Logo Observador
Dicas Auto

Eles vêm aí. 27 novos SUV que pode comprar em 2017

Este ano, as vendas de SUV em Portugal deverão registar um crescimento na ordem dos 50%. Mas, para o ano, há muito mais. Veja (em detalhe) as 27 novidades que vão surgir no mercado nacional. De A a Z.

Autor
  • Simone Carvalho

O próximo ano promete ser um dos mais dinâmicos de sempre, num dos segmentos mais apetecidos pelos consumidores portugueses, o dos SUV que, só nos primeiros 11 meses de 2016 cresceu 48% nas vendas, saltando das 8.319 unidades comercializadas entre Janeiro e Novembro de 2015 para 12.368 em igual período deste ano, de acordo com os dados da Associação Automóvel de Portugal.

Alinhado pela tendência europeia, este crescimento dos SUV no mercado nacional promete continuar. E a ritmo acelerado pois, para 2017, aguarda-se uma forte ofensiva neste domínio, já que praticamente todos os fabricantes querem disputar uma fatia do segmento, preparando para tal o lançamento de novos produtos – entre facelifts e novas gerações de modelos já existentes, além dos SUV que marcam a estreia de diferentes marcas no segmento.

Se é dos que também morre de amores por este tipo de automóveis, com um ar mais durão, mas com uma utilização eminentemente urbana, saiba que, oficialmente, vêm aí 27 novidades. Porém, é quase garantido que vão ser mesmo 30 (se não forem mais), já que o mais provável é que a Abarth surja com um 500X com raça de escorpião, enquanto a DS poderá apresentar o seu primeiro modelo no domínio dos SUV, mas lá mais para o final do ano. E, a avaliar pelo que diz a imprensa internacional, não será de surpreender se a Citroën revelar também, lá mais para o final de 2017, o seu Aircross, crossover que, para já, oficialmente só começará a ser produzido em Rennes em 2018.

No meio de tanta oferta, simplificamos-lhe a vida e apresentamos-lhe as novidades de A a Z, que é como quem diz, por ordem alfabética. Mas fazemos mais: dizemos-lhe quando chegam, quanto custam ou podem custar e mostramos-lhe como são. Por dentro e por fora.

1. Alfa Romeo Stelvio

aqui falámos sobre o primeiro SUV da Alfa. Chega a Portugal no segundo trimestre de 2017, inicialmente com a versão mais desportiva, a que é animada pelo motor 2.9 V6 Turbo, bloco concebido com a colaboração da Ferrari e que debita 510 cv. Mais tarde chegarão as motorizações diesel, precisamente as mesmas 2.2 que já conhecemos no Giulia, com 150 e 180 cv, por valores que começarão abaixo dos 50.000€, para fazer frente aos ditos rivais premium.

2. Audi Q5

O novo SUV médio de Ingolstadt chega no início de 2017. Como já tivemos ocasião de lhe dar conta, a nova geração do best-seller da Audi está maior e mais leve, prometendo ganhos em habitabilidade e performance. Será introduzida no mercado com mais argumentos no que toca às ajudas à condução e, no que diz respeito a motores, surgirá com potências entre os 150 e os 286 cv. Vão ser disponibilizados quatro blocos TDI a gasóleo (2.0 TDI de 150, 163 e 190 cv, e 3.0 TDI 286 cv) e um TFSI a gasolina (2.0 TFSI 252 cv). A versão mais acessível continuará abaixo dos 50.000€.

3. Audi SQ2

2017-audi-sq2-spy-photo

A imprensa internacional garante que a Audi tem já em avançado estado de desenvolvimento uma versão de alto desempenho do novo Q2. Tal como este SUV, assente na mesma plataforma do A3 hatchback, o SQ2 poderá recorrer ao 2.0 TFSI turbo a gasolina com 306 cv e ao sistema de quatro rodas motrizes do S3. E, quem sabe, se não virá por aí também um ainda mais potente Q2 RS… Os valores, esses, estão no segredo dos deuses.

4. Citroën C3 Aircross

A marca francesa vai expandir a sua gama de crossovers, muito possivelmente no final de 2017. A avaliar pela imagem que a Auto Express publicou, o modelo vai ter, naturalmente, uma maior distância o solo do que o C3, enquanto a receita, na estética, deverá passar por seguir a filosofia do C4 Cactus. Dado que as motorizações deverão ser as mesmas que a do C3, é de esperar que os valores se iniciem abaixo dos 20.000€.

