Logo Observador
Media

Bárbara Reis deixa a direção do jornal ‘Público’

A atual diretora, que assumiu funções em 2009, deixa o cargo em novembro. Ainda não é conhecido o substituto.

Bárbara Reis deixa a direção do jornal Público. A atual diretora, que assumiu funções em 2009, sai em novembro, altura em que completa sete anos à frente do jornal. Ainda não é conhecido o substituto.

A notícia foi dada através de comunicado interno da administração do Público, que é detido pela Sonae. No documento, a administração reconhece o “zelo e brio profissionais” da diretora do jornal e garante ainda que a decisão foi tomada de forma “organizada”, de modo a que o processo não afete o normal funcionamento da publicação.

A administração garante que o “horizonte temporal” permite preparar a sua sucessão “com transparência e serenidade”.

No comunicado lê-se, ainda, que Bárbara Reis vai dedicar-se a outros dos seus “multifacetados interesses” dentro do jornal.

A jornalista começou a sua carreira no Expresso e foi depois convidada a fazer parte da equipa do então recém-criado Público. Foi correspondente do jornal em Nova Iorque e acabou por integrar uma missão das Nações Unidas em Timor. Regressou ao Público em 2002, onde ajudou a lançar o P2, foi editora de Cultura e assumiu a direção em 2009, cargo que abandona agora, sete anos depois.

A decisão de dar a conhecer a decisão acontece depois de vários rumores de desentendimentos entre direção e administração do jornal e de alguns conflitos na redação. O comunicado interno da administração acaba por admitir tal situação. “Perante os rumores dos últimos dias, o Conselho de Administração entendeu ser preferível antecipar a divulgação deste processo. As especulações sobre conflitos ou simples desentendimentos tornar-se-iam fortemente desestabilizadoras do jornal e, em acréscimo, seriam particularmente injustas para com a sua diretora”, pode ler-se no comunicado.

A administração escreve ainda que está a preparar a substituição de Bárbara Reis na direção com cuidado. “Desde o primeiro momento, de ambos os lados, houve a preocupação de planificar de modo organizado e sereno esta mudança na direção, para impedir que decisões de caráter urgente ou súbito prejudiquem o Público e os seus colaboradores. Uma planificação, que exige a reserva própria de processos deste tipo, corresponde aos interesses da empresa e foi também sempre sublinhada pela Bárbara Reis”, lê-se no já referido comunicado.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Prostituição

Um trabalho para as filhas dos outros

Pedro Vaz Patto
257

Quando se fala na legalização da prostituição como se de um qualquer outro trabalho se tratasse (o “trabalho sexual”), ninguém certamente pensa nas suas filhas, pensa sempre nas filhas dos outros.