mostram as duas principais forças a descer, mas com os socialistas a cair mais que a PàF que está agora com cinco pontos de vantagem, acima da margem de erro, mas 0,2 pontos que na véspera. A coligação está com 37,9%, tendo descido um ponto, enquanto o PS apresenta 32,9% das intenções de voto, uma queda de 1,2 pontos.

Neste estudo, destaque para o Bloco, o único partido a subir nas intenções de voto, 1,2 pontos, passando de 4,8% para 6%. Já a CDU baixa meio ponto, de 8,3% para 7,8%.

No caso da sondagem da Universidade Católica para a RTP, a vantagem entre coligação e PS sobe dois pontos, de 5 para 7. A PàF regista agora 41% das intenções de voto, mais 1 ponto que quarta-feira. Já o PS baixa de 35% para 34%, ou seja, uma queda de um ponto

Ao contrário do estudo da Intercampus, o da católica dá o Bloco a descer um ponto, de 8% para  7%, enquanto a CDU se mantém nos 9%.

Há também uma tendência de queda dos indecisos de um ponto.

O estudo da Intercampus foi feito com uma amostra de 1017 entrevistas, com uma taxa de resposta de 58,1% e uma margem de erro de 3,1%. Já a sondagem da Católica tem por base 1046 inquéritos, com uma taxa de resposta de 67% para uma margem de erro de 3%.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: fmartins@observador.pt