5. Dacia Duster

Prometendo continuar a ser um dos SUV mais acessíveis do mercado, o Dacia Duster foi alvo de um facelift, pelo que surgirá com uma imagem mais moderna. Mas o grande destaque vai para a introdução, pela primeira vez na Dacia, de nova caixa automática e logo de dupla embraiagem. A EDC está associada (em opção) ao diesel dci 110 4×2 e chega em Março.

6. Fiat 500X

Em grande parte dos mercados internacionais já estão abertas as encomendas para a versão actualizada do 500X, pelo que pouco tardará até que o mesmo aconteça em Portugal, sendo que os preços actualmente arrancam nos 22.100€. O SUV transalpino mantém-se igual no que toca a dimensões, mas amadurece do ponto de vista do design. Entre as novidades, destaque para três novas cores para a carroçaria, novas jantes de 17” e novos embelezadores à frente e atrás, a imitar protecções da mecânica. Desconhece-se, ainda, se vão ou não existir alterações ao nível das motorizações na gama disponível em Portugal.

7. Honda CR-V

Assente numa nova plataforma, a quinta geração do SUV nipónico cresceu 4 cm na largura e 3 cm no comprimento, pelo que vai passar a oferecer uma melhor habitabilidade, sobretudo no espaço disponível para as pernas de quem vai sentado nos lugares posteriores. Ênfase para o facto de este ser o primeiro modelo da Honda a contar com grelha frontal de lamelas activas, ou seja, que se fecham de início para acelerar o aquecimento do motor e depois só abrem quando o motor está demasiado quente, para optimizar a aerodinâmica. Antecipa-se uma ligeira subida dos valores pelos quais será proposto, já que é conhecida a intenção da Honda de pretender posicionar este SUV num patamar mais premium.

8. Jeep Compass

Quer ser o melhor no todo-o-terreno e chega no segundo semestre de 2017. O Compass posiciona-se entre o mais pequeno Renegade e o maior Cherokee, mas esteticamente vai buscar muitas semelhanças aos manos grandes (Cherokee e Grand Cherokee), nomeadamente a nova grelha frontal ou as cavas das rodas trapezoidais. Mais importante do que isso, o sistema de tracção integral que permite enviar até 100% da potência para qualquer roda, utilizando para tal a vectorização da força de travagem, o que pode ser uma boa ajuda em situações de tracção limitada. É de esperar que os preços se aproximem mais do Renegade do que do Cherokee, ou seja, algures abaixo dos 35.000€.

9. Kia Niro

É um crossover, mas também um híbrido e chega em Janeiro com um preço “canhão”. Oficialmente, os valores arrancam nos 31.390€ mas, como vem sendo hábito na Kia, também este modelo beneficiará de uma campanha de lançamento, com um desconto de 4.200€, que lhe fará descer o preço para os 27.190€!

Prometemos dar-lhe a conhecer em breve e em pormenor este Kia, mas até lá fique com os seus principais argumentos: estreia uma nova plataforma, projectada de raiz para acomodar especificamente motorizações mais ecológicas, neste caso associando um bloco 1,6 litros a gasolina a debitar 105 cv e 147 Nm de binário, a um propulsor eléctrico de 32 kW que lhe garante mais 44 cv e 170 Nm de binário. Ou seja, ao todo, 141 cv de potência e 265 Nm de binário sob o pedal de acelerador, com consumos de 4,4 l/100 km e emissões de 101 g/km, já com as jantes de 18″ propostas de série. Outro dado a seu favor é a habitabilidade, superior à do Sportage em qualquer uma das filas de bancos. Esteticamente, surge em evidência o característico pilar C largo e a mais recente evolução da já famosa grelha tiger nose.

10. Kia Rio SUV

Para concorrer com modelos como o Renault Captur e o Peugeot 2008, a marca sul-coreana partiu do novo Rio, que será introduzido no mercado dentro de três meses, para se estrear com um SUV no subsegmento dos compactos. Por enquanto, mais nada se sabe. Mas fica a promessa de o poder ver nos stands nacionais em Outubro – precisamente o mês em que se prevê a chegada do Niro Plug-in (o eléctrico só em 2018).

