Caso BES

Banco de Portugal vai iniciar a liquidação do Banco Espírito Santo

A decisão do BCE de retirar a licença ao BES para atuar como instituição de crédito vai ter como consequência o arranque do processo judicial de liquidação, anunciou o Banco de Portugal.

MARIO CRUZ/EPA

O Banco Espírito Santo (BES), entidade que ficou na posse dos ativos de má qualidade na sequência da resolução que deu origem ao Novo Banco, não poderá continuar a atuar como instituição de crédito, de acordo com um comunicado divulgado pelo Banco de Portugal. A decisão tem como consequência o arranque do processo judicial de liquidação da instituição que foi alvo de intervenção das autoridades portuguesas a 3 de agosto de 2014.

“O Banco Central Europeu revogou a autorização do Banco Espírito Santo (…) para o exercício da atividade de instituição de crédito. A decisão de revogação da autorização do BES implicará a dissolução e a entrada em liquidação do banco (…). Desta forma, o Banco de Portugal vai requerer, nos termos da lei, junto do tribunal competente o início da liquidação judicial do BES”, pode ler-se no comunicado divulgado pelo banco central liderado por Carlos Costa.

O prazo para o BES, o “banco mau” que resultou do processo de resolução, entrar em processo de liquidação termina a 3 de agosto de 2016, como o Observador noticiou, dois anos após a aplicação da medida de resolução ao que era, então, o terceiro maior banco português. Este prazo ou a venda do Novo Banco eram os limites temporais previstos para o início da liquidação, mas, com o adiamento de um ano dado pela Comissão Europeia para alienar o banco de transição, vale a deadline de 3 de agosto, segundo informação recolhida pelo Observador.

O tempo que vai demorar o processo de liquidação ainda é uma incógnita. De acordo com uma simulação efetuada pela consultora Deloitte, para avaliar os prejuízos que teriam os credores do BES se o banco tivesse ido para liquidação antes de ser aplicada a medida de resolução, o processo de venda de ativos do “banco mau” no quadro de uma liquidação destinada a ressarcir aos credores seria de oito anos. Mas este prazo indicativo está muito exposto a variáveis de natureza jurídica, nomeadamente ações de impugnação por parte de credores, que poderão provocar demoras na conclusão de todo o processo.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jcsilva@observador.pt
Justiça

A nossa (grande) ‘Quadrilha’

Filomena Martins
372

Não é estranho que nos últimos anos se tenham descoberto tantos suspeitos de crimes entre os mais poderosos do país? Eram todos bons rapazes antes ou só agora alguém teve coragem para os investigar?

Só mais um passo

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

E tenha acesso a

  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site