11. Land Rover Discovery

Já pode ser encomendado em Portugal, mercado onde chegará na Primavera de 2017, com preços que se iniciam nos 69.112€. A quinta geração deste SUV perde 480 kg face à sua antecessora, é mais comprida (141 mm) e usufruiu de uma maior distância entre eixos (2.923 mm, mais 38 mm). A gama de motores inclui as unidades a gasóleo da família Ingenium, com quatro cilindros em linha e 2,0 litros (nas versões Td4 de 180 cv e 430 Nm, e Sd4 biturbo de 240 cv e 500 Nm), e ainda o 3.0-V6 que anima a variante Td6 (258 cv e 600 Nm). A opção a gasolina monta sob o capot o motor 3.0-V6 sobrealimentado de 340 cv e 540 Nm. Mais detalhes aqui.

12. Mazda CX-5

A segunda geração do SUV de médio porte da Mazda promete continuar a assegurar-lhe um bom desempenho em termos de vendas. Isto porque, parecendo que muda pouco, o modelo nipónico muda bastante. Montado sobre uma plataforma actualizada, mantém as dimensões da actual geração, excepção feita para a altura, que cresce 2 cm (1,69 m). Esteticamente há mexidas, mas mais numa óptica de evolução do que de revolução. No capítulo da técnica, a principal novidade é a adopção do G-Vectoring Control, sistema introduzido pela primeira vez no Mazda6, que coordena electronicamente o motor, transmissão, chassi e suspensão, com o torque a variar em cada roda de forma independente, de acordo com as condições da estrada.

13. Mini Countryman

O Countryman cresceu de forma significativa, em todos os sentidos, sendo 200 mm mais comprido (4.299 mm) e 30 mm mais alto (1.822 mm) do que o seu antecessor, além de contar com uma distância entre eixos 75 mm mais longa. Tem início de comercialização marcado para Fevereiro, por valores ainda não divulgados, o maior e mais versátil modelo de sempre dos 57 anos de história da Mini, a quem caberá incluir na sua gama um híbrido plug-in – uma estreia para a marca. O Cooper S E Countryman monta um grupo motopropulsor que combina o motor de três cilindros e 1,5 litros a gasolina, com 136 cv e 220 Nm, com um motor eléctrico síncrono de 88 cv e 165 Nm, para um rendimento combinado de 224 cv e 385 Nm. Ou seja, este é o Countryman mais “ecológico”, menos gastador e mais performante da família: anuncia emissões de CO2 de 49 g/km, um consumo médio de 2,1 l/100 km e 6,9 segundos nos 0-100 km/h. Mas será igualmente disponibilizado com quatro motores de combustão interna.

14. Nissan Qashqai

O modelo que inaugurou o segmento dos SUV e que continua a ser uma referência vai ser alvo de um facelift no próximo ano. Deverá surgir com nova actualização no segundo semestre de 2017, mantendo os respectivos valores de comercialização em linha com os já praticados, ou seja, algures a arrancar na casa dos 24.000€.

15. Opel Crossland X

Em 2017, a Opel lançará sete novos modelos, dois dos quais designa de CUV – (Crossover Utility Vehicle). O primeiro a surgir, na Primavera, será o Crossland X, um SUV compacto que se posiciona abaixo do Mokka X e que será o primeiro modelo resultado da colaboração entre a Opel e a PSA. Isto porque vai assentar na mesma plataforma do Citroën C3 Picasso e do Peugeot 2008. E, tal como eles, será produzido, tal como os seus “primos-direitos”, na fábrica da Opel em Saragoça. Quanto a preços, a marca germânica adianta que ainda não estão definidos, sendo certo que “alinharão pela bitola” deste subsegmento. O que se sabe, para já, é que o substituto do actual Meriva vai piscar olho aos que querem um automóvel com ares de SUV, mas com um design menos masculino.

16. Opel Grandland X

Vai surgir no Outono o SUV com que a Opel faz pontaria directa ao Nissan Qashqai. Atendendo ao alvo a abater, os preços não deverão andar longe dos 24.000€. O Grandland X recorrerá à mesma plataforma do Peugeot 3008 e vem fazer companhia ao monovolume de sete lugares da marca, o Zafira, na classe dos compactos. A apresentação oficial está já marcada para o Salão de Frankfurt, e a produção estará a cargo da PSA, na fábrica de Sochaux.

17. Peugeot 5008

Algures entre Março e Abril do próximo ano, a marca francesa vai revelar o seu SUV de sete lugares derivado do 3008. No que toca a preços, se a lógica se mantiver igual à inaugurada pelo 3008, é de esperar que Peugeot queira também colocar o seu 5008 num patamar de valores mais próximo dos rivais premium. Embora mais largo e mais comprido do que o modelo que vem substituir, o novo 5008 está 95 kg mais leve e destacar-se-á pela modularidade. Os bancos traseiros podem ser removidos por completo e o banco da frente do passageiro dobra-se para a frente, para criar ainda mais espaço.

18. Renault Captur

O SUV best-seller da Renault em Portugal vai ser alvo de uma actualização em Maio. Ao que apurámos, a enfâse residirá num reforço do equipamento de série e na aposta numa maior qualidade dos materiais. Porém, para se manter como um dos produtos mais competitivos do segmento, não é de esperar que a Renault entre em devaneios em matéria de valores de comercialização. Os quais, de momento, se iniciam nos 17.450€.

19. Renault Kadjar

À venda a partir de Janeiro, o novo Kadjar será proposto a partir de 29.600€, com dois níveis de equipamento – um dos quais, o XMOD, dotado do sistema de controlo de tracção optimizado Grip Control. Isto, para quem se quiser aventurar no offroad. Não menos importante é o facto deste modelo pagar classe 1 nas portagens, com Via Verde. O Kadjar será comercializado apenas com o motor turbodiesel 1.5 dCi de 110 cv e 260 Nm, combinado com uma caixa manual de seis velocidades, o qual lhe permite anunciar 182 km/h de velocidade máxima, 11,2 segundos nos 0-100 km/h e um consumo combinado de 3,9 l/100 km. Com esta proposta, a Renault está claramente a preparar-se para disputar com a sua colega de Aliança, a liderança deste subsegmento. Tanto mais que, com o mesmo motor, o Qashqai é agora proposto por valores desde 28.340€.

20. Renault Koleos

Ainda se lembra? Foi em Julho de 2008 que a Renault deu início à comercialização do Koleos no mercado português. Porém, o primeiro SUV da marca francesa nunca foi muito pródigo em vendas, com os preços a variarem na altura entre os 41.800 e os 52.200€. Apresentado agora como “um modelo de conquista, com a imagem ideal para os mercados em que o segmento dos SUV está em pleno crescimento”, este modelo vai voltar a estar à venda em Portugal, em Maio/Junho próximos. Tanto mais que está já a ser comercializado na Austrália, Turquia, países do Golfo, em alguns países da América Latina e na China.

O novo Koleos oferece uma posição de condução 150 mm mais alta que a do Talisman, com o qual partilha a arquitectura modular. Mas além do inegável parentesco estético com a grande berlina da marca francesa, aquilo que mais o distingue da concorrência é a inserção cromada que parte do farol e se estende a todo o comprimento do guarda-lamas, prolongando visualmente o capot. Elementos estilísticos à parte, destaque para uma distância entre eixos de 2.710 mm (comprimento total de 4.670 mm), ou seja, uma das maiores da categoria, permitindo ao modelo francês reclamar uma habitabilidade recorde e um posicionamento como verdadeiro SUV do segmento D.

Consoante os mercados, o Koleos estará disponível com dois motores a gasolina e dois motores diesel, com potências entre 130 e 175 cv, associados a uma caixa manual de seis velocidades ou a uma caixa automática X-Tronic. Se o quiser conhecer mais em detalhe, clique aqui.

21. Seat Arona

Depois do Ateca, a Seat promete continuar a sua ofensiva de SUV. E a próxima arma para travar o combate num dos segmentos mais apetecidos do mercado dá pelo nome de Arona. Imagens ainda não há, embora alguns sites reclamem essa proeza. O que se sabe, isso sim, é que o Arona vai partir da mesma base do Ibiza – a mesma que também serve o Audi Q2e revelar-se aos olhos do mundo no Salão de Frankfurt, isto é, algures entre os dias 14 e 24 de Setembro.

Com 4,2 m de comprimento, o Arona deverá contar com os motores mais pequenos e económicos da marca, a começar pelo 1.0 TSI a gasolina e o 1.4 TDI a gasóleo, podendo algumas versões herdar o 1.6 TDI. Em matéria de preços, este mini SUV deverá chegar ao mercado por menos de 20.000€, de forma a concorrer directamente com o líder do segmento, o Renault Captur.

22. Seat Ateca de sete lugares

À semelhança do que também acontecerá com o Volkswagen Tiguan e com o Skoda Kodiaq, também a Seat deverá propor em 2017 o Ateca na versão longa, com sete lugares. Quando e por quanto? Ainda não se sabe.

23. Skoda Kodiaq

O primeiro SUV da marca checa chega em Abril, por menos de 40.000€. Já lhe falámos em detalhe dele, por isso, aqui ficam os pontos essenciais: uma generosa volumetria interior, como é apanágio da Skoda; a maior bagageira da classe; e as funcionalidades Simply Clever a que a marca já habitou os seus clientes.

Na sua fase de lançamento, o Kodiaq será proposto com três motores a gasolina TSI e dois turbodiesel TDI, todos com injecção directa de combustível e turbocompressor. Do primeiro grupo fazem parte o 1.4 TSI, nas suas derivações de 125 cv e 200 Nm, e de 150 cv e 250 Nm, assim como o 2.0 TSI com 180 cv e 320 Nm. Mas para o nosso mercado vai interessar sobretudo o 2.0 TDI, e em especial a sua versão de 150 cv e 340 Nm, ainda que da oferta faça também parte a variante de 190 cv e 400 Nm. Isto porque o 2.0 TDI de 150 cv é o único Kodiaq a gasóleo a poder contar com tracção apenas dianteira – o que, entre nós, é determinante para conseguir um preço mais baixo e pagar classe 1 nas portagens.

24. Suzuki Ignis

A marca nipónica não está indiferente ao sucesso que os pequenos crossovers estão a colher junto dos consumidores, os quais pretenderá cativar com o seu novo Ignis, com um look bem mais radical. As motorizações deverão ser as provenientes da actual gama de blocos a gasolina da marca, incluindo o novo turbo Boosterjet de 1,0 litro disponibilizado no Baleno.

25. Volkswagen Tiguan Allspace

A versão XL do Tiguan será apelidada de Allspace e tem já revelação oficial agendada para o Salão de Detroit, que abre portas a 22 de Janeiro. Para além de espaço para sete, o Tiguan Allspace oferece mais equipamento do que a versão mais curta e promete chegar aos consumidores a partir de Julho.

26. Volkswagen T-Roc

A fabricar em Portugal, pela Autoeuropa, a versão SUV do VW Golf será apresentada numa versão de pré-produção em Março, no Salão de Genebra. O formato definitivo será conhecido no segundo semestre de 2017, sendo que as mecânicas deverão ser as mesmas do Golf, incluindo o 1.0 TSI de 115 cv e o novo 1.5 TSI Evo com sistema de desactivação de cilindros ACT, nas versões de 130 cv e 150 cv. Já a oferta a gasóleo passará pelas mais recentes evoluções dos conhecidos 1.6 TDI e 2.0 TDI. Em equação estará ainda a inclusão de um motor 2.0 turbo a gasolina, destinado a uma versão T-Roc GTI, que poderá chegar aos mesmos 245 cv do novo Golf GTI Performance. Na calha estão também as variantes híbrida plug-in T-Roc GTE e eléctrica e-T-Roc, tal como o renovado Golf vai receber. Os preços, esses, deverão no máximo sofrer um acréscimo de 10% relativamente ao praticado pelas versões equivalentes do Golf.

27. Volvo XC60

Em meados do ano que vem, a Volvo lançará o seu novo XC60. O rival do Audi Q5 vai adoptar os melhores traços do XC90, só que condensados num SUV de menores dimensões. Montado numa plataforma encurtada do seu “irmão maior”, deverá receber os mesmos motores a gasolina e diesel de 2,0 litros, sendo que mais tarde, a marca planeia também introduzir uma versão híbrida plug-in, capaz de desenvolver à volta de 405 cv.

Recomendador: descubra o seu carro ideal

Não percebe nada de carros, ou quer alargar os horizontes? Com uma mão-cheia de perguntas simples, ajudamo-lo a encontrar o seu carro novo ideal.

Recomendador: descubra o seu carro idealExperimentar agora
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt